Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Ariadna a menina estudante.

      Ariadna é uma menina de 12 anos e estuda numa escola municipal, ela tem mais 09 irmãos uma escadinha até chegar em Fabiano que tem 04 meses, ela ajuda a mãe a cuidar da casa e dos irmãos, o pai um pequeno agricultor que cultiva laranjas e tangerinas, eles vendem nas feras e nos comércios vizinhos, as 11 horas a menina sai para escola, está começando agora a estudar antes ela só ficava em casa cuidando dos irmãos enquanto os pais trabalhavam nos laranjais, um vizinho senhor Edson ajudou Geraldo a vender as laranjas para uma fábrica de sucos, o caminhão pega as caixas de laranjas e tangerinas e leva direto para a fábrica longe da li, assim Ariadna pode começar estudar, antes cuidava dos menores e os pais vendiam as frutas na cidade, agora não precisam mais sair de casa para isto, a tarde quando o caminhão passa as caixas estão no terreiro da casa todas empilhadas, esta tarde eles entregaram 50 caixas, mas eles pretendem vender mais, estão plantando mudas novas. Os vizinhos já faziam isto antes, mas Geraldo uma pessoa simples e pouco entendido do assunto sentia vergonha em pedir ajuda, mas depois que Edson descobriu que o vizinho passava muita necessidade e vendia bem mais barato para não perder as frutas, então ele resolveu ajudar. A mulher com as crianças todas pequenas assim mesmo catava as laranjas que caiam fora das caixas e juntavam as folhas que caiam junto. Outro dia Fátima disse ao marido precisamos colocar essas crianças na creche municipal, Ariadna vai estudar e leva eles e deixam na creche, enquanto isto eu ajudo você melhor.
       Os meses foram passando e a menina não estava aprendendo direito o professor procurou os pais e ao deparar com situação entendeu que apesar de ter 12 anos a menina trabalhava como se tivesse 20, cuidava da comida, da limpeza da casa e das crianças, enquanto o pai e a mãe iam para o laranjal ela se esmerava no cuidado com a casa, os terreiros eram varridos e havia flores plantadas em volta, os irmãozinhos menores brincavam de carrinho feito de carretel de linha e amarrados em boizinhos feitos de madeira também, as meninas tinham bonequinhas de pano feito por Ariadna, o novinho de 04 meses tem um bonequinho para-Pedro que é feito de borracha sintética que ganhou de presente de uma vizinha. Assim o professor perdeu até a fala, quando recuperou do choque que teve, disse a Fátima sua filha é uma heroína que faz tudo isto e ainda vai a escola, vamos fazer o possível para ajudá-la, está um pouco fraca em leitura mas vamos dar um jeito, a mãe preocupada com a filha que precisava aprender, ela não queria os filhos iguais a ela que não conhecia nem a letra do nome, se sentia humilhada com a situação, pegou coragem e pediu ao professor por favor me ajude, eu preciso que estas crianças sejam matriculados na creche e permaneçam lá até a época de estudar, minha filha está tendo dificuldades nos estudos é por causa de muito trabalho, eu reconheço isto mas eu preciso ajudar o marido nas tarefas, são muitas bocas a comer e só ele a trabalhar. O professor prometeu ajudar e fez mais, fez toda documentação necessária para matricula das crianças.
       Os pais de Ariadna estavam tão felizes com as novidades que estavam acontecendo que esqueceram o cansaço da luta, as crianças estavam todas matriculadas na escola e creche de acordo com a faixa etária, os professores conseguiram uma ajuda com as autoridades locais que contribuíram fornecendo o carro da educação que buscava as crianças separadas dos alunos grandes, a creche pegava as crianças 07 horas da manhã, e entregava as 17:30 assim o casal podia trabalhar sossegado e a menina tinha tempo para estudar e cuidar de toda tarefa atribuída a ela apesar de pouca idade. No fim do ano a menina foi aprovada com a melhor nota e sabia ler corretamente, sabia a tabuada toda. Estava uma adolescente muito bonita e educada, os funcionários da escola gostavam dela e elogiavam por trabalhar tanto e ser tão responsável coisa difícil de ver em adolescente, os pais estavam radiantes com colheita que haviam feito, a fábrica de suco estava pagando melhor as laranjas e eles haviam plantado mais mil e quinhentos pés de laranjas, as laranjeiras mais velhas foram cortadas e feito lenha, eles estavam trabalhando muito mas teria lucros futuramente, os vizinhos também estavam dando um adjutório nos fins de semana, reuniam e trabalhavam o dia todo nem comida Fátima precisava fazer eles levavam tudo pela manhã. Assim a família recebeu ajuda necessária para erguer-se, as crianças estavam sendo bem cuidadas em casa e na escola, e Ariadna estava muito feliz, estava ensinando sua mãe a ler e escrever, ela já escrevia seu nome e de seu esposo, era muita felicidade para uma família tão humilde e grande.  
Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis. .


Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…