Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Pequena fábrica de sapatos.

    Aparecida e Fátima são irmãs e trabalhavam juntas na pequena fábrica de sapatos que seu vizinho tinha na garagem de casa, elas e mais duas filhas de Elton elas costuravam as sandálias e sapatos de couro enquanto Elton cortava os moldes. Entre elas Aparecida se destaca mais e o homem a colocou para desenhar os modelos dos caçados, ela era criativa e brilhante no que fazia, Margarida e Madalena as filhas sentiam ciúmes por ela ser a escolhida, mas o pai lhes dizia ela tem um dom para desenhar nasceu para isto, veja quantos calçados temos aqui sob encomenda e todos desenhados por ela. Eles recebiam em média 300 encomendas mensais e como tudo era feito artesanalmente tomava muito tempo, ele buscava os coros e os tratava como era preciso depois as filhas e Fátima os costurava sobre medida os moldes que o pai fazia. Ao fim do mês ele conseguia pagar as duas irmãs e tratava de sua família. Os pedidos iam aumentando conforme a notícia corria que seus calçados eram bem feitos e duravam muito devido a boa qualidade e era muito confortável. Uma amiga de Madalena tinha uma irmã que morava fora do país e ela lhe mandou um sapato de presente daí a coisa começou a melhorar na vida de Elton sua mini fábrica ganharia reforço e alcançaria o mercado internacional.
Depois da amiga usar o sapato e ver a qualidade e o conforto resolveu dar uma força a amiga, entre as suas amizades ela consegui fazer uma encomenda de 150 pares queria apenas ver os desenhos para pudessem escolher, Madalena lhe enviou via internet e tudo foi resolvido os desenhos eram lindos e como conhecia a qualidade não hesitou encomendou 150 pares e revenderia por lá. Quando a remessa foi enviada pelo correio ela com modelos antigos já havia recebido encomendas de mais 100 pares e assim foi o prazo de enviar uma tinha duas remessas aguardando, Aparecida teve a ideia de legalizar as vendas e aumentar a fábrica, Elton a princípio achou muito ariscado preferia vender como estavam fazendo mesmo, mas depois de ouvir uma pessoa que trabalhava no ramo de exportação ele acatou a ideia de sua ajudante. Agora precisava e mais três ajudantes para dar conta de todos e a moa desenhava dia e noite quanto mais criava mais sua mente abria ao novo e com muitas ideias novas ela fez uma coleção exclusiva para a primavera, ficou lindíssima e a TV e os jornais começaram a procurar pela fábrica e pela designer dos sapatos, ela muito tímida apareceu para dar entrevista e disse que não tinha estudos além do segundo grau e seus desenhos eram frutos de sua imaginação.
Depois de lançar mais duas coleções que venderam todos os mil pares no mês ela foi convidada para trabalhar numa grande fábrica que vendia para uma grife de luxo. Após negociar seu trabalho ela decidiu que não podia abandonar quem lhe lançou no mundo dos sapatos que foi Elton e aceitou a trabalhar com a condição de continuar com Elton que agora chamava calçados de couro primavera. Assim nenhum deles perderia proposta aceita ela trabalhava e foi ganhando fama, todos os famosos da região começaram a usar calçados desenhados por ela que além de muito conforto eram lindos e nunca repetidos a não ser por encomenda, cada coleção era mais brilhante e vendia mais e mais, Elton agora tinha uma casa boa e carro novo, tinha comprado um caminhão onde buscava os utensílios necessários, a fábrica tinha um galpão próprio e longe de casa onde o odor dos couros não incomodaria ninguém. As vendas para o exterior aumentaram e agora ele tinha que fornecer para mais duas grifes de lá além da amiga de Madalena. Havia contratado mais funcionários e estava faturando alto. Aparecida estava feliz e ganhando bem Fátima continuava a trabalhar para Elton agora tinha um salário melhor, as filhas estavam felizes e haviam parado de reclamar, quando Aparecida saia nas ruas era parada por todos para satisfazer suas curiosidades. Ela conheceu um homem que trabalhava na TV e estava interessado ela, estava bem gostando de ser cortejada e coberta de mimos pelo admirador. Ela era um pouco tímida, mas aos poucos ia se acostumando com a ideia de namorar, Pedro estava mesmo afim de compromisso sério.


Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.






Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…