Pular para o conteúdo principal

Literatura | Mensagem | Viver.

O amanhã talvez não exista, assim como deixa de existir para aqueles que se vão. Quantos gostariam se viver o hoje e vivem no passado, não conseguem sair do passado e perdem a oportunidade de viver o presente, esquecem que ontem foi passado, o amanhã talvez não exista e nem vivem o hoje. É preciso deixar o passado onde ele esta e não pensar no amanhã mas viver intensamente o hoje com responsabilidade sabedoria e prazer. Viver plenamente cada segundo com muita alegria e prazer, apreciar as coisas belas e saborosas da vida, valorizar a vida como ela merece ser valorizada. Acreditar que o amanhã virá com muitas surpresas boas e deixar a vida acontecer sem querer antecipar os acontecimentos.
Texto da escritora  Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Tomorrow may not exist, and ceases to exist for those who are gone. How many would like to live today and live in the past, they can not leave the past and lose the opportunity to live the present, forget that yesterday was past, tomorrow may not exist nor live today. We must leave the past where he's not thinking about tomorrow but live intensely today with wisdom and pleasure responsibility. fully live every second with great joy and pleasure, enjoy the beautiful and tasty things of life, cherish life as it deserves to be valued. Believe that tomorrow will come with lots of good surprises and let life happen without wishing to anticipate events.
Luzia Couto text. Copyright reserved to the author. The copying, collage, reproduction or disclosure of any kind whatsoever, the whole or part without the prior and express authorization of the author. Rights are guaranteed in the Brazilian and international laws of intellectual property protection and disrespect will be subject to the application of appropriate penalties.


El mañana no puede existir, y deja de existir para los que se han ido. ¿A cuántos les gustaría vivir hoy y vivir en el pasado, no pueden dejar el pasado y perder la oportunidad de vivir el presente, hay que olvidar que ayer fue pasado, mañana no puede existir ni vivir hoy. Hay que dejar el pasado en el que no está pensando en el mañana, sino vivir intensamente hoy en día con la sabiduría y la responsabilidad placer. vivir plenamente cada segundo con gran alegría y placer, disfrutar de las cosas bellas y sabrosas de la vida, apreciar la vida, ya que merece ser valorado. Cree que mañana vendrá con un montón de buenas sorpresas y dejar que la vida sucede sin querer anticipar acontecimientos.
Luzia texto Couto. Los derechos de autor reservado al autor. La copia, el collage, reproducción o divulgación de cualquier tipo que sea, la total o parcial sin la autorización previa y expresa del autor. Derechos están garantizados en las leyes nacionales e internacionales de protección de la propiedad intelectual y la falta de respeto estarán sujetos a la aplicación de sanciones apropiadas.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…