Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Avalanche

Uma noite fria de inverno quando Mirela abriu a cortina da janela de seu quarto os vidros embaçados pela baixa temperatura, deparou se com vulto ao longe as espreitas. Ela pensou deve ser o homem da neve limpando, fechou a cortina e voltou para seu livro estava lendo um romance interessante que contava a história de um casal que se conhecera nas montanhas geladas. O casal era Valentina e Glauber, eles estavam esquiando quando uma avalanche os aterrou na neve, daquela tarde Glauber lembrava bem pois estava se preparando para subir as montanhas, quando ouviu o alarme e o aviso do rádio, não subam perigo eminente, mas como todo jovem se acha dono de si se preparou e foi, outra jovem teve a mesma ideia preparou e saiu ignorando os avisos e alarmes.
Foi então que o pior aconteceu uma avalanche detonou toda montanha e aprisionou os dois entre as geleiras deixando-os quase sem vida, foi intensa as buscas todas ajudavam como podiam, mas nenhum fora encontrado, passado as horas deram por encerrada, quando Valentina acordou ouviu ao longe uma voz que gritava por socorro, ela bastante debilitada machucada tentou responder, mas sua voz desapareceu no ar, os gritos cada vez mais fracos continuaram por alguns minutos ainda. Glauber imaginava vou morrer, e minha família será que desistiu de mim, neste dilema de vida e morte adormeceu, o frio cada vez maior tomara conta de seu corpo, a moça por sua vez adormeceu também, ambos tiveram um sonho quando estavam neste transe de dor e frio. Viam uma luz ao longe que se aproximava e clareava o lugar onde estavam, eles estavam muito próximos, porém um tronco de árvore muito grande entre a neve os separava, o que eles pensaram ser horas dormidas foi alguns minutos, a noite estava chegando ao fim o dia começava a clarear, o rapaz conseguiu abrir os olhos se lembrou do sonho gritou oi tem alguém aí? A moça também despertara com muita dificuldade respondeu sim estou embaixo de muita neve não consigo enxergar nada, então o moço fez um tremendo esforço foi retirando um pouco da neve de seu corpo conferiu estava ali seu pedido de socorro, lançou e ficou ali inerte suas pernas estavam presas não conseguia locomover, para alegria dele os socorristas viram o sinal e chegaram logo, deram os primeiros socorros quando já preparavam para sair, ele se lembrou tem uma moça aqui eu vi ela no meio da noite, está aqui procurem, então acharam a moça desmaiada quase sem vida, mas era muito bela constataram os olhos de Glauber.

No hospital depois de receber o atendimento médico se conheceram e foi amor à primeira vista, estavam bastante feridos, pernas quebradas ela havia quebrado também os braços, mas seu sorriso era lindo, era uma morena alta rosto rosado olhos verdes, ele era louro alto magro e olhos de mel, se apaixonaram. Permaneceram ali hospitalizados alguns dias que pareceram eternidade, eles queriam sair viver namorar, Valentina disse a Glauber hoje vamos para casa daremos novos rumos a nossa vida, iremos nos conhecer melhor, ele disse sim mas para mim está decidido vou até sua casa onde pedirei você em casamento, nunca mais quero ficar longe de ti, essa avalanche quase nos matou, mas também nos aproximou. Vamos ser feliz e viver bem longe das montanhas.
Texto escrito por Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual.


Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…