Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Romance | Uma noite de amor com o chefe.

Lisandra e Rinaldo eram noivos e pretendiam se casar no fim do corrente ano, mas ainda precisavam comprar o restante dos móveis e Rinaldo precisava fazer uma viagem a trabalho e Lisandra queria que desistisse, mas seu chefe não admitia ser desobedecido estava um empasse. Quando ele disse ao chefe que estava pensando em desistir da viagem este achou ruim e ficou nervoso aponto de despedir o rapaz. Lisandra ao saber do acontecido ficou de consciência pesada e foi interceder pelo noivo. No fim o chefe acabou reconsiderando mas queria algo em troca, queria uma noite de amor com a moça antes do casamento. Ela sem pensar nas consequências aceitou no intuito de desistir depois, os dias foram passando e ela ficando nervosa sem saber o que fazer amava Rinaldo como poderia ter uma noite de amor com outro, por outro lado se não aceitasse ele perderia o emprego e havia sido culpa sua.
O rapaz sentindo a moça sempre nervosa perguntava e a resposta era sempre a mesma é aproximação do casamento. Mas ele estava desconfiado que tinha algo errado e começou a pressionar a noiva, que acabou lhe contando entre lagrimas e com muito medo da reação dele. Por sua vez disse que tinha entendido e que ela fosse ele entenderia e sabia o quanto ela o amava. Sem entender direito e sem pensar bem ela ligou ao chefe do noivo e disse vamos marcar a data de nossa noite de amor então. O homem ficou eufórico e começou a dizer besteira e Rinaldo ouvia tudo, Lisandra marcou para o próximo fim de semana na sexta a tarde ele a pegaria em sua casa e assim aconteceu. Para tristeza de Rinaldo a moça encantou-se com o chefe e vice-versa. Agora o chefe tratou de mandar o funcionário a uma viagem mais longa ele não conseguia esconder o que estava sentindo por Lisandra da mesma forma a moça agora inventava pretextos para ir ao trabalho do noivo.
Assim que Rinaldo voltasse da viagem eles marcariam a data do casamento, mas tudo estava errado agora a moça não queria se casar rápido, inventou muitas mudanças e novos sonhos que queria realizar antes de se casarem. Desconfiado o moço foi para a viagem, mas sua mente estava inquieta, ele pensava sem parar no que a moça e o chefe fizeram na noite de amor, ela havia filmado, mas apenas as partes que lhe interessou. Por falta de sorte ele adiantou o trabalho e voltaria da viagem mais rápido e pegaria a noiva em flagrante enquanto estava fora Lisandra se encontrava todas as noites com o chefe e estavam se amando de verdade, pretendiam contar a verdade ao moço dentro de alguns dias iam preparar o terreno. Quando eles estavam na casa da moça se amando ele que tinha a chave do apartamento foi entrando de levinho, antes ligou dizendo que estava com saudades e na próxima tarde voltaria, enquanto ela já estava com o amante em casa. Ao deparar com eles fazendo amor, perdeu o rumo sacou uma arma e atirou várias vezes nos dois, por sorte era péssimo em acertos e não conseguiu matar ninguém, os vizinhos chamaram a polícia que o prendeu e depois de muita explicação ele conseguiu um advogado que o ajudaria se livrar da cadeia. Lisandra disse foi o acaso e também você teve culpa não podia ter me mandado ir ao primeiro encontro eu senti que não me amava realmente caso contrário não me liberaria para uma noite de amor com seu chefe, e ainda me pediu para filmar. Eu me apaixonei por ele e ele por mim não escolhemos nos amar aconteceu. Rinaldo pagou fiança e foi liberado e pediu as contas e se mudou para nunca mais ver a mulher que ele achava que amava, a casa e os móveis vendeu e dividiu o dinheiro ela havia pago a metade de tudo. Lisandra agora tem todas as noites de amor de sua vida com o chefe.



Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…