Pular para o conteúdo principal

Literatura | Romance | Sortilégio de amor.

     Sortilégios de amor para trazer a pessoa amada de volta era o que Dindinha fazia, ela era uma mulher bela e andava muito elegante, tinha seu carro e andava espalhando propagandas de seus feitos nas ruas das cidades vizinhas. Lucy ouviu o anúncio e correu para ver, parecia que Dindinha até ouviu os pensamentos da moça que disse, se ela trouxer meu amor de volta eu lhe pago e bem. A mulher parou o carro e deu ré a moça se assustou estava baixada na calçada pegando o panfleto que dizia trago seu amor de volta em 03 dias você só paga depois que tiver ele em seus braços. A mulher disse me chamou foi? Chamou a pessoa certa, depois de se falarem por uns minutos ela foi embora e Lucy entrou. Passava das 18 horas e o rádio ainda cantava Ave Maria, a mãe da moça quis saber quem era a mulher elegante do carro, depois de ouvir a história disse não vai gastar dinheiro com essa bobagem vai, não funciona filha. Ela porem estava decidida iria buscar Manoel de volta ele a havia deixado por inveja de sua colega este era seu pensamento.
Na manhã seguinte antes de ir para o trabalho passou na Dindinha e esclareceu os pontos obscuros que havia na história. A mulher tratou de fazer o sortilégio e traria Manoel de volta em 03 dias mas ficaria caro, não sairia barato, mas no amor vale tudo, a moça foi trabalhar pensativa onde conseguiria tanto dinheiro emprestado e como pagar depois, mas encheu de coragem e pediu a seu patrão que estranhou uma quantia tão alta, mas emprestou. Por acaso o chefe chamava Manoel, tão logo venceu o dia a moça foi levar a quantia, mas a mulher não aceitou de imediato, depois de convencer a moça que traria o homem pegou o dinheiro e guardou e disse se ele não voltar eu devolvo. Sim combinado, a noite em casa com a cabeça voltada totalmente em Manoel ela refletiu bem e disse mas se ele não me amar o que vou fazer com um homem que não me ama. Tudo bem eu o amarei por nós dois; Dindinha procurou pelo rapaz e o encontrou, mas ele lhe disse não tem porção de amor que me faça voltar eu não a amo, isto é absurdo querer me seduzir com chá de ervas e dizer que é porção do amor, poço tomar um litro que não volto. A mulher inconformada com a resposta do rapaz tentou uns truques, mas não funcionou mesmo. Procurada pela moça no fim dos três dias e nada do Manoel voltar ela disse sinto muito, seu amor não te ama e minha porção e sortilégio não fizeram o menor efeito nele, me disse claramente que não te ama. É a primeira vez que faço um sortilégio e não funciona, terei que devolver seu dinheiro, mas vou lhe dizer uma coisa conheci outro Manoel que gosta de você e muito. Sem dar muita atenção Lucy indignada com a mulher, mas ao mesmo tempo pensou foi melhor assim. Pegou o dinheiro de volta e foi pagar seu chefe.
No dia seguinte quando foi devolver o dinheiro para Manoel o chefe, este lhe disse Lucy não precisa pagar agora, devia estar muito precisada dele a notar por sua aflição, mas não quis lhe perguntar são coisas suas. Ela disse não preciso mais, isto com os olhos cheios de lagrimas e a voz embargada pelo choro, o homem a abraçou e a conduziu até seu escritório e perguntou não precisa contar se não quiser mas posso saber o que se trata, é caso de doença diga menina, cheio de carinho na voz ele afagou seus cabelos, nesta hora Lucy sentiu seu corpo arrepiando, o que seria isto? Estou gostando do toque das mãos dele em meus cabelos, que sensação boa. Se levantou e disse vou lhe contar o que houve depois de ouvir a moça ele a abraçou carinhosamente e disse eu me chamo Manoel e faz tempos gosto de você e nem precisou de um sortilégio para isto. Olhe Lucy não precisa devolver este dinheiro fique com ele, se quiser pagar um pouco a Dindinha pague, afinal ela me trouxe você, não foi tão ruim o sortilégio afinal, não funcionou com o rapaz mas funcionou com você, deixe eu tentar te fazer feliz, os dois se olharam nos olhos e ela saiu sem dar respostas. Foi até a mulher e cobrou satisfações como e porque disse que conhecia outro Manoel que gostava dela, ela disse calmamente, eu não preciso de sortilégios nem porções para ver quando um homem ama uma mulher, eu vi nos olhos dele quando estive lá uns dias trás, nunca observou por que vivia com a cabeça no Manoel errado. E também não aceito o dinheiro eu sou honesta no que faço, não voltou não tem dinheiro. Depois de conversarem bastante e ficarem amigas, ela mostrou a Lucy os livros que usava e as orações com tudo que fazia, e mostrou que não era mentira tudo que ela fazia estava escrito nos livros, bastava acreditar que funcionava ela acreditava piamente que trazia a pessoa de volta, mas a pessoa precisava querer para funcionar. O amor atrai o amor, mas se não houver amor em uma das partes nada feito. Lucy compreendeu e tornaram grandes amigas, Manoel vivia oferecendo o pãozinho para o café da manhã de Dindinha, afinal ela lhe trouxe o bem mais precioso o amor de Lucy. Sortilégios existem meu amor, mas comigo foi amor à primeira vista. Vamos nos casar e seremos felizes com nosso amor a nossa porção mágica se chama amor muito amor.

Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…