Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Florise a menina que lia histórias.

Restava a Florisse apenas os sonhos de outrora, pois tudo a vida havia lhe roubado desde a infância até a juventude onde seu martírio passou de mal a pior. Enquanto criança fora abandonado pelos pais que ninguém conhecia apareceram do nada deixaram a criança na porta de Esmeralda e Felício e desapareceram, desde então Florisse vivia com esta humilde família que nem tinham o que comer direito lutavam pela sobrevivência deles e de da menina. Esmeralda catava o resto de comida das vasilhas que as madames colocavam no lixo e levava para matar a fome de Florisse. Felício vivia bêbado e nem percebia que a criança tinha necessidades especiais, ela tinha uma deficiência nas mãos o que lhe impedia de pegar as coisas direito sempre deixava cair a mãe adotiva cuidava com carinho colocando a pouca comida que tinha em sua boca e dizia palavras de amor e carinho. O tempo foi passando e eles sobreviviam até que um dia Esmeralda conseguiu trabalho numa casa onde podia levar a comida para a menina que ficava em casa sozinha. Quando elas duas estavam juntas a menina sentia protegida de Felício, sentia medo apesar dele nunca ter lhe feito mal, mas o fato de estar embriagado deixava a menina assustada.
O tempo passou e ela cresceu não ia para escola, mas Esmeralda lhe ensinava a falar e a ler, escrever ela não conseguia devido o problema nas mãos, quando estava com 15 anos ganhou seu primeiro presente um livro usado que a mãe encontrou no lixo, mas para ela era muito, lia e relia a história de uma jovem donzela que se apaixonava pelo cavaleiro solitário. Enquanto lia se via na história sendo a donzela perdida de amores pelo cavaleiro que era lindo e tinha um cavalo que voava. Quando dormia sonhava com a história então lia novamente. Um dia foi na casa da patroa da mãe e quando chegou viu muitos livros e começou a ler, a mulher perguntou, mas você sabe ler? Sorrindo disse minha mãe me ensinou. Curiosa como uma criança que não foi a escola lia tão corretamente começou a fazer perguntas e descobriu que Esmeralda fora professora no passado, mas a vida lhe havia colocado na aquela situação. Quando Florisse foi embora ganhou muitos livros agora limpinhos e até cheirando a novo. Em casa ela lia e contava as histórias depois para a mãe quando ela voltava do trabalho. Um dia depois de ler suas histórias. Florisse adormeceu esquecendo de apagar a vela que iluminava para ler, um acidente aconteceu pegou fogo na velha casa queimando tudo a mãe cansada dormia e Felício embriagado não percebeu o fogo quando Florisse acordou estava no hospital fazia dias. Desesperada chamava pela mãe, mas a enfermeira acalmou dizendo não se lembra de nada querida? Seus pais morreram queimados e você se escapou por pouco faz mais de mês está aqui. E agora o que fazer quando sair daqui para onde ir?
Depois de uns 05 meses ela teve alta podia ir para casa, mas que casa não tinha nada nem mãe nem pai nem casa nem livros. Começou a chorar e se lembrou da patroa de Esmeralda então se dirigiu até a casa, mas que decepção ao chegar lá se deparou com uma sena que a tirou o chão novamente, a mulher estava sendo retirada pelos paramédicos havia tido um infarto fulminante. Ela se sentou e começou a chorar para onde ir agora e começou a recordar da história da donzela. Então surgiu um pensamento ela não conseguia trabalhar com as mãos, mas quem sabe poderia ser companhia de alguém idoso ela carinhosa e muito gentil, pensando assim saiu caminhando pelas ruas com uma fagulha de esperança em seu coração. Pediu a Jesus que lhe indicasse a direção certa, depois de andar pelas ruas da cidade com fome e sede pediu água numa casa onde uma senhora muito generosa a convidou a entrar, depois de lhe dar de comer e beber ofereceu uma cama para ela descansar deu-lhe umas roupas e mandou tomar banho estava cheia de poeira das ruas. Ela adormeceu e sonhou com sua mãe Esmeralda que dizia não se sinta culpada estou bem e velando por você aí terá comida e onde se abrigar do sereno faça tudo conforme lhe ensinei obedeça às ordens de seu coração eu te amo. Acordou sobre saltada e foi até a senhora e perguntou eu posso ficar aqui não tenho ninguém, a senhora disse eu me chamo Maria Isabel e eu conheço sua história ficará comigo de companhia e me ajudará nas orações na igreja você lê muito bem ficará com as leituras das missas e com a cantoria terá muita utilidade na igreja e me ajudará muito. Assim ficamos quites eu cuido de você e você de mim. Desde este dia. Florisse vivia na igreja com a senhora e cantava muito bem, do nada apareceu um jovem e começou a cantar e tocar nas missas, de repente estavam apaixonados um pelo outro. Dormindo em sua cama a moça teve um sonho novamente com Esmeralda dizendo este moço te fará feliz só nunca terão filhos, mas tudo bem vocês cuidarão de um assim como fiz com você.


Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…