Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | O sonho de Laura.

   A tristeza que Laura sentia de sua filha não poder estudar como queria era grande. Ela sempre dizia a Magda que ela iria conseguir um meio de sair da zona rural e estudar na cidade, não queria que sua filha ficasse sem estudos como ela, a menina já tinha 14 anos e não sabia assinar o nome os pais eram analfabetos e isto entristecia muito Laura e Alcebíades. Magda era feliz com sua família, vivia trabalhando na casa de sua madrinha que lhe dava roupas e calçados, mas se quisesse algo como maquiagem perfumes tinha que pedir para sua mãe que sentia em ter que negar para filha, pois a situação era difícil, tinha muito trabalho e pouca renda, eles trabalhavam para um fazendeiro que só visava seu umbigo. A menina um certo dia disse para sua madrinha após uma longa e pesada faxina, sabe madrinha eu quero estudar e poder ser alguém na vida, quero tirar meus pais dessa dificuldade que vivem, trabalham tanto e ganham pouco. A mulher disse não tem que se preocupar com isto o tempo resolve tudo e logo essa vida melhora, na verdade a mulher não queria era perder sua ajudante que era muito caprichosa e eficiente no que fazia, cozinhava como ninguém tinha tudo para ser uma chefe de cozinha. Criava pratos deliciosos que a família de sua madrinha ficava pasma. Sabia organizar uma casa e fazia decorações maravilhosas. Nem parecia ser uma mocinha franzina de 14 anos.
Quando em vez a menina dizia de seus sonhos a madrinha, uma certa manhã quando ela chegou para trabalhar o filho da mulher tinha chegado de uma viagem ao exterior e havia trago muitos presentes. Mas ao ouvir a conversa da menina com a mãe disse, para tudo aí, deixa eu entender a senhora não paga a Magda apenas dá essas roupas e calçados usados, e ainda não a incentiva a lutar por seus sonhos, você tinha que pagar um salário x para ela, dar essas roupas e calçados usados não é pagamento iria dar para qualquer outra pessoa. A mulher ficou furiosa e disse não se meta na conversa, mas era tarde demais, ele chamou a menina e começou a lhe explicar os direitos que ela tinha e disse mais minha mãe tem condições de ajudar você, se não o faz é porque não quer perder a funcionária eficiente, quem não quer pratos saborosos casa arrumada. E mais essas coisas que lhe dá nem mesmo custou dinheiro dela sabe que não tem filhas com seu tamanho de roupas, portanto acorde para a vida para seus sonhos. Magda ficou achando estranho a atitude do homem que era advogado e falar tudo aquilo de sua mãe, mas pensou ele sabe o que faz. Dias depois antes do homem viajar novamente ele foi à casa do pais de Magda e levou um cheque no valor referente a todos os anos de trabalho da menina. A mãe estava só e não queria aceitar, mas ele disse que era direito de sua filha.

Um ano depois quando a menina fez 15 anos a madrinha fez uma festa surpresa e pediu perdão para a afilhada por todos os erros e injustiças cometidos contra ela. Ela nunca mudou o jeito com a madrinha mesmo depois do filho dizer tanta coisa a ela. Ela disse madrinha eu nunca pensei em abandonar a sua casa eu só queria estudar mesmo. Ela disse Magda vou lhe dar um presente de aniversário espero que goste. Para a surpresa da mocinha era uma mochila com todos materiais escolares que precisava para ir à escola e disse o carro escolar passará este ano por aqui para pegar você, mas ele nunca passou madrinha, mas agora passará meu filho falou com secretário de educação que prometeu que passará. Meses depois quando as aulas iniciaram a mocinha foi levada pela primeira vez a escola por sua madrinha que explicou toda história aos professores, a menina estava se saindo muito bem, era estudiosa e muito inteligente e esforçada. Os anos passaram e a menina estava terminando a fundamental moça feita já, agora o próximo passo era o ensino médio, ela optou por estudar a noite assim trabalhava com sua madrinha que agora lhe tratava com respeito e sem abusos de exploração. Tinha dito para os pais iria estudar e se formar em gastronomia adorava inventar pratos e misturar temperos. Seus pais lhe deram total apoio apesar de não terem dinheiro para investir na filha, disseram faça sua parte filha que Deus fará a dele, temos fé você conseguirá. Assim os sonhos de Laura em ver sua filha estudada estava quase realizando uma boa parcela estava concretizada. Nunca deve desistir de um sonho por um tropeço.


Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…