Pular para o conteúdo principal

Literatura | Poesia | Amontoado de letras.

Quando tudo parecer incerto feche os olhos e visualize o certo,
Talvez o certo nunca exista mas o incerto também não.

Incerto é o amanhã que não conhecemos e as surpresas que nos aguardam,
Cheia de incoerências é a vida e nada sabemos diante do incerto futuro.

Quisera o homem com sua sabedoria e sua prepotência poder decifrar o amanhã,
Mas este direito de ver o futuro e o que nos aguarda apenas Deus o tem.

No livro escrito com letras coloridas ou em preto e branco desta vida,
Apenas o que for verdadeiro e substancial prevalecerá as letras mal escritas apagarão.

Talvez o livro escrito com nossa história seja bela e colorida cheia de flores,
Ou talvez apenas um amontoado de letras que nunca formarão palavra alguma.

O homem sábio escreve sua história com letras cursivas percorridas pelos caminhos tortuosos,

O homem tolo escreve um grande livro cheio de amontoados de letras que não dizem nada.

Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
When everything seems uncertain close your eyes and visualize the right,
Perhaps right there but never uncertain either.

Uncertain is the tomorrow we do not know and the surprises that await us,
Full of inconsistencies is life and know nothing before the uncertain future.

Wanted man with his wisdom and his arrogance decipher tomorrow,
But this right to see the future and what awaits us only God has.

In the book written with colorful letters or black and white in this life,
Just what is true and substantial prevail misspelled erase letters.

Perhaps the book written with our story is beautiful and colorful full of flowers,
Or maybe just a jumble of letters that never form a word.

The wise man writes his story with cursive traveled by crooked ways,
The foolish man writes a great book full of piles of letters that say nothing.

Luzia Couto text. Copyright reserved to the author. The copying, collage, reproduction or disclosure of any kind whatsoever, the whole or part without the prior and express authorization of the author. Rights are guaranteed in the Brazilian and international laws of intellectual property protection and disrespect will be subject to the application of appropriate penalties
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Cuando todo parece incierto cerrar los ojos y visualizar la derecha,
Tal vez ahí, pero nunca incierta tampoco.

Incierto es el futuro que no conocemos y las sorpresas que nos esperan,
Llena de inconsistencias es la vida y no saben nada antes de que el futuro incierto.

Se busca hombre con su sabiduría y su arrogancia descifrar mañana,
Pero este derecho a ver el futuro y lo que nos espera sólo Dios tiene.

En el libro escrito con letras de colores o en blanco y negro en esta vida,
Justo lo que es verdadero y sustancial prevalecerán las letras mal escritas borrado.

Tal vez el libro escrito con nuestra historia es hermoso y colorido lleno de flores,
O tal vez sólo un revoltijo de letras que no forman una palabra.

El sabio escribe su historia con letra cursiva recorrida por caminos torcidos,
El hombre tonto escribe un gran libro lleno de montones de cartas que no dicen nada.

Luzia texto Couto. Los derechos de autor reservado al autor. La copia, el collage, reproducción o divulgación de cualquier tipo que sea, la total o parcial sin la autorización previa y expresa del autor. Derechos están garantizados en las leyes nacionales e internacionales de protección de la propiedad intelectual y la falta de respeto estarán sujetos a la aplicación de sanciones apropiadas.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…