Pular para o conteúdo principal

Literatura | Romance | O amor de Idalina e Pedro.

    Quando Idalina se apaixonou por Pedro ela tinha 15 anos ele tinha seus 30 o dobro de sua idade, mas para ela o que contava era o amor que sentia dentro de seu peito, ele ainda não sabia que também a amava mas saberia um dia precisa de mais um tempinho assim pensava ela. Ela estudava e ajudava a mãe nas tarefas diárias da casa, sua mãe era costureira e ela auxiliava nas costuras de mão, seria uma costureira de classe lhe dizia a mãe, ela nunca pensou ser costureira na verdade queria mesmo era ser atriz. Seu pai dizia que para ser atriz precisava talento, beleza, dinheiro para estudar e apadrinhamento, isto não seria problema quando casasse com seu Amor Pedro. Ele era rico e muito influente, mas como ele saberia do seu desejo se ela não lhe disse e também ele precisava declarar seu amor por ela. Nesta ilusão ela sonhava toda noite com ele. Um dia quando voltava da escola se deparou com ele por acaso, ela estava linda cabelos soltos ao vento, era bem-feita de corpo, bem alta e morena jambo. Ele sem demonstrar nenhum interesse na moça cumprimentou-a com um bom dia. Bastou essa palavrinha mágica para seus olhos brilharem e seu coração disparar, o dia passou a noite chegou ela nem sentiu, tamanha felicidade havia em seu coração. Na manhã seguinte ia fazer um trabalho de pesquisa iria a empresa de Pedro desta vez ele não lhe escaparia, confessaria seu amor mesmo que fosse preciso passar toda manhã por lá. Suas amiguinhas iam juntas, mas não deveriam saber de nada, seria segredo.
      Ao chegar na empesa logo cedo apenas ele estava seu pai trabalhava com ele ainda não tinha chegado, antes que ele falasse algo ela deu uma de louca pulou em seu pescoço deu lhe um abraço e um beijo na boca, na hora ele se assustou, mas depois gostou e a beijou com toda ternura e carinho, ela podia sentir as batidas do coração dele e a respiração ofegante, sorrindo se declarou a ele que sem entender direito falou como me ama? Em resposta ele ganhou um beijo ardente e sedento de desejo, agora entende como te amo? Sim começo entender, mas não posso te dizer o mesmo nem te conheço direito, ela retrucou eu conheço você desde que era criança, você ainda é uma criança, falando nisto caia fora não quero problemas, mas na verdade queria mesmo era puxar ela em seus braços, após ela sair ele ficou pensando que menina linda, não tinha reparada na danadinha, o resto do dia não conseguia parar de pensar em Idalina, ela por sua vez não assistiu aula nenhuma cabeça em Pedro. No fim do dia ela convidou as amiguinhas a irem na lanchonete que ficava próximo à casa de Pedro. Ainda nesta mesma tarde quando elas estavam disfarçando na lanchonete ele chegou do trabalho foi até lá comprar uma bebida era noite de sexta-feira poderia tomar umas cervejas estava feliz, mas porque se sentia tão feliz questionara seu pai.
      Bastou seu olhos verem Idalina que seu coração faltou a sair pela boca, meio sem jeito pegou as cervejas mas suas pernas não saiam do lugar, foi um constrangimento que passou mas se foi, os dias passaram ele mal conseguia dormir, será que estava apaixonada por aquela moça, tratou de contar a seu velho pai que disse meu filho isto é amor, tá na hora mesmo de arranjar uma mulher e se casar está envelhecendo eu não serei eterno, sua mãe já se foi, e se você estiver casado quando eu me for irei tranquilo. Na mesma tarde saiu para buscar cerveja na lanchonete sabia que Idalina estaria lá todas as tardes vinha, mas ela esperta tinha decidido abandonar o ambiente havia atiçado bastante o coração dele. Não tendo encontrado despistou e perguntou ao dono que lhe disse, ontem elas disseram que não voltariam mais, acho que resolveram o que estavam querendo, seu coração doeu será que havia desistido dele, justo agora que estava decidido a namora-la. Se culpou pelas besteiras que lhe disse, ficou a noite toda imaginando um meio de encontrá-la, na manhã seguinte não abriria a empresa, então ia procurara por ela mas como onde morava, saiu deu umas voltas de carro observando tudo, de repente avistou uma das colegas dela, a chamou e pediu o endereço, foi uma surpresa, a moça estava costurando na varanda ao lado de sua mãe, quando se aproximou Idalina sorriu e sentiu que o grande amor de sua vida estava a sua frente e suas pernas tremiam, o convidou a entrar e ofereceu um café, ele lhe disse baixinho vá a lanchonete preciso lhe falar, assim aconteceu mais tarde se encontraram e começaram a namorar, depois de um ano ao completar 16 anos se casaram, ela conseguiu estudar e ser atriz, ele foi seu grande amor, marido, amigo, empresário e companheiro em todos os momentos de sua vida, ninguém nunca os viu separados após se conhecerem, a felicidade tinha endereço certo para os dois, um ao lado do outro, isto era a felicidade.

Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…