Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | O gatinho menininho.

Ângela era uma menina doente e necessitava de cuidados o tempo todo ela vivia deprimida e sempre triste em seu quarto não gostava de sair do quarto e nem gostava de sentar no lindo jardim de sua casa, sua família se desdobrava em atenção mas nada era bom para a menina, sua mãe era médica e seu pai era biólogo eles vivam em extremos diferentes e quando um estava outro não estava nesse empasse a menina sentia falta do carinho de um deles, para compensar eles tinham três profissionais que revezavam em cuidados com a menina que já tinha seus 10 anos mas parecia ter 04 as pessoas que cuidavam de Ângela uma em especial ela gostava era Martinha ela cheia de ternura disse a mulher que já tinha seus 60 anos a senhora podia me dar um presente a mulher disse claro minha menina diga o que quer ela com os olhos cheios de lagrimas disse eu quero um gatinho mas minha mãe disse que não posso ter um aqui. A mulher disse calma eu vou pensar numa forma de lhe dar um gatinho e sua mãe não poderá se zangar.
Passado uma semana a mãe da menina disse as funcionárias teremos a festa de aniversário da Ângela e quero as três muito bem vestidas e elegantes, sim elas responderam nesta hora Martinha teve uma ideia pediria a uma das amiguinhas da menina para lhe entregar um gatinho de presente seria como um segredo entre as três. Combinado Alexia aceitou entregar o presente de Martinha como se fosse de uma pessoa da alta sociedade que não pode estar presente, diria que o cartão voou na janela do carro. Então no grande dia a casa estava toda enfeitada o jardim estava mais belo que nunca e muitas crianças ricas brincavam enquanto as mães bajulavam a médica. Era a hora de Alexia aparecer e ao sinal de Martinha ela adentrou com uma enorme caixa de presente e entregou a menina perto de sua mãe e das mulheres, quando ela abriu e viu o gatinho seus olhos brilharam e ela chorou de emoção a mulher quis saber de onde vei pois sua filha não poderia ter um gato, a menina muito esperta disse foi o juiz que estava vindo com sua filha mas precisou voltar do caminho e pediu para eu entregar , a mulher pediu dê-me o cartão, a menina disse senhora ele voou ao vento quando ele saiu rápido com o carro, sendo assim depois ligo para agradecer pode ficar então já que foi o juiz que lhe presenteou.
As meninas e Martinha se olharam e fizeram um gesto com a cabeça. Agora teriam um problema como fazer caso ela ligue ao homem, mas até lá teriam tempo de pensar. Mas enquanto isto a menina se alegrava e cobria o gatinho de mimos e lhe deu o nome de Menininho ele tinha olhos azuis e tinha os pelos pretinhos e fofinhos muito brilhantes, a menina ficou muito agradecida a amiga que lhe deu o bichinho. Com o passar dos dias a mulher foi percebendo que sua filha estava mais feliz e mais alegre, sentava no jardim para brincar com menininho que adora as flores e as brincadeiras da amiguinha, eles formavam uma duplinha de carinhas felizes. Foi ai que a médica percebeu uma grande mudança em Ângela agora ela falava mais e se desenvolvia melhor, comia melhor dormia melhor e até estava animada a ter aulas de música, alguma coisa fez esta mudança mas o que seria chamou as três funcionárias e interrogou -lhes Martinha lhe disse senhora desde que ela ganhou este gatinho está assim feliz e desenvolvendo bem. A mãe chamou sua filha deu lhe um beijo e disse me perdoa por ter privado você desta companhia que esta te fazendo tão bem, a menina sem perder tempo disse então não vai mais brigar comigo se eu pedir mais um filhote para serem dois e eu brincar com eles, a mulher disse pode sim onde quer comprar um? Martinha disse senhora eu posso providenciar um, sim pode fazer isto. A mulher tinha o outro irmão de menininho traria ele na tarde seguinte. Tão logo ela chegou Ângela cobriu seu rosto de beijos agradecida pelos presentes, agora a menina tinha dois filhotes um pretinho menininho e um branquinho que era fêmea e ganhou o nome de nuvem branca. Assim o tempo foi passando e a menina estava cada vez melhor de saúde e desempenho.



Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.


Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…