Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Um milagre de amor.

  Antes que Marina iniciasse a história Elenice disse eu não acredito em histórias de assombração e nem em fantasmas. Marina disse calma criança não é nada disto nem uma coisa nem outra, apenas ia contar sobre uma mulher que não tinha filhos e haviam deixado uma criança em sua porta e ela como sempre embora muito pobre tinha um coração generoso e pegou a criancinha para cuidar. Nesta hora toda da sala fizeram silêncio e Marina prossegui contando bem assim. Ha muitos anos numa pequena aldeia existia algumas famílias que sobreviviam do pouco que conseguiam trabalhando numa terra seca e pouco produtiva, tudo era muito difícil para aquelas pessoas, trabalhavam duro comiam pouco e dormiam mal a fome era devastadora e as crianças eram desnutridas e tristes. Entre as mulheres da aldeia existia uma senhora que vivia só era Tiana, com bastante idade ela conseguia pouco alimento suas forças já não ajudavam no difícil trabalho da terra e tudo que ela tinha era uma horta em volta de sua casa onde plantava algumas verduras e destas ela ainda repartia com outras mulheres da aldeia. Uma certa noite depois de uma forte tempestade que quase arrancou sua velha choupana ela ouviu um choro de criança bem fraquinho em sua porta, correu abriu a porta e lá estava Madalena uma menininha miúda bem magrinha, mas com um olhar muito vivo e esperto. Tiana abraçou a pequena Madalena e juntou bem rente a seu peito na intenção de aquece-la suas roupinhas fraquinhas estavam frias e a mulher percebeu que a menina tinha as perninhas muitas finas. Tratou de acender um foguinho em sua trempe de tijolos no cantinho da cozinha e fez uma água doce e foi colocando na boca de Madalena, pegou seu único cobertor e enrolou a pequena ia aquece-la bem depois dormiriam.

Um milagre aconteceria com Tiana e Madalena.

Depois de muitos dias de cuidado com a menina e sem ninguém reclamar por ela a mulher estava ficando sem saber como ia fazer precisava cuidar da pequena, mas também precisa plantar umas verduras como iria comer e o que daria de alimento a menina. Uma certa noite muito cansada de trabalhar e cuidar da criança ela estava exausta sua idade não permitia mais tanto esforço acabou adormecendo e deixando a menina a seu lado. Pela manhã acordou assustada teria a pequena chorado como aconteceu de dormir assim e se tivesse entrado uma cobra teria pegado a menina deitado no chão a seu lado. Antes ela colocava a pequena dentro de um balaio onde guardava suas roupas, mas ela chorava o tempo todo. Esta noite não chorou ou então ela havia dormido feito pedra. Mas ela não ainda não tinha entendido a menina queria um carinho um calor humano para dormir. Assim foi passando uns três meses e nada a menina já não contentava apenas com os chás de camomila e ervas da horta adoçados que ela lhe dava na colher toda hora para que ela não sentisse fome. Mas uma noite e a pequena começou a chorar muito a mulher pensou deve ser estar molhada, mas não estava a Madalena sentia fome, então num ato de desespero a mulher tirou seu peito caído da velha camisola e colocou na boca da menina, mas ela continuava a chorar então Tiana começou a rezar e disse a Deus o Senhor me conhece sabe que nunca amamentei nunca me casei, mas esta criança tem fome e eu não tenho o que lhe dar, faça com meus peitos tenham leite. Mas uma noite de choro e a pequena chupava o peito seco de Tiana na terceira noite um milagre aconteceu, a menina parou de chorar e sugava o peito da mulher e segurava com a outra mãozinha e o leite era tanto que molhava a roupinha dela escorrendo de sua boca. Muito assustada a mulher se levantou e ajoelhou e a gradeceu a Deus por ter concedido o milagre do amor. Madalena foi crescendo forte e ninguém imaginava de onde vinha tanta saúde, já que a mulher que estava lhe criando era uma senhora com mais de 70 anos e frágil. Mas a criança parecia entender só pedia o peito a noite quando estavam apenas elas. Assim Tiana e Madalena viveram até a criança completar 07 anos aí Tiana morreu, mas antes de morrer ela explicou para a filha que milagres existem e acontecem basta que acreditemos e a menina era a prova viva do milagre.
Quando Marina terminou a história toda sala estava em silêncio algumas meninas choravam tamanha emoção e assim quando Marina explicou da importância de se ter fé e ter consciência que Deus existe e ele tudo pode todos as crianças concordaram, mesmos os que antes diziam não acreditar em Deus.  

Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…