Pular para o conteúdo principal

Literatura | Poesia | Um Sentimento chamado amor.

O amor é assim um sentimento tão gigante e poderoso
Que arranca lagrimas e soluços de uma mesma pessoa,
As vezes de tristeza ou de alegria as lagrimas rolam,
Deixando o ser confuso sem entender esses mistérios.

O amor em sua essência é cheio de mistérios simples
E muitas vezes complicados, mas sabemos que dentre
Os mais diversos sentimentos ele é o maior e mais pesado,
Por tempos ele dá vida em outros ele mata aos poucos.

Quando estamos felizes e amando estamos vivendo o amor,
Mas se ficamos sem ele lamentamos, choramos, ficamos tristes
E lentamente morremos, quem nunca sofreu por amor, se existe
Alguém que atire a primeira pedra, assim o amor ganha campo.

Todo amor tem por obrigação de trazer felicidade e paz as pessoas,
Mas não raramente traz consequências desagradáveis, teria o ser amado
Entendido mal este sentimento, ou ele é como uma faca de dois gumes,
Muitos querem entender por que se matam em nome do amor.

Se ele é vida como pode trazer morte, as pessoas estão interpretando
De forma errônea este lindo sentimento? O amor tem poderes que nem
Imaginamos ele possuir, cura feridas da alma cicatriza arranhões no coração,
Ameniza dores insuportáveis e nos faz enxergar além,
Mas acima de tudo nos aproxima de Deus.

Texto da escritora Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual.

-Luzia Couto é autora do Romance "Uma prisão no paraíso", á venda nas livrarias Clube de Autores (Versão Impressa) e Amazon (Versão Digital)
...............................................................................................................................................................

Love is just a feeling so huge and powerful
Plucking tears and sobs of the same person,
The times of sadness or joy the tears roll,
Leaving be confusing without understanding these mysteries.

Love in its essence is full of simple mysteries
And often complicated, but we know from
The most diverse feelings he's bigger and heavier,
For times he gives life on other it kills slowly.

When we are happy and loving are living love,
But if we are without him sorry, we cried, we were sad
And slowly die, who never suffered for love, if there is
Someone who cast the first stone, so love wins field.

Every love has an obligation to bring happiness and peace people,
But not infrequently brings unpleasant consequences, would have to be loved
misunderstood this feeling, or it is like a double-edged sword,
Many want to understand why they kill in the name of love.

If it's life as can bring death, people are interpreting
Wrongly this beautiful feeling? Love has powers or
We imagine he has, healing wounds of the soul heals scratches in the heart,
Alleviates excruciating pain and makes us look beyond,
But above all brings us closer to God.

Luzia Couto writer of the text. Copyright reserved to the author. The copying, collage, reproduction or disclosure of any kind in any medium of all or part of this work without permission of the author under penalty of violation of Brazilian law and International Protection of Intellectual Property Rights.

-Luzia Couto is romance author "A prison in paradise", for sale in bookstores Authors Club (Print Version) and Amazon (Digital Version)
...................................................................................................................................................................
El amor es sólo una sensación tan grande y potente
Desplume lágrimas y sollozos de la misma persona,
Los tiempos de tristeza o alegría el rollo lágrimas,
Dejando a ser confuso sin entender estos misterios.

El amor en su esencia está lleno de misterios simples
Y a menudo complicado, pero sabemos por
Los más diversos sentimientos que es más grande y más pesado,
Para los tiempos que da la vida en otra mata lentamente.

Cuando estamos felices y cariñosos viviendo el amor,
Pero si estamos sin él siento, lloramos, nos dio pena
Y poco a poco de morir, que nunca sufrió por amor, si hay
Alguien que tire la primera piedra, por lo que el campo de amor victorias.

Todo amor tiene la obligación de llevar la felicidad y la paz la gente,
Pero no pocas veces trae consecuencias desagradables, tendría que ser amado
entendido mal este sentimiento, o es como una espada de doble filo,
Muchos quieren entender por qué se matan en el nombre del amor.

Si se trata de la vida como puede traer la muerte, las personas están interpretando
Erróneamente este hermoso sentimiento? El amor tiene poderes o
Podemos imaginar que tiene, heridas de los arañazos cura curación del alma en el corazón,
Alivia el dolor insoportable y nos hace mirar más allá,
Pero, sobre todo, nos acerca a Dios.

Luzia Couto escritor del texto. Los derechos de autor reservado al autor. La copia, el collage, reproducción o divulgación de cualquier tipo en cualquier medio de todo o parte de este trabajo sin permiso del autor bajo pena de violación de la ley brasileña y Protección Internacional de los Derechos de Propiedad Intelectual.

-Luzia Couto es autor el romance "Una prisión en el paraíso", a la venta en las librerías Autores Club (Versión impresa) y Amazon (versión digital)
...................................................................................................................................................................
L'amour est juste un sentiment si énorme et puissant
Pincer les larmes et les sanglots de la même personne,
Les moments de tristesse ou de joie les larmes rouler,
Laissant être source de confusion sans comprendre ces mystères.

L'amour dans son essence est pleine de mystères simples
Et souvent compliqué, mais nous savons
Les plus divers sentiments qu'il est plus grand et plus lourd,
Pour les temps, il donne la vie sur d'autres, il tue lentement.

Quand nous sommes heureux et aimant vivons l'amour,
Mais si nous sommes sans lui désolé, nous avons pleuré, nous étions tristes
Et lentement mourir, qui n'a jamais souffert pour l'amour, s'il y a
Quelqu'un qui jette la première pierre, de sorte que le terrain amour victoires.

Chaque amour a l'obligation d'apporter le bonheur et la paix des gens,
Mais pas apporte rarement des conséquences désagréables, aurait à être aimé
mal compris ce sentiment, ou il est comme une épée à double tranchant,
Beaucoup veulent comprendre pourquoi ils tuent au nom de l'amour.

Si elle est la vie que peut apporter la mort, les gens interprètent
A tort ce beau sentiment? L'amour a des pouvoirs ou
Nous imaginons qu'il a, la cicatrisation des plaies de la guérison de l'âme des rayures dans le cœur,
Soulage douleur atroce et nous fait regarder au-delà,
Mais surtout nous rapproche de Dieu.

Luzia Couto auteur du texte. Droit d'auteur réservé à l'auteur. La copie, le collage, la reproduction ou la divulgation de toute nature sur tout support de tout ou partie de ce travail sans l'autorisation de l'auteur, sous peine de violation de la loi brésilienne et de la protection internationale des droits de propriété intellectuelle.

-Luzia Couto est roman auteur "Une prison au paradis", en vente dans les librairies Auteurs Club (Version imprimable) et Amazon (Digital Version)


Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…