Pular para o conteúdo principal

Literatura | Contos | Presilhas de ouro.

      Glória é uma mulher humilde que vive no campo com sua família, o esposo Marcio tem problemas na coluna e não suporta o trabalho pesado sozinho a mulher se esmera em ajudar o marido, seus 05 filhos são menores e vão para a escola, ela fica o dia todo no mato ajudando no cultivo da lavoura de café que confere muito trabalho e cansaço. Quando chega a tarde as crianças voltam da escola e tem que ajudar no trabalho da casa e do quintal, quem chega na casa de Glória não diz que ela trabalha fora o dia todo tamanha organização e limpeza. As duas meninas que são mais velhas cuidam da casa e das roupas os meninos limpam o quintal varrem tudo em volta e trata das criações de porcos e galinhas. Na hora de dormir estão cansados e nem tem tempo de pensar besteiras ou perder sono imaginando coisas.
No dia seguinte eles acordam cedo e tem as obrigações antes de irem para escola depois do almoço a mãe coloca eles no ponto do carro escolar e segue para a lavoura com o almoço e o café para o marido, lá ela permanece até à tardinha trabalhando, ela tem as mãos calejadas e grossas do trabalho pesado. Marcio sempre diz a ela que um dia vai lhe dar uma vida confortável e cheia de luxo, ela sorri e pensa mesmo que este dia nunca chegue eu sou feliz assim como estamos. Ela diz que acredita e tecem sonhos lindos e cheios de mistérios os dois ali no meio da terra cortada e cheia de formigas, o sol ardente e a boca seca deixam eles meio que extasiados e nem vê as horas passar com tantos sonhos a mente viaja e quando baixa a guarda o sol, eles se lembram que é hora de voltar para a casa e olham para o céu e as primeiras estrelas despontam no horizonte. Glória e Marcio chegam e começa a seção trabalho doméstico, pais que estão exauridos, mas que buscam forças no sorriso dos filhos a contar as novidades e as belezas que leram nos livros e aprenderam algo novo.
Assim a noite vai chegando e o sono começa a rondar as lindas cabecinhas das crianças que estudam e sonham dias melhores.
Sempre quando aproxima o fim do ano as crianças sonham em passar de ano e ganhar um presente de papai Noel que eles acreditam existir e que só ganha presentes se forem bons filhos e bons alunos. Que tempo bom é este que ainda se acredita em papai Noel e suas renas. A mãe consulta ao marido para saber da possibilidade de comprar um presentinho simples para os filhos que os ajudaram bravamente nas tarefas diárias e estudaram com afinco. Marcio fica pensativo e diz como eu queria poder deixar você leva-os a cidade e fazer compras a gosto. A mulher limpa o suor do rosto e diz marido se puder comprar apenas um brinquedinho baratinho para os meninos e umas presilhas de cabelos para as meninas, nessa hora ele enche os olhos de lagrimas e diz, nossas filhas já estão mocinhas e eu nunca pude comprar a elas nem um par de prendedor de cabelos, que vida esta mulher, mas deixa estar ainda vamos poder comprar uma presilha de ouro para adornar os lindos cabelos delas. Sandra e Resida as duas filhas mais velhas com seus longos cabelos banhados em água de coco e todo encaracolados ficaria lindo em uma presilha de ouro. Os três filhos Samuel, Daniel e Geisel, eles ficariam satisfeitos com uns carrinhos cheios de boizinhos. Glória diz marido nossos filhos são excelentes e entenderam a nossa situação. Que bom que temos o trabalho para garantir nosso sustento e o estudo a eles. Ao menos não ficarão como nós sem entender bem das letras, mas se Deus quiser quando nossa vida melhorar vamos comprar muitos presentes eles irão gostar. Nesta doce ilusão de dias melhores e com a cabeça cheia de lindos sonhos eles se dão conta que é hora de voltar ao lar, onde encontram os filhos felizes e cheios de novidades, eles contam alegremente aos pais que ganharam brindes na escola dado pelos professores. Último dia de aula e todos os alunos ganham uma lembrancinha esforço dos professores que querem agradar a seus alunos com um mimo simples, mas que faz eles se sentirem felizes. Marcio e Glória se olham e dizem baixinho Deus nos ouviu e nos abençoou nossos filhos são lindos e estão felizes, se abraçam e agradecem a Deus pela vida que tem.  

Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…