Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Um pequeno jardim.

Um dia pela manhã uma senhora saiu do conforto de sua casa no sítio onde vivia com sua linda e pequena família. Sílvia ia no campo colher flores silvestres e alguns feixes de junco para fazer pequenos arranjos e enfeitar sua casa com estes arranjos. Ela adorava flores e sua filha gostava de ver a casa sempre florida e bela. A família vivia neste pequeno sítio onde as árvores cobriam toda extensão do terreno e enchia de sombras a casa.
 -Francisca gostava de flores e sempre dizia a mãe que sonhava construir um belo jardim em frente a casa, ela adorava ver as flores e borboletas coloridas, achava o máximo.
-Sílvia então disse a filha Francisca, o que acha de fazermos este jardim agora?
Depois de voltar com as flores do campo as duas mãe e filha começaram a cavar e preparar a terra, afofando bastante e adubando. Algumas horas depois elas estavam com uma grande parte da frente da casa toda cavada e os canteiros feitos.
 Francisca saiu e seguiu em direção ao pequeno riacho para colher as pedras brancas e redondas que havia lá. Depois de algumas horas colhendo as pedras ela havia enchido vários balaios, enquanto aguardava seu irmão para carregá-los ela imaginava como ficaria lindo o jardim. Sua mãe ia gostar não precisaria mais ir ao campo para buscá-las e sempre haveria muitas borboletas em seu jardim além de beija-flores. Enquanto visualizava o jardim cheio de rosas vermelhas e algumas flores rasteiras cobertas de borboletas coloridas em revoada, ela adormeceu por alguns minutos e sonhou com um mundo colorido e cheio de paz. O irmão então apareceu para carregar os balaios e Francisca acordou.
Nos dias seguintes, enquanto mãe e filha plantavam as mais variadas mudas de flores nos canteiros, Sílvia se lembrou de uma rosa gigante que sua mãe sempre guardava sementes, chamando o filho pediu que fosse até a casa da avó e trouxesse as sementes. Francisca então disse a mãe quando as flores estiverem desabrochando será primavera e faremos alguns bancos para aproveitarmos a beleza dos finais de tarde. A sombra enchia a casa e trazia um clima bom com ventos frescos e deixava ainda mais bela a casa naquele pequeno sítio. Depois de alguns meses, o jardim estava começando a florir, Sílvia preparava para receber suas tias e a mãe que viriam para o almoço, então Francisca entrou na cozinha com uma bela rosa gigante nas mãos, e colocou num pequeno vaso e entregou a sua mãe que admirou a beleza da quela rosa e disse a filha.
-Sabe minha filha nossa vida pode ser comparada a uma rosa.
-Como assim perguntou Francisca?
-Quando preparamos a terra e fizemos os canteiros, era como o tempo de gestação de uma vida. -Quando plantamos as mudas, era o nascimento da vida, durante o tempo que esta roseira demorou para crescer e desabrochar a primeira rosa, era como os primeiros passos de uma criança.
-Francisca então pergunta a mãe, e agora que estava bela no pé e eu a colhi?
-Sílvia responde é como se uma mãe que carrega sua criança no colo tem ela arrancada de seus braços sem nenhuma explicação ou motivo. Francisca para olha a rosa bela no vaso e olha pela janela, a roseira que tinha apenas aquela rosa desabrochada e alguns pequenos botões. Então ela diz a sua mãe eu nem acredito que fiz isto. Sílvia pergunta fez o que filha?- Eu tirei a rosa única de todo jardim, me sinto como se tivesse arrancado a criança da mãe.

Depois de algumas explicações de Sílvia Francisca entende a reflexão que se tira da vida e da natureza. Juntas mãe e filha preparam o almoço e recebem a família cheias de alegrias. Enquanto isto caiu uma chuva bem fininha no jardim e as pequenas rasteiras encheram de flores e borboletas como era divina a natureza.
Texto da escritora Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
One day in the morning a lady came out of the comfort of your home at the site where he lived with his beautiful and small family. Sylvia was in the field gather wild flowers and some sheaves of reeds to make small arrangements and decorate your home with these arrangements. She loved flowers and her daughter enjoyed seeing the house always flowery and beautiful. The family lived in this small place where the trees covered the entire length of the ground and filled with shadows home.
-Francisca Loved flowers and always said the mother who dreamed of building a beautiful garden in front of the house, she loved seeing the colorful flowers and butterflies, thought as much.
-Sílvia Then told her daughter Frances, what do you think of doing this garden now?
After returning to the flowers of the field both mother and daughter began to dig and prepare the land, fluffing enough and composting. A few hours later they were with a large front of the dug every house and made beds.
Frances left and headed toward the small stream to collect the white and round stones that were there. After a few hours picking the stones she had filled several baskets, while waiting for his brother to carry them she imagined how it would look lovely garden. His mother would like need not go to the field to pick them up and there would always be many butterflies in your garden as well as hummingbirds. While envisioning the garden full of red roses and some covered creeping flowers of colorful butterflies in flight, she fell asleep for a few minutes and dreamed of a colorful world full of peace. The brother then appeared to carry the baskets and Francisca agreed.
In the following days, while mother and daughter planted the various flower seedlings in flower beds, Sylvia remembered a giant rose that her mother always kept seeds, calling the child asked to be to the grandmother's house and bring the seeds. Francisca then told the mother when the flowers are blooming will be spring and do some banks to take advantage of the beauty of the late afternoon. The shadow filled the house and brought a good climate with cool winds and made even more beautiful home that little place. After a few months, the garden was beginning to blossom, Silvia preparing to receive her aunts and the mother to come for lunch, then Frances came into the kitchen with a beautiful giant pink hands, and placed in a small pot and handed it to her mother who he admired the beauty of the rose and said chelates daughter.
You know my daughter our lives can be compared to a rose.
How so he asked Francisca?
-When Prepare the land and made the beds, it was like the gestation time of a lifetime. -When Plant the seedlings, it was the birth of life, for as long as this rosebush took to grow and bloom the first rose, it was like the first steps of a child.
-Francisca Then asks the mother, and now she was beautiful in the foot and I harvested?
-Sílvia Answers is like a mother who carries her child in her lap she has torn from her arms without any explanation or reason. Francisca looks for the beautiful rose in the vase and looks out the window, the rosebush that only had that pink blossomed and small buttons. So she tells her mother I can not believe I did it. Sylvia question did what daughter - I took the only rose garden all, I feel like I have plucked the child's mother.
After some explanations Sylvia Francisca understand the reflection that takes the life and nature. mother and daughter together preparing lunch and receive the full family joys. Meanwhile it dropped a very thin rain in the garden and the small trailing filled with flowers and butterflies as was divine nature.
Luzia Couto text. Copyright reserved to the author. The copying, collage, reproduction or disclosure of any kind whatsoever, the whole or part without the prior and express authorization of the author. Rights are guaranteed in the Brazilian and international laws of intellectual property protection and disrespect will be subject to the application of appropriate penalties.
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Un día, en la mañana una señora salió de la comodidad de su hogar en el lugar donde vivía con su bella y pequeña familia. Sylvia estaba en el campo recoger flores silvestres y algunos haces de juncos para hacer arreglos pequeños y decorar su hogar con estos arreglos. Ella amaba las flores y su hija le gustaba ver la casa siempre florido y hermoso. La familia vivía en este pequeño lugar donde los árboles cubiertos toda la longitud de la tierra y llenos de sombras de origen.
-Francisca Amaba las flores y siempre dijo la madre que soñaba con la construcción de un hermoso jardín frente a la casa, le gustaba ver las flores y las mariposas de colores, lo imaginaba.
-Silvia Entonces dijo a su hija Frances, ¿qué piensa usted de hacer este jardín ahora?
Después de regresar a las flores del campo, tanto para la madre y la hija comenzaron a excavar y preparar la tierra, esponjar suficiente y el compostaje. Unas horas más tarde se encontraron con un gran frente de la cavado cada casa y camas hechas.
Frances izquierda y se dirigió hacia la pequeña corriente para recoger las piedras blancas y redondas que estaban allí. Después de unas horas recogiendo las piedras que había llenado varias cestas, a la espera de su hermano para llevarlas a ella se imaginaba cómo se vería precioso jardín. Su madre le gustaría no necesita ir al campo para recogerlos y siempre habría muchas mariposas en el jardín, así como colibríes. Si bien imaginar el jardín lleno de rosas rojas y algunas flores reptiles cubiertos de mariposas de colores en vuelo, se quedó dormida durante unos minutos y soñaba con un colorido mundo lleno de paz. El hermano entonces apareció para llevar las cestas y Francisca estuvo de acuerdo.
En los siguientes días, mientras que la madre y la hija plantaron las diversas plantas de semillero de flores en parterres, Sylvia recordaba un gigante rosa que su madre siempre mantuvo semillas, llamando al niño pidió que fuera a la casa de la abuela y llevar las semillas. Francisca le dijo a la madre cuando las flores están floreciendo será primavera y hacer algunos bancos para aprovechar la belleza de la tarde. La sombra llenó la casa y trajo un buen clima con vientos fríos y hecho en casa aún más bella que pequeño lugar. Al cabo de unos meses, el jardín estaba empezando a florecer, Silvia se prepara para recibir a sus tías y la madre a venir para el almuerzo, a continuación, Frances entró en la cocina con unas manos hermosas rosas gigantes, y se coloca en una olla pequeña y se la dio a su madre que admiraba la belleza de la rosa y la hija dijo quelatos.
Usted sabe que mi hija nuestras vidas se pueden comparar con una rosa.
¿Cómo lo que pidió a Francisca?
-Cuando Preparar la tierra e hizo las camas, que era como el tiempo de gestación de toda la vida. -Cuando Planta de las plántulas, fue el nacimiento de la vida, durante el tiempo que este rosal llevó a crecer y florecer la primera rosa, fue como los primeros pasos de un niño.
-Francisca Luego le pide a la madre, y ahora que era hermosa en el pie y me cosechado?
Respuestas -Silvia es como una madre que lleva a su hijo en su regazo se ha arrancado de sus brazos sin ninguna explicación ni razón. Francisca busca la hermosa rosa en el florero y mira por la ventana, el rosal que sólo tenía que el rosa floreció y pequeños botones. Así que le dice a su madre que no puedo creer que lo hice. pregunta Sylvia hizo lo que la hija - Tomé el único jardín de rosas de todo, me siento como si hubiera arrancado la madre del niño.
Después de algunas explicaciones Sylvia Francisca entender la reflexión que lleva a la vida y la naturaleza. madre e hija juntos preparando el almuerzo y recibir las alegrías familiares completos. Mientras tanto se dejó caer una lluvia muy fina en el jardín y el pequeño remolque lleno de flores y mariposas al igual que la naturaleza divina.
Luzia texto Couto. Los derechos de autor reservado al autor. La copia, el collage, reproducción o divulgación de cualquier tipo que sea, la total o parcial sin la autorización previa y expresa del autor. Derechos están garantizados en las leyes nacionales e internacionales de protección de la propiedad intelectual y la falta de respeto estarán sujetos a la aplicación de sanciones apropiadas.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…