Pular para o conteúdo principal

Literatura | Poema | Lembranças escondidas.

 Lembranças guardadas inteiras fragmentadas, contidas num coração que sofre a solidão. Recordação de um tempo imaginário talvez, audaz incontrolável. Sedução ambição tudo junto e um amor inexperiente, insistente caliente, mas sobrevivente quem sabe ficando experiente e ganhando
Forças para continuar.
Lembranças escondidas cujo tempo não apaga nem o vento cala, mas que dói e apunhala talvez uma força estranha, medonha apodera e espanta de vez essas lembranças que não se vão, mas embalam uma paixão ardente fulminante capaz de enlouquecer.
Quando me fecho em lembranças e saudades olho para trás tudo que ficou esquecido, guardado lacrado e vejo que nada restou, apenas recordações e fragmentos de um amor.
Um amor que prometia que fazia e nada cumpria, mas era amor, um destino talvez displicente tratou de cuidar de tudo, deixando rastros de saudades e lembranças acomodadas e prometendo nunca mais acordar, assim mesmo foi lá e acordou.
Um amor capaz de tudo até mesmo morrer, mas nunca morre apenas cresce, voraz fervente
Deixando tudo vivo louco um pouco, quem sabe acaba a tormenta e volta a dormir, quietinho escondidinho onde nunca devia se mover.  


Texto da escritora Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual.


-Luzia Couto é autora do Romance "Uma prisão no paraíso", á venda nas livrarias Clube de Autores (Versão Impressa) e Amazon (Versão Digital).
........................................................................................................................................................
Entire stored memories fragmented, contained in a heart that suffers loneliness. Recollection of an imaginary time perhaps uncontrollable daring. Seduction ambition all together and an inexperienced, insistent caliente love, but who knows survivor getting experienced and winning
Strength to continue.
hidden memories whose time does not erase or shut the wind, but it hurts and maybe stabs a strange force, seizes hideous and amazes once those memories that will not go away, but pack fulminant burning passion able to go crazy.
When I lock in memories and longing eye behind all that was forgotten, kept sealed and see that nothing remained, just memories and fragments of a love.
A love that promise that was fulfilled and nothing but love was a fate perhaps ungracious tried to take care of everything, leaving traces of nostalgia and memories stay and vowing never to wake up, so it was there and agreed.
A love capable of anything even die, but never die only growing, voracious boiling
Leaving all live a little crazy, maybe just the storm and back to sleep, quietly escondidinho which should never move.

Luzia Couto writer of the text. Copyright reserved to the author. The copying, collage, reproduction or disclosure of any kind in any medium of all or part of this work without permission of the author under penalty of violation of Brazilian law and International Protection of Intellectual Property Rights.

-Luzia Couto is romance author "A prison in paradise", for sale in bookstores Authors Club (Print Version) and Amazon (Digital Version).
...........................................................................................................................................................
memorias almacenadas enteras fragmentados, contenida en un corazón que sufre la soledad. El recuerdo de un tiempo imaginario quizás atrevida incontrolable. La seducción ambición todos juntos y un inexperto, amor caliente insistente, pero ¿quién sabe sobreviviente de conseguir experiencia y ganar
La fuerza para continuar.
recuerdos ocultos cuyo tiempo no borra o cerrar el viento, pero duele y tal vez clava una fuerza extraña, se apodera horrible y asombra una vez que esos recuerdos que no va a desaparecer, pero paquete ardiente pasión fulminante capaz de volverse loco.
Cuando bloqueo en recuerdos y añoranza ojo detrás de todo lo que se olvida, deberá permanecer precintado y ver que no quedaba nada, sólo recuerdos y fragmentos de un amor.
Un amor que prometer que se cumplió y nada más que el amor era un destino quizá ungracious trató de hacerse cargo de todo, dejando rastros de nostalgia y recuerdos estancia y jurando no volver a despertar, por lo que fue allí y estuvo de acuerdo.
Un amor capaz de cualquier cosa, incluso morir, pero nunca muere si no es cada vez mayor, de ebullición voraz
Dejando todos viven un poco loco, tal vez sólo la tormenta y volver a dormir, en silencio escondidinho que nunca debe moverse.

Luzia Couto escritor del texto. Los derechos de autor reservado al autor. La copia, el collage, reproducción o divulgación de cualquier tipo en cualquier medio de todo o parte de este trabajo sin permiso del autor bajo pena de violación de la ley brasileña y Protección Internacional de los Derechos de Propiedad Intelectual.

-Luzia Couto es autor el romance "Una prisión en el paraíso", a la venta en las librerías Autores Club (Versión impresa) y Amazon (versión digital).
...............................................................................................................................................................
souvenirs stockés entiers fragmentés, contenu dans un cœur qui souffre de solitude. Recollection d'un temps imaginaire peut-être de l'audace incontrôlable. Seduction ambition tous ensemble et une expérience, l'amour de Caliente insistant, mais qui sait se faire survivant expérimentés et gagner
Force de continuer.
souvenirs cachés dont le temps n'a pas d'effacer ou d'arrêter le vent, mais ça fait mal et poignarde peut-être une force étrange, saisit hideux et étonne une fois que ces souvenirs qui ne va pas disparaître, mais emballer passion capable de devenir fou de brûlure fulminante.
Lorsque je verrouille dans les souvenirs et la nostalgie oeil derrière tout ce qui a été oublié, maintenu fermé et voir qu'il ne restait plus, juste des souvenirs et des fragments d'un amour.
Un amour qui promesse qui a été accompli et rien que l'amour était un destin peut-être ungracious a essayé de prendre soin de tout, laissant des traces de nostalgie et de souvenirs séjour et jurant de ne jamais se réveiller, il était là et convenu.
Un amour capable de tout, même mourir, mais ne meurent jamais que de plus en plus, l'ébullition vorace
Laissant tous vivent un peu fou, peut-être juste la tempête et le dos pour dormir tranquillement Escondidinho qui ne devrait jamais se déplacer.

Luzia Couto auteur du texte. Droit d'auteur réservé à l'auteur. La copie, le collage, la reproduction ou la divulgation de toute nature sur tout support de tout ou partie de ce travail sans l'autorisation de l'auteur, sous peine de violation de la loi brésilienne et de la protection internationale des droits de propriété intellectuelle.

-Luzia Couto est roman auteur "Une prison au paradis", en vente dans les librairies Auteurs Club (Version imprimable) et Amazon (Digital Version).

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…