Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | O sonho de Cíntia.

      Sonhos era o que Cíntia mais tinha ela sonhava em estudar e se formar em Oftalmologia achava a coisa mais linda poder ajudar a alguém enxergar melhor as belezas desta vida. Sempre que podia ia até uma clínica que tinha próximo a sua rua, a secretária era sua amiga, Dayse sempre deixava ela ver as consultas acompanhando o oftalmol. que atendia lá, eles já estavam acostumados a presença de Cíntia. A família da moça achava muito difícil ela conseguir a passar no vestibular era meio voadora nos estudos, mas na prática era muito boa. Genoveva sua mãe falava para a filha prestar atenção nas aulas já que não estudava como deveria, mas. Porcino o pai dizia ao contrário, é besteira essas coisas de muito estudo depois se casam e vão todas é para o fogão cozinhar, coisas do tipo machões, os anos passaram e a moça trabalhava numa farmácia e mantinha seus sonhos em segredos agora não revelava mais a ninguém. O trabalho lhe rendia um dinheirinho bom já que ganhava comissão nas vendas, e como era excelente em vendas com seus lindos olhos e com jogo de cintura batia recorde em vendas todo mês. A proprietária Nilce ficava contente em dar a porcentagem prometida, ela lucrava muito com Cíntia.
      A família da moça estava muito satisfeita com o desempenho da filha no trabalho, pensavam em montar uma farmácia para ela trabalhar, mas teriam que pagar um profissional da área para administrar, no entanto a patroa da moça tinha outros planos, queria abrir uma filial em outra cidade e colocar ela de gerente. Quando fez a proposta ela aceitou na hora nem tomou opinião com seus pais, seu irmão que era maior de idade estava cursando física e queria ir morara na cidade grande e trabalhar. Todos os dias eles conversavam sobre o assunto de se mudarem, isto longe dos pais, achavam que eles não aceitariam, mas com o cargo de gerencia da farmácia ela nem lembrou disto aceitou na hora, ao falar com irmão ele achou excelente ia morar junto com ela, a decisão havia sido tomada, seus pais não queriam mas acabaram por concordar visto que era o melhor no momento. Mas eles sabiam que fariam uma surpresa para filha montando o próprio negócio para ela. Nestor o irmão ficaria com ciúmes, então colocaria no nome dos dois, seriam sócios. O tempo passou e os irmãos morando fora vindo apenas nas folgas. Nilce estava muito feliz com o trabalho de Cíntia e já pensava em colocar ela treinar mais funcionários para outra filial.
      Depois de três anos os pais conseguiram montar a farmácia para os filhos, seria aniversário da filha e fariam uma surpresa, quando a filha chegasse estaria tudo pronto com festa de inauguração e tudo. Nilce havia ajudado na papelada toda e na compra dos medicamentos, a moça nem sonhava com isto, guardava seu dinheiro para montar uma ótica iria trabalhar no que gostava, e iria estudar e se formar não abriria mão deste sonho, estava com seus 25 anos, havia  feito os cálculos com tivesse 32 estaria com seu sonho realizado e arranjaria um namorado. No fim de semana quando ela e Nestor chegaram encontraram seus pais muito alegres e emocionados, disseram ser por causa da festa de aniversário, mas era por conta da surpresa, receberam muitos convidados o salão onde foi realizado a festa estava lotado, no meio do discurso do pai, uma mulher entrou com envelope e entregou a ele. Sorrindo ele convidou a filha e depois o filho a ir na frente, emocionado convidou  Genoveva a ir também, meio embargado a voz disse filhos aqui está toda economia de toda nossa vida, nosso presente a vocês. Foram muitos aplausos e lagrimas. Após a festa foram visitar o local achando que faltava tudo, mas estava tudo na perfeita ordem, documentação e até farmacêutico contratado para trabalhar. Emocionados agradeceram o esforço de seus pais. Assim ela adiou mais uma vez seu sonho não teve coragem de desapontar os pais, Nestor estava feliz em seu trabalho na cidade grande, deixou Cíntia na direção e pegava só os lucros. Porcino acabou se revelando um grande empreendedor. Genoveva auxiliava a filha nos trabalhos. A família agora estava tão empolgada que decidiram ajudar a moça realizar seu grande sonho. Eles ajudariam ela a comprar sua ótica e também incentivava a estudar mais e trabalhar menos só assim conseguiria alcançar sua meta.
  
Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

    Mais Vistas do Mês

    A menina que gostava da chuva.

    Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

    Poema | Ciclo da Vida.

    Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
    Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
    Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

    Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

    Conto | Júlia a menina de rua.

    Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…