Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | A familia de advogados.

     Nina e Raquel eram duas irmãs que se entendiam muito bem, elas trabalhavam juntas na empresa do pai que adorava ter as filhas sempre debaixo das asas, a mãe delas era Anita uma mulher guerreira e muito bela, já havia passado por dois cânceres na vida e mantinha o astral lá em cima, quando Anita teve as filhas teve depressão pós parto e em seguida teve um câncer de mama, fez o tratamento em tempo e se recuperou anos depois teve outro desta vez no útero, tratou também e sempre mantinha o astral lá em cima, as filhas eram seu maior orgulho o marido Beto adorava as mulheres de sua vida a esposa e as duas jarrinhas como ele as chamava. As moças haviam se formado em direito o pai era um excelente advogado e tinha os clientes mais cobiçados da região, sempre mantinha a dignidade e advogava com sabedoria e lealdade a seus princípios éticos e morais. As filhas eram também excelentes profissionais estavam aprendendo com o pai a arte de advogar sempre com justiça e em favor da verdade e do bem, causas desleais eles não pegavam em seu escritório formavam uma equipe de dar inveja, os amigos de Beto as vezes o criticava dizia que ele não estava milionário devido sua teimosia em permanecer honesto.
Nina estava namorando um jovem de origem muito pobre e trabalhador rural, as amigas zombavam dela, uma moça tão bonita e bem-sucedida como você namorar este caipira de pés sujos, ela odiava os comentários e muitas delas deixaram de fazer parte de seu grupo de amigos, a família não abria mão dos bons costumes e mantinham a honestidade e dignidade como bens primordiais.  Eliofrazio namorado de Nina sentia um pouco de vergonha quando eles saiam e as pessoas o olhavam como se ele fosse um bicho, mas a namorada fazia questão de deixar claro se quisessem a presença dela saberiam que o namorado estaria sempre a seu lado eles se amavam. Anita e Beto faziam muito gosto no casamento sabiam que a filha seria feliz com ele. Raquel ainda estava sem namorado mas tinha arranjado vários pretendentes, um advogado colega de um amigo de seu pai estava cortejando, mas ela dizia nem pensar eu quero uma pessoa simples como eu que goste de cantar na noite de lua clara sentado no chão, e também quero um homem que me ame pelo que sou, não pelo que tenho. Os pais sempre apoiavam as meninas em suas decisões, conheciam suas filhas e seus princípios.
O tempo foi passando e Nina pensava em se casar no ano seguinte, mas não queria que a irmã sentisse mal em ficar solteira, sempre planejaram se casar no mesmo dia, era comum na família delas casarem duas ou três irmãs no mesmo dia. Raquel disse olhe Nina se você se casar primeiro eu vou te ajudar na construção de sua casa, e quando eu for me casar você ajuda na construção da minha nossas casas serão iguais serão as mesmas que desenhamos a uns anos atrás, Anita a mãe estava pensando em viajar mas o marido naquele fim de ano, as filhas ficariam e tomariam conta de tudo, ela havia passado por outra cirurgia de reparos e queria sair um pouco para fazer um cruzeiro que sempre sonhou e desta vez Beto decidiu que iriam passar natal e noite de ano no navio. As moças acharam o máximo seus pais terem uma segunda lua-de-mel, eles eram bonitões e precisavam mesmo de um tempo longe de tudo e todos, eles iam adorar a viagem. A construção da casa de Nina estava iniciada e ela e a irmã gerenciava tudo de perto, os trabalhadores da obra não tinha como encostar e o dia passar, ela estava monitorando tudo. Ficaria linda, logo que terminasse a de Nina começariam de Raquel elas acharam por bem fazer as duas logo, assim uma não prendia a outra em compromisso. O noivo achou estranho a mulher fazer a casa, mas entendeu o ponto de vista de sua amada, ela queria uma casa confortável para viver bem com ele, ser feliz ao lado dele. Sendo assim aceitou e disse eu compro os móveis então pode escolher desde agora para eu ir pagando em prestações, mas os pais de Nina já haviam doado todos os móveis da casa para as duas filhas, neste caso Eliofrazio você só tem que fazer nossa filha feliz, caso contrário verá conosco, Raquel disse te enquadro na Lei cunhado, riram bastante e foram ajudar a mãe preparar as malas afinal 30 dias viajando gasta muita roupa.

Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…