Pular para o conteúdo principal

Literatura | Poesia | Saudades e lembranças.

poesia+literatura+poema+romance+ficção
Saudade bate, maltrata, judia um coração, quem ama sabe do sofrimento,
Mas gosta de viver assim, sentindo essa agonia esse tormento.

Saudade é de longe um sentimento, é uma lembrança que vive a perturbar,
Mas com ela ou sem ela, quem ama vive assim de sonhar.

Quisera o tempo apagar e as doces lembranças da saudade assim todas juntas,
Deixaria para trás essa dor essa angustia que deixa alma a penumbra.

Ter lembranças de um amor que se foi, saudade da lembrança boa que ficou,
Um conflito de dores que o coração não consegue entender.

Mas quem ama ou já amou sabe das escolhas a fazer, viver de uma lembrança
Ou apagar de vez essa saudade essa ilusão.

Texto da escritora Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual.
Luzia Couto é autora do Romance "Uma prisão no paraíso", á venda nas livrarias Clube de Autores (Versão Impressa) e Amazon (Versão Digital)
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


beats Saudade, mistreats, Jewish heart, who love know suffering,
but she likes to live well, feeling this agony this torment.

Saudade is by far a sense, is a reminder that lives to disturb,
but with or without it, who love live like dreaming.

Wanted time to erase and the sweet nostalgia of memories so all together,
leave behind the pain this anguish that leaves the soul penumbra.

Have memories of a love that was good reminder of nostalgia that was,
a conflict of pain that the heart can not understand.

But who loves or ever loved knows of choices to make, live in a memory
or erase time this longing that illusion.

Text of the author Luzia Couto. Copyright The author is reserved. No part of this work may be copied, collated, reproduced or reproduced in any medium without the express authorization of the author under penalty of violation of the Brazilian and International Laws for the Protection of Intellectual Property Rights.
Luzia Couto is the author of the novel "A Prison in Paradise", for sale at bookstores Club de Autores (Printed Version) and Amazon (Digital Version)

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
late Saudade, maltrata, corazón judío, que aman a saber sufrir,
pero a ella le gusta vivir bien, sintiendo esta agonía este tormento.

Saudade es, con mucho, un sentido, es un recordatorio de que vive molestar,
pero con o sin ella, que aman viven como soñando.

Se busca el tiempo para borrar y el dulce nostalgia de recuerdos de lo que todos juntos,
dejar atrás el dolor de esta angustia que deja la penumbra alma.

Tienen recuerdos de un amor que era buen recordatorio de nostalgia que era,
un conflicto de dolor que el corazón no puede entender.

Pero quien ama o ha amado sabe de opciones para hacer, vivir en una memoria
o borrar vez este anhelo que ilusión.

Luzia Couto escritor del texto. Los derechos de autor reservado al autor. La copia, el collage, reproducción o divulgación de cualquier tipo en cualquier medio de todo o parte de este trabajo sin permiso del autor bajo pena de violación de la ley brasileña y Protección Internacional de los Derechos de Propiedad Intelectual.
Luzia Couto es autor el romance "Una prisión en el paraíso", a la venta en las librerías Autores Club (Versión impresa) y Amazon (versión digita


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
bat Saudade, maltraite, cœur juif, qui aiment connaître la souffrance,
Mais il aime à vivre comme ça, sentant cette agonie ce tourment.

Saudade est de loin un sens, est un rappel qui vit déranger,
Mais avec ou sans elle, qui aiment vivre comme rêver.

Recherché temps pour effacer et la douce nostalgie des souvenirs si tous ensemble,
Laissez derrière la douleur cette angoisse qui laisse la pénombre de l'âme.

Avoir des souvenirs d'un amour qui était bon rappel de nostalgie qui était,
Un conflit de la douleur que le cœur ne peut pas comprendre.

Mais qui aime ou jamais aimé sait de choix à faire, vivre dans une mémoire
Ou effacer le temps ce désir que l'illusion.



Luzia Couto auteur du texte. Droit d'auteur réservé à l'auteur. La copie, le collage, la reproduction ou la divulgation de toute nature sur tout support de tout ou partie de ce travail sans l'autorisation de l'auteur, sous peine de violation de la loi brésilienne et de la protection internationale des droits de propriété intellectuelle.
Luzia Couto est roman auteur "Une prison au paradis", en vente dans les librairies Auteurs Club (Version imprimable) et Amazon (Digital Version)



Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…