Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Peteleco o cãozinho levado.

  Peteleco é um cãozinho de sorte e muito levado, ele foi encontrado por seu dono quando ele estava na rua, seu ex dono o deixou abandonado junto de 06 filhotes, estavam numa caixa grande e lacrada, mas com o movimento de pessoas eles se moveram e conseguiram abrir a caixa, os outros fugiram e deixaram peteleco sozinho ele era o menorzinho e bem feio, magro e sujo. As pessoas que passavam o chutavam até que Waldemar passou olhou aquele filhotinho chorando e aproximou de início imaginou ser um gatinho tão miúdo era. Mas a sorte ia sorrir para o cãozinho, o homem se abaixou pegou colocou dentro da camisa e o levou para a casa, ele morava no sítio ele será útil pensou o homem, quando estava em casa ele examinou o cachorrinho e percebeu que ele não enxergava de um olho e talvez por isto teria sido abandonado, deu lhe um banho comida e um pouco de leite, em poucos dias peteleco estava recuperado nem parecia ser filhotinho.
Waldemar tinha dois filhos rapazes e uns funcionários que o ajudavam nos afazeres diários do sitio, eles estavam ensinando o cachorro a fazer travessuras e a caçar. Eles iam trabalhar e levavam peteleco e ensinava a caçar os bichos, no fim da tarde trazia caças e preparava para assar na brasa, nos fins de semana eles assavam várias qualidades de caça e o cachorro ganhava um bom pedaço, seu dono não queria que ele comece caças, queria acostuma-lo só com rações, mas seus filhos já tinham acostumado ele. Uma certa manhã os rapazes foram para a cidade junto dos funcionários Waldemar teria que ir na lavoura sozinho assim resolveu levar peteleco que não desgrudava dele. Ao terminar o serviço resolveu cortar uma árvore para fazer cerca, um galho bem grande rompeu e caiu sobre o homem o deixando ferido e impossibilitado de mexer. Ele disse vá peteleco e traga ajuda, o cachorro não queria ir deixando seu dono sozinho, mas ele insistiu mandando ir, o cachorro saiu em disparada e como tinha dificuldades para enxergar com único olho que enxergava saiu batendo cabeça nas árvores e virando cambalhotas morro a baixo, quando ele chegou no terreiro da casa por sorte os rapazes estavam chegando assim que encostaram a moto viram o cão com a cabeça cheia de corte e as orelhas pingavam sangue, mas assim mesmo não parou puxou a perna de Gleison como ele havia o ensinado e o puxava e latia saiu correndo na frente e latindo os filhos perceberam que algo estava errado e foram o mais rápido que puderam acompanhando o cachorro. Quando chegaram o pai estava desmaiado, correram com ele para o hospital enquanto um dos funcionários levava o cachorro ao veterinário.
Waldemar quebrou a perna quando caiu em cima com o peso do galho e quebrou a clavícula, foi hospitalizado e após ter sido atendido quis saber do cachorro, a mulher Dorcas contou que o cão tinha se ferido estava no veterinário, assim que terminou o procedimento na clínica veterinária, o homem levou peteleco para a casa. Dias após ter alta Waldemar ficou sabendo do esforço do cachorro para pedir ajuda o veterinário constatou que ele enxergava menos de 30% do olho bom e do outro nada, era um milagre ele fazer tanta travessura como fazia, caçar e brincar de bola e ainda ajudar a tocar os cabritos. O homem ficou tão agradecido a peteleco que nem sabia o que fazer, comprou uma coleira e colocou uma medalha nome dele e endereço, caso ele se perdesse, depois procurou uma clínica especializada em cirurgias de animais e pagou para operar a vista dele, quem sabe com um pouco de sorte e fé seu amigo não voltava a enxergar, a cirurgia foi um sucesso e peteleco conseguiu reaver a visão total de um olho e 25 % do outro. Waldemar ficou tão feliz que nem sabia o que fazer, mas peteleco sabia muito bem, tão logo saiu da clínica recuperado, tratou de correr os pastos e rolar a bola milhares de vezes e buscar, e quando os rapazes iam para a lavoura ele caçava era muito. A noite quando voltava seu dono estava com seu banho preparado, tinha comprado uma casa para ele e colocado cama e todo conforto. Mas peteleco só ia para a casa após todos irem dormir o último era Waldemar que o deixava depois de lhe dar uma boa tigela de leite com biscoitos ele adorava. Quando o dia amanhecia peteleco já estava latindo e tirando todos cabritos do curral e colocando para o pasto nem era preciso mandar estava acostumado como se fosse gente. O cachorro e o homem ficaram tão amigos que onde um tirava o pé o outro colocava, eles foram na cidade e ficaram sabendo que havia uma caixa com filhotinhos chorando no tambor de lixo, ele foi correndo para achar os filhotes na esperança de ser irmãos de peteleco. Não era não tinha como saber, mas ele os pegou enrolou na camisa como fez anteriormente e os levou, agora você tem amigos para brincar de bola com você. Quando peteleco saía de casa com seu dono todos queriam tirar uma foto com ele, assim começou a ficar famoso sua história percorreu toda região, o cãozinho levado e trabalhador.



Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…