Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Rua olhos do coração.

      Os meninos da rua olhos do coração brincavam muito todas as tardes quando o sol se punha, a sombra ficava cobrindo toda rua em frente à casa de Rizoneide, os filhos Túlio e Tobias aproveitavam para brincar com as crianças da rua que eram bastante e divertiam muito, jogavam bola enquanto as meninas brincavam de amarelinha e jogavam queimada. No fim da brincadeira bem a noite quando as mães chamavam eles estavam exaustos e famintos gastavam muita energia correndo e gritando. Depois de um banho e comer bastante eles voltavam para a rua era hora dos meninos aprenderem tabuada em forma de versos quem não soubesse pagava prenda que variava desde um beijo no rosto até um doce que compravam no boteco que tinha na rua, eles compravam sem dinheiro e no fim do mês quando iriam pagar somava bem uma quantia. Tobias e Túlio eram os mais novos e sempre sabiam mais tabuada que os mais velhos e ganhavam prendas com frequência, as meninas as vezes fingiam não saber só para roubar um selinho rápido dos irmãos.
As tardes eram sempre animadas e felizes não existiam tempos ruins ou tristezas as mães sempre olhavam pelas janelas e até chegavam na frente da rua para verificar o que faziam a tanto tempo que nem dava conta das horas passadas. Uma das mães das meninas sempre fazia pipocas sucos e os chamava na calçada, tinha vez de ter 20 crianças ou mais ela ria e dizia minha pequena creche. Após as pipocas eles agradeciam e voltavam a farra. A vida deles parecia não faltar nada enquanto os pais davam duro para garantir o sustento, nas férias escolares sempre tinha mais crianças na rua que vinham passar férias, eles fizeram muitas amizades com crianças que moravam em capitais e ficavam aguardando ansiosos para chegar as férias de fim de ano que eram mais longas. Durante todo ano muitos que tinham condições financeiras melhor, ajuntavam as moedas para comprar chup-chup todas as tardes para todas crianças. Uma brincadeira saudável que não envolvia brigas nem discussões onde os pais sentiam orgulho em ver eles todos animados e enturmados com diferentes classes sociais, desde o filho do prefeito ao filho da faxineira do prefeito. Assim o tempo passava eles nem percebiam o quanto era bom ser criança e que logo esta faze passaria e tudo perderia a graça.
Em dezembro quando as crianças visitantes chegavam para as férias eles estavam aguardando cheios de entusiasmo e faziam muita gritaria dando vivas e batendo palmas. As mães da rua se reuniam e preparavam pacotes surpresas para todas crianças cada uma recebia um pacote com seu nome e dentro continha guloseimas que crianças gostam. Elas faziam filas na porta da casa onde fosse distribuir e todos comemoravam e agradeciam a Deus pela vida que tinham. Depois de receber seus pacotes elas sentavam nas calçadas e ganhavam cachorro quente com refrigerante e bolo celebravam o natal de uma forma simples e a modo delas, apenas crianças sorridentes e felizes com um simples pacote de guloseimas que para eles era tudo. Assim era todas férias escolares enquanto uns cresciam outros nasciam e assim a vida seguia. As famílias tinham prazer em ver seus filhos brincando próximos deles e longe dos perigos oferecidos lá fora. Enquanto brincassem ali na rua onde todos viam não tinha perigo e nem conheceriam outras coisas que destroem a vida com as drogas. As crianças eram saudáveis e cheia de vida enquanto as brincadeiras eram inocentes e não ofereciam perigos, esta era a vida das crianças da rua olhos do coração. 

Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…