Pular para o conteúdo principal

Literatura | Romance | Fantasias de amor.

Enquanto a chuva caia e molhava toda plantação Luane escrevia uma história de amor, ela era uma adolescente linda e cheia de vida e adorava histórias de amor com final feliz, e também gostava muito de chuvas finas miudinha como ela dizia. Luane estudava e já havia escrito vários livros, apenas não os divulgava guardava em seu quarto várias histórias de amor que lia durante os dias chuvosos e frios. Numa dessas histórias ela falava de uma adolescente assim como ela que amava a chuva as paixões e os amores. Nesta tarde enquanto escrevia mais uma de suas aventuras amorosas e a chuva miudinha caia nas goteiras da velha casa de fazenda ela imaginava como seria a vida de Lara a personagem da história, ela era bela inteligente e muito, muito carinhosa, adora gatinhos e coelhinhos, e sonhava em encontrar um jovem apaixonado que a raptasse e a levasse para um lugar secreto onde viveriam um grande amor. Bem assim ela queria ser tal qual Lara e quem seria o jovem apaixonado que a raptava, no livro era Douglas, mas ela queria um Sandro, estranho imaginou porque Sandro e não Leandro. Continuou a escrever enquanto sua mãe lhe servia um delicioso chá com biscoitinhos de avelã, enquanto ia tomando seu chá Mia sua gatinha alisava seus pés com belos pelos sedosos. Hum tive uma ideia pensou alto Mia olhou sua dona e se levantou ela deixou a xícara na bandeja e pegou dois biscoitinhos e saiu. Depois de apanhar uma sombrinha cheia de ramos florais caminhou por entre as plantas e ganhou o jardim, havia lá uma roseira vermelha e outra branca carregadas de rosas perfumadas, apanhou algumas e falou um pouco com as flores fazendo uma saudação como sempre fazia. Ao retornar a seu quarto levava um belo buquê de rosas vermelhas e brancas, colocou em sua escrivaninha e prosseguiu a escrita, em meio a um parágrafo e outro ela olhava as rosas sentia seu perfume inebriante e ganhava inspiração. Enquanto revisava o capitulo se viu dentro de sua própria história e começou a viajar nos mais belos jardins de grandes e ricos palácios por onde Lara frequentava com Douglas vivendo um conto de amor. Adormeceu vivendo aqueles momentos lindos e seu príncipe Leandro era seu nesta deliciosa viajem dormiu por horas com a caneta e o livro de páginas em branco em suas mãos enquanto Mia dormia a seu lado enrolada em seu cobertor felpudo.

No jardim do palácio mais belo Leandro a beijou apaixonadamente.

Enquanto dormiu sonhou que estava num palácio muito rico e belo o jardim era tão grande que ela se perdia e seu príncipe apareceu e a levou para um jardim secreto onde ela seria dele e viveria um grande amor, Leandro era um príncipe herdeiro de um reino vizinho e estava a passeio neste belo palácio onde certamente pediria a mão da princesa que morava ali, mas ao ver a bela menina se apaixonou e a raptou para este local secreto, entre beijos ardentes eles fizeram amor e trocaram juras de amor eterno, tudo era tão real e enquanto ele colocava morangos vermelhos e suculentos em sua boca e depois a beijava ela sentia o cheiro agradável do morango maduro e chegava a molhar a fronha do travesseiro. Este sonho durou umas horas e ela vivia cada segundo este amor inocente puro, e o jovem parecia mesmo estar interessado por ela, e quando saíssem deste jardim secreto será que ele a levaria até o palácio ela queria ver o quarto da princesa como era seria lindo pensou, mas Leandro sabendo que não poderia atender este pedido da menina resolveu lhe levar de volta ao grande jardim e a deixaria lá brincando com os coelhinhos. Luane se remexeu tanto que esbarrou em sua gatinha que miou alto, ela acordou sobressaltada e olhou ao redor não existia jardim apenas o buquê de rosas que havia colhido no jardim algumas horas atrás. Olhou no velho relógio pendurado na parede que badalou 18 horas ela disse eu dormi tudo isto, está na hora dos anjos dizerem amém e ajoelhou ao pé de sua cama e rezou três ave Marias como sempre fazia e depois disse pensando em seu príncipe amém. Certamente os anjos mandariam um Leandro para ela, voltou a escrever algumas linhas e sua mãe a chamou era hora do jantar.

Lara ficaria com Douglas? Que fim teria esta história.

Na tarde seguinte depois de terminar seus estudos ela apanhou seu livro de páginas brancas e voltou a escrever Mia se deitou em seus pés e ficou, enquanto ela ouvia o barulho da chuva e o perfume das rosas ainda belas no jarro ela tinha inspirações e escrevia o fim da história, onde Lara e Douglas se beijava e juravam estar perdidamente apaixonados. Enquanto Lara e Douglas juravam amor eterno e os convidados apareciam para a grande festa no palácio, ela imaginava o vestido de noivas de Lara cheio de pedras preciosas e um belo colar de esmeraldas verdes no pescoço uns brincos grandes e um sapato com salto de ouro. Enquanto as criadas vestiam o rico vestido em Lara no quarto ao lado Douglas se vestia com seu belo terno com listras de ouro branco, era tudo perfeito. A cerimônia seria no grande jardim onde uma carruagem aguardava para levar a noiva, e os convidados todos riquíssimos dos mais variados reinos trajavam vestes de gala toda em pedrarias. Lara era levada na bela carruagem e Douglas aguardava no altar. Nesta hora ela viu Leandro e o mandou ir buscar uma amiga que morava longe das terras reais e se chamava Luane ela era sua amiga. Luane viajou por horas no capítulo final da história e quando conseguiu um final feliz havia se passado horas e sua mãe havia deixado seu chá com biscoitinhos de avelã e sua Mia havia dormido esperando por ela que adormeceu vivendo a bela fantasia de amor que foi como ela a chamou.  
Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.


Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…