Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | A comissária de bordo.

      Ester é uma moça que sonha em conquistar muitas coisas na vida entre elas ser comissária de bordo, e voar para muitos países distantes, porém este sonho está muito longe de seu alcance pois ela vivia no interior e sua família tinha dinheiro, mas não deixava ela sair para estudar e morar na capital. Já com seus 20 anos ela vinha a vida passando e pensava meu Deus quero voar e conhecer outros países por que meus pais não entendem que é minha vontade. Amália sua mãe sempre dizia apoiar a filha, mas quando Carlos falava que não ela tremia de medo e não dizia nada. Ester temia que o tempo passasse e não conseguisse por isto tomou uma atitude começou estudar inglês em casa comprou todo material necessário e ficava horas estudando quando alguém perguntava dizia que era para entender o que os personagens dos filhos falavam, assim ela fez vários cursos a distância, inglês, espanhol, italiano etc, fez vários testes para ter certeza de sua pronuncia, uma amiga chamada Solanja tinha um amigo professor formado em inglês e espanhol, ela conseguiu levar amiga até este homem que lhe aplicou várias provas e se surpreendeu com ela estava falando fluente as lingas. Ele começou interroga-la como conseguiu tamanha proeza, ela disse vontade e perseverança eu quero e vou conseguir. A sorte parecia estar do lado dela naquele dia, o professor disse tenho um amigo que trabalha na maior companhia de voos. Vou fazer contato com ele e ver o que consigo.
A moça voltou para casa com o coração cheio de esperanças e muito feliz, assim que chegou sua mãe notou o sorriso e o brilho nos olhos, chamou e perguntou ela fez de desentendida e passou, duas semanas depois o professor ligou pedindo números de documentos e os certificados dos cursos e fez uma carta de recomendação ao amigo. Amália a grande amiga convidou Ester a ir com ela na casa de uma tia, os pais relutaram mas deixaram, elas foram na capital procuraram por Moacir e depois de muitas horas de negociação fizeram um contrato de trabalho para experiência. O coração da moça parecia saltar fora do peito tanto que batia e agora como contar aos pais, nessas alturas ela já tinha completado 22 anos e depois de estudar sozinha por dois anos e conseguir o impossível de acreditar que uma pessoa humilde do interior apenas com sua garra e determinação conseguiria, o trabalho mesmo que em fase experimental, mas tinha alto confiança acreditava em seu potencial era dela o trabalho faria o seu melhor. Voltou para casa determinada e chamou os pais e contou toda história, a amiga sabendo de tudo tratou de levar o padre bem na hora da conversa, a família era de ouvir o padre Gedeão assim eles não poderiam dizer não. Quando os ânimos se exaltaram o padre chegou e tratou de fazer a parte dele como tinha combinado com Amália. Na manhã seguinte a moça partiu para capital com sua mala de roupas e um caminhão de sonhos em seu coração. Agora era entre ela e Deus tinha seus princípios e dignidade, trabalhara com honestidade e faria o seu melhor. Assim os meses de experiência estavam passando ela havia convidado Amália a ir morar com ela e pagaria os estudos da amiga que não tinha dinheiro como ela.
Amália aceitou e elas estavam animadas, uma trabalhava e a outra estudava, os pais agora mandavam dinheiro e várias coisas do interior para não precisar comprar, o motorista do ônibus conhecia muito a família e fazia o trajeto sempre até a casa onde as moças moravam, quer dizer Amália, pois Ester pouco parava vivia voando como sempre sonhou, depois de conseguir passar à fase da experiência ela estava ampliando seu conhecimentos aperfeiçoava seus estudos e estava falando fluentemente as línguas, o pessoal da companhia estava encantado com ela sempre que alguém precisava trocar de voo eles colocavam Ester para fazer, ela adorava e tinha boa vontade, era muito atenciosa e gentil além de ser bela e ter um corpo escultural. No fim de um ano ela já ganhado vários brindes da empresa pelo bom desempenho no trabalho. Os voos para ela mesmo para países distantes era como se fosse ali, como dizem. Sempre bem-humorada e feliz ela se destacava entre as mulheres da companhia. Quando tirou sua primeira féria os colegas ligavam perguntando quando voltaria estava fazendo falta, os pais ao verem a filha tão realizada se desculparam por ter impedido a felicidade dela por tanto tempo, mas ela disse Deus sabe e conhece nosso coração, ele atende na hora certa. Amália conseguiu estudar e se formar para professora de física que adora. Ester continuava trabalhando e estudando dizia que os sábios nunca param se não a mente enferruja, estava começando a gostar de um piloto achava que se Deus lhe desse como esposo iria agradece-lo muito..

Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.





Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…