Pular para o conteúdo principal

Literatura | Poema | Gabriela.

poesia+poema+euzinhalucouto+luzia+couto+ficção+literatura

Menina doce e singela era Gabriela
Olhar matreiro e cheio de segredos
Assim era ela, a bela a Doce Gabriela.

Todos se intimidavam ao ouvir sua voz
Melodiosa cheia de ternura
E ao mesmo tempo brava e muito veloz.

Menina brejeira jeito matuto que deixava
Enlouquecidos os homens, mas desde cedo aprendeu
Que meninas como ela não podia se apaixonar.

A paixão desvia o caminho já dizia sua velha mãezinha
Você vai estudar e nunca vai me deixar sozinha,
Moça estudada ganha beijos e perde o coração.

Ai mãe como posso viver sem conhecer a tal da paixão?
Que nada fia isto é coisa de gente que escuta muito o tal do coração
Você nunca vai se casar e viver sempre de ter obrigação.


Quando se apaixona e deixa de lado os sonhos sofre muito depois
Mas quem sabe um dia lá muito longe você arranja um amor, 
                           Aí mãe quero não, estarei velha e meu coração já deve ter muita dor.
  

Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.



sweet and simple girl was Gabriela
look sly and full of secrets
so was she, the beautiful sweet Gabriela.

Everyone intimidated to hear your voice
melodious full of tenderness
and the same brave and fast time.

brejeira girl matuto way left
maddened men, but he learned early
that girls like her could not fall in love.

The passion diverts the path already said his old mom
you will study and will never leave me alone,
studied young woman gets kisses and lose heart. 

Ai mother how can I live without knowing such passion?
Nothing fia that is thing of people who really listen to such heart
you will never get married and live always have obligation.

When falls in love and leaves aside the dreams suffer long after
but maybe one day there far you arrange a love,
                           ai mother do not want to, I'm old and my heart may have a lot of pain.

Luzia Couto text. Copyright reserved to the author. The copying, collage, reproduction or disclosure of any kind whatsoever, the whole or part without the prior and express authorization of the author. Rights are guaranteed in the Brazilian and international laws of intellectual property protection and disrespect will be subject to the application of appropriate penalties.

chica dulce y simple era Gabriela
mirar astuto y lleno de secretos
por lo que era ella, la bella Gabriela dulce.

Todo el mundo intimidar a escuchar su voz
melodiosa llena de ternura
y al mismo tiempo valiente y rápido.

Brejeira manera muchacha dejó matuto
enloquecido hombres, pero aprendió temprano
que chicas como ella no podía caer en el amor.

La pasión desvía el camino ya dijo que su madre de edad
vas a estudiar y nunca me dejará solo,
mujer joven estudiada consigue besos ni pierdan el ánimo.

Ai madre cómo puedo vivir sin saber tanta pasión?
Nada fia que es cosa de la gente que realmente escuchan tales corazón
nunca casarse y vivir siempre tienen obligación.

Cuando se enamora y deja de lado los sueños sufren mucho después de
pero tal vez un día no muy lejos a organizar un amor,
                           ai madre no quiero, yo soy viejo y mi corazón puede tener una gran cantidad de dolor.

Luzia texto Couto. Los derechos de autor reservado al autor. La copia, el collage, reproducción o divulgación de cualquier tipo que sea, la total o parcial sin la autorización previa y expresa del autor. Derechos están garantizados en las leyes nacionales e internacionales de protección de la propiedad intelectual y la falta de respeto estarán sujetos a la aplicación de sanciones apropiadas.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…