Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Passeio na roça.

  Manhã ensolarada de domingo e toda família de Belarmina estava pronta para a aventura que teriam no riacho perto da fazenda, iriam Bela como era chamada, seu esposo Joaquim e suas sobrinhas Irene, Hilda, Ivania e seus dois filhos pequenos Tiago e Tobias, eles estavam muito animados, parecia uma caravana em acampamento tanta coisa levavam, a Toyota estava cheia de comida e bebida, redes para amarrarem nas árvores de figueira que havia por lá. A família toda de Joaquim era ele e mais dois irmãos os pais haviam falecido desde que eram crianças, estes irmãos estavam para chegar e não disseram o dia certo da chegada, mas chegariam naquele dia belo de sol, as famílias deles eram pequenas apenas dois filhos cada e as esposas, Joaquim estava feliz fazia alguns anos que não o visitavam, a fazenda que fora de seus pais havia sido comprada pela família de Bela e agora era dele, a mulher tinha herdado a fazenda para felicidade deles, tudo era exatamente como antes haviam feito muitas melhorias mas mantinham o padrão de beleza do estilo dos antepassados, muito bonita de se ver.
       Passava das 11 horas da manhã quando terminaram de montar as redes e armar a tenda onde colocaram a mesa e os tamboretes, as comidas estavam cheirando disse Tiago, horas depois de terem brincado bastante na água sentiram fome e se reuniram para comer, Tobias chamou o pai e disse olhe aquele peixe que fisgou o anzol que colocou agorinha parece ser grande, ao olhar teve um susto era uma traíra grande que estava carregando o molinete. Foi uma algazarra até trazerem para fora da água, minutos depois estavam era assando a bichinha na brasa, assim que começaram almoçar aquela comidinha gostosa na beira do rio um carro buzinou alto na curva da estrada que dava para a fazenda, era os irmãos em dois carros buzinando e os meninos gritando, o vaqueiro havia dito que estariam ali, interromperam o almoço e foram dar as boas-vindas as visitas, depois todos sentaram no chão e almoçaram tranquilamente tinha muita comida Bela sempre exagerada mas desta vez valeu pelo exagero disse Eliezer o cunhado da mulher, imagina ter que fazer outro almoço, riram muito foi muita diversão a tarde toda, muitos peixes assados e muita água de coco, os sobrinhos de Joaquim adoravam, Tobias e Tiago estavam divertindo muito com os primos e queriam ensinar a subir nas figueiras mas os tios disseram não. No fim da tarde guardaram todo material levado na Toyota novamente e voltaram para a casa.
     A noite os três irmãos Joaquim, Eliezer e João foram na cidade comprar umas cervejas os irmãos queriam aproveitar para beber juntos, as mulheres encomendaram vinhos e refrigerantes. Elas Bela Gilda e Virginia foram olhar as novidades das roupas que Bela vendia e aproveitaram para trocar presentes. Enquanto isto as crianças brincavam nos jogos de videogames. As horas passaram rápido os homens voltaram e elas ainda não tinham preparado o jantar quando terminaram era tarde passava das 22 horas, mas para que queriam relógios marcando horas, eles eram seus próprios patrões, as visitas eram todas da família assim não teriam horas mais para nada enquanto estivessem juntos. Era madrugada quando foram dormir, já passava das 10 da manhã quando Bela levantou preparou a mesa do café, a ajudante havia chegado era Matilde estava preparando um doce de abóbora com coco. Assim que sentiram o cheiro gostoso do café da fazenda levantaram todos, foram muitas fotos da mesa de café, tudo era novidade para as crianças desde o bule de café até a chaleira de leite queimado com canela. O bolo de fubá e bolo de arroz eram novidades nem as cunhadas conheciam, quando viram o cuscuz e o bolo de mandioca ficaram fazendo perguntas, a mesa era grande e todos sentaram e comeram bastante, o suco de graviola e de jaca fizeram sucesso, assim quando terminaram o café foram os homens para o curral e depois iriam cavalgar pela fazenda para matar saudade. As mulheres foram na cidade tinha uma feira de peças artesanais e Bela revendia muito. Quando voltaram com muitas sacolas cheias de muita novidade, os homens perguntaram isto tudo foi no cartão assim não vamos aguentar, e tome risos e cervejas, o almoço foi servido e mais uma vez poses fotos. A família de Joaquim era tão abençoada que nem dava vontade de irem embora comentaram os irmãos, mas no próximo ano voltariam e desta vez ficariam o mês todo prometeram.


Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…