Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | O tricô do bem.

 Toda manhã antes de se levantar Jessica sempre pedia proteção para um dia abençoado para si e todos que amava. Agradecia pelo café da manhã, ao terminar seu café ia para mais um dia de trabalho na cooperativa de tricôs a que fazia parte sua família. Todos os que trabalhavam na pequena cooperativa era pessoas humildes e honestas, tinha uma senhora que ajudava eles nos contatos para conseguir novos clientes, ela pesquisava as empresas que comprava os produtos e exportava, assim ela conseguiu um meio de exportar as peças que fabricavam, no começo era poucas peças devido os padrões de qualidade e a burocracia que eram muitas. Com o tempo eles aumentaram a cooperativa transformando numa média empresa e com boa qualidade. Neste ano haviam vendido bastante mas tinha muitas peças que devido a qualidade exigida não exportada, teriam que vender barato para sair do estoque que já era grande. Jessica em sua casa imaginava um jeito de resolver a situação, as famílias dependiam do trabalho e dos clientes, e as peças acumuladas causava um certo transtorno a todos, estavam felizes com as vendas todas as peças com qualidade fora exportada, teriam que contratar mão de obra estavam com grandes pedidos, nesta hora pensou vou fazer uma reunião e sugerir uma ideia.
No fim do expediente a mulher que lhes ajudava a Sra. Noemi que era advogada e entendia das leis, estava presente para auxiliar mais uma vez, ela não fazia parte da cooperativa, mas sim ajudava como amiga que era das famílias dali, Jessica disse Noemi tive uma ideia queria que falasse em meu nome eu não sei dizer palavras bonitas. Queria sugerir de doarmos as peças que estão no estoque, doaríamos para os asilos as peças grandes, e as peças menores para as creches e hospitais de crianças, o que acha? Deus é uma ideia maravilhosa, vou falar com todos. As pessoas que trabalhavam teriam que concordar em doar era muitas caixas de peças que estava no estoque e ocupava o pequeno espaço. Na hora da reunião foi um silencio total Noemi e Jessica falaram, ao terminar alguns concordavam outros não, foi então que Nicole uma senhora mais sábia e que todos as respeitavam por ter mais idade disse, olha a maioria aceitou doar, mas vocês que não aceitam retire suas peças e guarde em suas casas, mas não poderão fabricar nem uma peça com defeito de agora em diante, todas as peças terão que ter qualidade para exportação, quem achar que é capaz de nunca mais errar, retire suas peças. Foi um silencio, todos estão sujeitos a erros, então ficou aprovado doariam as peças na véspera de natal, seria um presente também as crianças carentes ganhariam algumas peças, tudo decidido voltaram para suas casas, alguns ainda reclamavam, mas a maioria estava feliz com a decisão, ajudariam as pessoas com seu trabalho.
Trabalharam o resto do mês, em dezembro entregaram toda encomenda, com ajuda dos novos tecelões tudo ficou pronto a tempo. Na semana que antecedia o natal foi uma movimentação grande ainda venderam bastante peças soltas, resolveram fazer uma promoção relâmpago e com a renda fazer umas cestas básicas para as famílias carentes do bairro. Ao fim da tarde tudo que não venderam que ia para a doação ainda era bastante passava de 190 peças, separam tudo em caixas enumeradas de acordo com a faixa etária, foi um trabalhão, mas no fim deu certo, as vendas renderam um bom dinheiro, na manhã seguinte algumas pessoas iriam na cidade vizinha fazer pesquisas de preços e comprar as cestas. Tudo estava dando certo Jessica estava feliz iam ajudar as muitas pessoas, um dia ela também teve a felicidade de ter recebido ajuda de alguém, seu trabalho hoje é fruto da ajuda de Noemi, que apostou na moça e garantiu os estudos, ela está cursando pedagogia. A entrega das doações estava marcada para a manhã seguinte, todos juntos fariam as entregas marcaram o local seria numa quadra de esportes no bairro mesmo. As crianças se ajuntaram gritavam cantavam, era uma festa, as famílias carentes ficaram felizes com suas cestas, as creches, o asilo e o hospital agradeceu muito, as pessoas estavam felizes era véspera de natal. A noite todos se reuniram na casa de Noemi ela havia preparado uma ceia maravilhosa para seus amigos, foram muitos agradecimentos e felicitações de natal, Jessica disse amigos o melhor presente foi Deus que nos deu saúde, amigos e trabalho. Com nosso trabalho hoje podemos fazer a felicidade de muitas famílias, imagina se todas essas famílias que ajudamos hoje tivesse seu trabalho e fizesse o mesmo que fizemos, seria uma corrente do bem, seria maravilhoso.

Texto escrito por Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de propriedade intelectual.



Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…