Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | A professora do bem.

Ediana é uma mulher bela elegante e muito dedicada a família, quando se casou ainda fazia faculdade, mas logo terminou, seu esposo Fábio homem bom trabalhador sempre a incentivou nos estudos e em tudo que ela se propusesse. Assim que terminou a faculdade começou a lecionar numa pequena escola da zona rural onde tinha poucos alunos numa escola bastante precária, mas ela fazia seu trabalho com amor, se dedicava aqueles alunos como se fossem seus filhos, até um dia a secretaria de educação informar que a escola ia fechar, Fábio ficou sabendo antes de Ediana mas não teve coragem de contar sabia do amor da esposa pelos alunos e pela profissão. Ao ser procurada pelo secretário ela chorou muito, mas nada podia fazer a escola foi demolida e os alunos foram estudar na pequena cidade próxima. A mulher aborrecida, mas cheia de esperanças de conseguir outra escola começou a rezar e pedir pra Deus uma solução. Na semana seguinte eis que uma surpresa acontece na vida de Ediana ao sentir uma tontura pela manhã foi ao médico e descobriu que estava grávida, depois de alguns exames e alguns meses descobriu que era gêmeos, por dois anos a mulher ficou em casa e continuava a morar na zona rural mas na medida que os garotos cresciam ela queria voltar a escola além de fazer o que amava, também ajudaria nas despesas de casa que era bastante com dois filhos crescendo, foi nesta luta que o marido resolve mudar pra cidade. Ao conseguir um trabalho na cidade Fábio decidido comprou uma bela casa para a amada e seus filhos. 
A mudança foi um sucesso. 
Ediana cheia de vida e de esperanças novas em seu coração, se prepara para mudar os filhos agora bem grandinhos brincavam bastante e assim ela ganhava tempo para cuidar da mudança. Dois dias depois se viu realizada em uma bela casa na pequena cidade que veria seu sucesso e seus filhos crescerem, a pracinha da matriz tinha um belo jardim onde seus filhos poderiam brincar bastante com outas crianças, o tempo passou e ela voltou a dar aulas agora os filhos estavam bem grandes e iam para escola junto com ela, na escola todos a admiravam muito por ser uma mulher valente de fibra, trabalhadora e muito dócil, ela bastante humana via no seu semelhante um irmão e sempre o ajudava como podia. A diretora da escola sentia ciúmes dela com os professores, todos queriam falar com ela um pouco tomar uma opinião era como se fosse conselheira da escola, qualquer que fosse o problema Ediana resolvia, tinha um sorriso lindo meigo e um coração muito generoso, sua alma parecia ser feita de algodão doce tão gentil e amável era. Os alunos todos queriam tê-la como professora, além de ter muita paciência com eles ela os ensinava muito bem, os princípios básicos de integridade da dignidade e de caráter eles aprendiam com ela pois se sentia como mãe para eles. Tudo que fosse com respeito a educação e princípios de família, ética e sabedoria eles aprendiam, além de ter boas lições de religião como amor, humildade, fé e partilha entre todos, ensinava que amor, humildade e generosidade todos precisam ter pois é o passa porte para o sucesso. A mulher não sabia mais uma notícia triste a aguardava. Mais uma decepção para Ediana agora seria trocada de escola pegaria uma turma de alunos desconhecidos como a receberiam. 
O grande dia chegou e Ediana foi de coração aberto. 
Ao chegar na escola foi direcionada a sua nova turma que a recebeu com certa frieza no primeiro dia, a professora ficou triste desapontada e pensando o que fazer para agradar a tantos alunos.Voltou pra casa triste e contou a Fábio o acontecido, ele a beijou ternamente e disse meu amor você tem um coração gigante é uma mãezona se eles não a acolherem cheios de amor, eles é que vão perder, não se abata com isto, os filhos também confortaram a mulher e a cobriram de beijos e carinhos, ela reagiu e continuou seu trabalho. Na manhã seguinte se produziu toda e muito bela lá se foi Ediana para escola, quando chegou na sala e cumprimentou os alunos, se encheu de emoção os alunos estavam ansiosos por sua chegada, perceberam a burrada que fizeram na aula anterior e pediram desculpas, indo um a um até ela lhe abraçar, ela muito emocionada agradeceu a todos e disse que retribuiria o carinho em forma de ensinamento, a aula foi uma maravilha e ela voltou para casa super-feliz Deus havia atendido seu pedido. Os alunos perceberam quão grande era aquela mulher, além de muita meiga e generosa se mostrava uma verdadeira mãe para todos eles. Os dias vindouros foram todos como uma benção em forma de ensinamento para todos eles. Apesar da turma ser grande Ediana tinha tempo e ombro amigo para todos sem acepção de pessoas, sempre fazia seu melhor, se tivesse algum aluno triste ou preocupado entrava em ação a professora psicóloga, se tivesse carente e deprimido entrava a professora Mãe, se fosse por amor entrava a professora conselheira, sábia e de muitos talentos ela se dividia em mil para ajudar cada um de seus alunos. O tempo foi passando e a cada dia eles a amavam, mais e mais, se tornaram realmente os filhos dela como ela sempre os tratou, muito amorosa e cheia de carinhos ela se preparava para mais uma difícil missão sabia que o fim do ano chegaria e não saberia que turma ia ter, não queria perder sua grande família, mais sabia que onde fosse levaria seu amor de mestre mãe e amiga, sua matéria quase ninguém em sã consciência gostava, mas sendo com ela qualquer matemática se tornaria poesia.


Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.



,

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…