Pular para o conteúdo principal

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.

Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.

Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.


Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inicia e finda, inicia com felicidades e ao findar deixa para sempre uma enorme saudade.
Texto da escritora Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual.
Luzia Couto é autora do Romance "Uma prisão no paraíso", á venda nas livrarias Clube de Autores (Versão Impressa) e Amazon (Versão Digital)

literatura | poesía | Ciclo de vida
A la vida impongo las expectativas de mejores días y horas más felices y alegres, puse mi esperanza y mi angustia saber que tal vez ese día nunca llega. Pongo la tristeza y la soledad, antes de que las provi mi vida de mentiras que se ejecuta en secreto a través del corazón.
Antes de poner la vida agradecimiento por todo bien recibido y muy contento, recibió también poner la muerte inesperada, pero conocido por todos vivente.Coloco también la verdad de la vida sufrió muchos viven sin que los demás saben y pueden extender sus manos.
En la cara de la muerte no tiene viviendo derriba todos los recursos de forma independiente credo o raza, la muerte es la vida, incluso si parece absurdo pensar que sí. Morir por la vida de uno de los demás, tal vez el sufrimiento que lo mismo ocurre con erosionar la carne no va a él corroer el alma el cuerpo muere, pero el alma vive eternamente.

En la cara de la muerte y la vida no tenemos otra opción, nacemos, vivimos y morimos. Al nacer es de alegría y celebración, para morir lágrimas y los lamentos.Assim que comience el ciclo y termina, comienza con la felicidad y el final siempre deja un enorme señorita.

Luzia texto Couto. Los derechos de autor reservado al autor. La copia, el collage, reproducción o divulgación de cualquier tipo que sea, la total o parcial sin la autorización previa y expresa del autor. Derechos están garantizados en las leyes nacionales e internacionales de protección de la propiedad intelectual y la falta de respeto estarán sujetos a la aplicación de sanciones apropiadas

Literature | poetry | Life cycle
To life lay my expectations of better days and hours more happy and joyful, I put my hope and my anguish to know that maybe that day never comes. I put the sadness and loneliness, before the provi me life of lies that secretly runs through the heart.
Before life put gratitude for all well received and welcomed gladly also put the unexpected death but known to all vivente.Coloco also the truth of life suffered many live without others know and can extend their hands.
In the face of death has not all remedies be living independently topples creed or race, death is life even if it seems absurd to think so. Dying for one's life for others, perhaps the suffering that so does erode the meat does not go to him corrode the soul the body dies but the soul lives eternally.

In the face of death and life we ​​have no choice, we are born, we live and then we die. At birth is joy and celebration, to die tears and lamentos.Assim the cycle starts and ends, starts with happiness and the ending leaves always a huge miss.

Luzia Couto text. Copyright reserved to the author. The copying, collage, reproduction or disclosure of any kind whatsoever, the whole or part without the prior and express authorization of the author. Rights are guaranteed in the Brazilian and international laws of intellectual property protection and disrespect will be subject to the application of appropriate penalties.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…