Pular para o conteúdo principal

Literatura | Romance | O pôr do sol de Gilmara.

    Numa bela tarde de verão o sol se punha por trás das grandes árvores de pinhais que tinham na fazenda vizinha. Gilmara estava grávida de 05 meses e seu marido Jairo estava trabalhando com os bois numa fazenda bem longe da sua, ele puxava madeira com os bois treinados. Esta tarde especialmente estava muito linda o sol se pondo o dourado de seus raios coloriam o céu e por trás dos pinhais dava uma visão maravilhosa. Seu filhinho chutava sua barriga seria um jogador de futebol pensava ela ou então vai correr atrás de bois feito o pai, ele ia se chamar Jorge Miguel homenagem a seu pai e seu sogro. A noite caiu e Jairo demorava a chegar ela resolveu escrever um pouco em seu caderno de poesias, sempre escrevia quando estava feliz e todas as suas poesias iam para o livro de seu irmão e amigo. Especialmente ela escrevia sobre as belezas da natureza e obras de Deus, como o anoitecer maravilhoso daquele dia. Seu esposo chegou cansado e pediu para servir um drinque enquanto se banhava depois de vários drinques eles se amaram e adormeceram na manhã seguinte ele ia trabalhar em sua fazenda mesmo não precisaria acordar muito cedo, então pela manhã fizeram amor novamente e se foi, ela ficou cuidando do enxoval de Jorge Miguel sua ajudante Rosani tinha chegado e aguardava as instruções do dia, ela havia pensado em fazer vários saquinhos de polpa de goiaba e manga que estavam estragando nos pés, depois de dizer a moça o que fazer sentou-se e foi bordar mais uma manta.
         Na hora do almoço Jairo estava faminto e disse que gostou muito do almoço, ela tinha preparado uma carne recheada e uma salada de folhas com arroz. Gilmara ouviu seu amor dizendo que era excelente cozinheira além de linda. Sorriu agradecida pela vida que tinha seu marido era um encanto, Rosani era mais velha e dizia eles são dois jovens maravilhosos. A tarde quando eles se sentaram na varanda de fora ficaram olhando admirados o sol entrando ele disse sabe nunca parei para olhar como é lindo o pôr do sol, neste ângulo aqui é perfeito, a vida inteira criado aqui nunca dei valor as coisas lindas que tenho a meu redor, só agora com você aqui tenho olhos para tanta beleza, se beijaram e Jorge Miguel mexeu ele sentiu e ficou falando coisas de amor a seu filho, era uma cena digna de filmagem disse Rosani, depois de dizer boa noite ela se foi e deixando o casal mais lindo sentado na varanda olhando as belezas da natureza. Como sempre a felicidade passou rápido, um amigo de Jairo ligou chamando ele na sua casa precisava urgente de um favor, lá se foi e Gilmara ficou só, a noite passava a passos de tartaruga até que ele chegasse, era mais de 02 da manhã quando chegou exausto tinha ido puxar um caminhão de madeiras com seu amigo, se banhou e apagou tamanho cansaço. Pela manhã iam ao médico era consulta de pré-natal dela sempre ele acompanhava, depois de saber que estava tudo bem com a mãe mais linda e com o filho amado eles decidiram iriam a casa de seus pais, Jairo sentia saudades de seus pais e como trabalhava muito nunca tirava um tempo para visita-los, nesta tarde jantariam com sua mãe, foi muita festa quando chegaram e toda família se reuniu para ver Gilmara e Jairo. O jantar foi maravilhoso e resolveram dormir e voltar pela manhã, o irmão de Gilmara ao saber que a irmã estava na casa dos sogros foi até lá dentro de mais uns dias ele editaria seu livro com o título surpresa, eles divertiram muito naquela noite parecia despedida, mas quem quer despedir-se disse Holdina a sogra. Ao voltarem para sua casa encontraram Rosani com muitas novidades.
         A mulher tinha preparado o quarto do bebê e toda casa parecia iluminada com tanta felicidade, o quartinho de Jorge estava lindo e como os quartos de fazenda são grandes ela esmerou nas decorações, o casal ficou muito contente com ajudante. O tempo passou e o dia do nascimento chegou na maternidade Jairo parecia mais nervoso que Gilmara que dizia acalme-se assim vai me deixar nervosa, horas depois nascia o molequinho mais lindo que eles tinham visto, branquinho de olhos azuis e grandes, as famílias estavam reunidas no quarto todos falavam ao mesmo tempo, foi preciso a enfermeira chamar atenção. Quando Gilmara chegou em casa todos a esperavam com muita alegria Jorge foi recebido pelas avós e todas da família festejavam Jairo tomou muitos drinques em homenagem ao filho e brindou a beleza de sua mulher que lhe dera o melhor presentes de todos seu filho amado. Os meses passaram e logo seria a festinha de um ano de Jorge Miguel ele era uma criança linda sorridente e começava a falar a primeira palavrinha papai, para felicidade de Jairo que contava a todos os convidados a festa foi um sucesso e os gastos altos mais eles não mediram esforços para a primeira festa do filho. A família de Gilmara sentia orgulho em dizer que tinham encontrado outro filho em Jairo, ele era o genro que todo pai quer, a filha era feliz isto era tudo. Os anos foram passando e a família crescia em paz e harmonia já esperavam pelo terceiro filho, eles diziam que formariam um time de futebol ainda faltavam 08 a fazenda estava sempre cheia de visitas o casal sabia receber os convidados e todos sentiam bem na companhia deles, uma amiga disse sabe eu queria ter uma família assim, Deus abençoe a vida de vocês sempre, todos deveriam ter o mesmo privilegio terem famílias unidas e felizes, pena que não acontece com todos.    


Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.


Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…