Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Romance | Tardes quentes de verão.

  Os dias quentes na pequena cidade onde Diana morava era sempre cheio de muitos jovens tomando sorvete e brincando na piscina do clube. As moças depois dos afazeres iam todas para ver os homens que tinham o tanquinho mais bonito. Diana estava começando a gostar de um dos rapazes era Gustavo ela estava de olho nele fazia tempo, mas ele nunca se decidia por isto ainda não tinham se encontrado como namorados, mas sempre se falavam como amigos. Nesta tarde estava muito quente todos os jovens que não iam trabalhar seguiam para o clube lá era muito sorvete e banho na piscina, as amigas de Diana Helena e Maria sempre aguardava pela amiga que só podia sair depois de cuidar de todo serviço de casa sua mãe trabalhava fora ela que cuidava da casa e de seus irmãos menores quando eles iam para escola ela podia sair. Quando elas chegaram ao clube e foram ao vestiário colocar seus biquínis ela notou que Gustavo a observava.
Depois de muita farra os jovens foram a lanchonete para pegar sorvetes Maria disse amiga o moço está devorando com os olhos despista e olhe, ela olhou e se chocou com o olhar dele, nessa hora ele se aproximou e a segurou pela mão dizendo posso lhe oferecer um sorvete ela disse sim, mas agora estou tomando um, ele disse experimente este sabor e deu lhe um beijo demorado fazendo a moça quase desmaiar eles se olharam e novamente se beijaram. Começava ali um grande amor capaz de enfrentar o mudo. Depois de muitos beijos e caricias eles se deram conta que estava na hora de buscar os irmãos da escola, ela se trocou e saiu apressada e nem marcaram um novo encontro. As amigas permaneceram no clube e disseram ao rapaz como encontra-la fora da li, ele agradeceu e também se retirou os amigos gritaram ele olhou para trás e acenou dizendo nada mais me interessa aqui. Os próximos encontros seriam sempre na porta da casa dela onde ele iria esperar por ela nesta mesma tarde, estaria ela interessada nele o quanto ele estava por ela.
No início da noite quando ela se preparava para ir à casa de Maria ver as bijuterias novas que havia chegado na lojinha dela se deparou com ele bem sentado no banquinho de madeira que havia na rua em frente à casa. Ele a chamou e começaram a conversar antes mesmo que ela falasse que precisava sair ele disse Maria está vindo aí trazer as peças novas para você ver combinei com ela antes. A amiga chegou com o mostruário só tinha peças lindas e únicas Gustavo escolheu um anel muito bonito e segurando Diana pela mão colocou em sedo e beijou dizendo este é o primeiro anel que simboliza nosso compromisso. Diana aceita namorar comigo e só comigo até que nossas vidas se findem, ela o olhou nos olhos e respondeu eu o marei por toda eternidade, amei você desde o primeiro instante que o vi. Se beijaram demoradamente deixando Maria sem graça, ela disse está bom entendi estou sobrando deixo o mostruário amanhã pego. Eles nem deram falta da amiga tamanho era o amor que os unia no aquele instante. Os dias e meses passaram eles já estavam namorando sério e pensavam em se casar, pensaram na possibilidade da festa de noivado ser no clube à beira da piscina. Um ano passará rápido meu amor e eu quero que esteja tudo a seu gosto para nossa festa de casamento esta foi a última frase que Maria ouvir o rapaz dizer a amiga, ficou pensando parece que ontem se conheceram e já falam em casamento eu conheço o Henrique faz anos e nem fala em noivar, preciso que ele fique amigo de Gustavo. 

Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.


Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…