Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | A médica Caroline.

  Tudo que Caroline queria era ter oportunidade de estudar queria se formar médica achava a coisa mais linda salvar vidas, seu pai era homem trabalhador, mas não tinha condições de pagar a faculdade da filha. Sua mãe era costureira famosa na cidade pois fazia vestidos de noivas, mas nem sempre havia encomendas, como ajudar a filha nos estudos, dona Rita sentia a filha ausente nos últimos dias e perguntou o que está acontecendo filha, sempre quieta, você não é assim. Mãe eu quero estudar as provas no vestibular será em breve estou preparada tenho estudado muito, filha do modo que estudou não vai conseguir, nem um cursinho podemos pagar e conseguira passar assim mesmo, sim eu consigo. Diante do esforço da moça a mãe sentiu obrigada a encoraja-la, tudo bem vamos ver o que consigo fazer, começou a fazer anúncios de promoções nos feitios dos vestidos um desconto muito bom as lojas haveriam de aceitar e fazer encomendas.
Caroline estudava o dia todo a noite até o sono lhe roubar, no dia da prova estava uma pilha de nervos, mas uma coisa trazia em mente vou conseguir, depois com o resultado da prova ficou muito alegre tinha passado na decima colocação, para quem nunca pagou um cursinho preparativo era um verdadeiro milagre, os pais ficaram orgulhosos da filha, mas temerosos quanto as mensalidades caríssimas para eles. Mas a moça não pensava assim dizia eu vou conseguir um trabalho durante o dia e estudo a noite, mas como nada é fácil nesta vida começaram as aulas e a moça trabalhava muito e a noite ia para a faculdade, os dias passavam e o mês terminando era hora de pagar como faria, resolveu pedir ajuda para os avós que se prontificaram logo, mas com um pouco que tinham não era suficiente, assim ela apelou para a igreja onde ia sempre, tão logo recebeu a resposta do padre Toledo respirou aliviada.
Agora poderia trabalhar meio período e estudar o resto do dia, o tempo passou e chegou a formatura, foi muita festa e muitos aplausos o sonho tão esperado agora realiza, já tinha o trabalho garantido no centro de saúde de sua cidade uma cortesia da prefeitura que se orgulhou em ter uma médica da cidade. O que a moça não poderia imaginar que em seu primeiro dia de atendimento depois de tantos festejos e comemorações passaria por um momento crucial em sua vida, como sempre dizia quero salvar vidas. Depois de voltar do almoço muito feliz sua mãe tinha fechado uma encomenda com a maior loja da região faria 25 vestidos de noiva modelos diferentes, era uma boa grana que pagaria a igreja o empréstimo do padre Toledo. Assim que atendeu as consultas ali, iria pesquisar uma residência e uma especialização que pudesse fazer nos fins de semana, a enfermeira chegou aflita Caroline corra é um acidente, depressa chegou no pronto atendimento era seu irmão menor que estava andando de isquei-te e foi atropelado, mal deu tempo dela se recompor da emoção tratou de fazer os primeiros socorros e encaminhar o paciente, o quadro era crítico muitas fraturas o menino estava desmaiado como fazer ligou para os pais e ficou grudada no irmão. A ambulância chegou queria ir com a família, mas não poderia deixar o plantão no primeiro dia, chorou bastante e teria que aceitar a situação queria salvar vidas. O irmão Magno era criança sobreviveria tinha saúde e ossos bons, pensou assim e continuou, o tempo passou ela sempre muito dedicada agora fazia especialização em ortopedia havia muitos acidentes queria poder fazer o melhor que pudesse para salvar vidas, um certo dia quase no fim de seu curso conheceu um homem muito gentil e alegre que conquistou a amizade de Caroline, era Tomas ficaram amigos saiam sempre nas folgas da moça, um dia depois do plantão exaustivo ela queria ir pra casa descansar e queria ajudar a mãe nos remates dos vestidos como sempre fazia, ao sair do PS ainda na rua viu um movimento na rua policias gente gritando correu ao se aproximar ficou chocada era Tomas um acidente de moto o rapaz havia chegado nem falara com ela antes, voltou apressada queria ajudar o amigo fez o que pode e encaminhou o rapaz, tão logo pudesse iria vê-lo. Assim que teve uma folga foi na cidade vizinha no hospital referência, chegando se apresentou e logo foi convidada a sala do médico diretor do hospital que parabenizou a moça e disse você salvou a vida de Tomas, você é uma profissional maravilhosa quero convida-la a fazer parte de minha equipe, precisamos de funcionários como você que faz diferença na classe médica que anda desacreditada pela sociedade. Caroline sorriu e disse tudo que quero é salvar vidas.    


Texto escrito por Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de propriedade intelectual.


Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…