Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Gêmeas brincam nas escadas.

 Quando a noite chega Elise e Henê ficam sempre juntas, sua mãe fica preocupada ao ver elas tão juntinhas ao anoitecer, é sempre a mesma coisa, mas tem uma explicação para isto, elas dizem sentir medo dos fantasmas que andam na casa, os pais, Tiago e Helena dizem que não existe fantasmas muito menos em sua casa, mas elas afirmam ver duas crianças brincando deslizando no corre mão da escada que sobe ao segundo andar, só de falar choram. Uma noite quando sua avó Maria estava em casa elas correram para dormir na cama com ela, disseram que as crianças estavam gargalhando no corrimão da escada.  Ao conferir não tinha nada, mesmo assim elas afirmam ver e ouvir. Antes de dormir a mãe sempre fica com elas ensinando a orar, e conta histórias de animais para elas distrai-las do medo, Tiago havia pensado em levar as filhas na casa de oração de Zequinha ele sempre faz orações a todos que o procuram. Mas sua esposa é contradiz que as filhas não precisam de oração de nenhum benzedor, que ela mesmo ensina as filhas a orar e sempre pede a Deus por elas.
      Numa noite as meninas estavam sem sono e seus pais estavam cansados de trabalhar o dia todo queriam dormir, com medo as meninas choravam teriam que ficar acordados até dormirem, mas o cansaço sucumbiu eles, Elise e Henê estavam grudadinhas uma na outra como se estivesse no ventre da mãe ainda, eram gêmeas. Tão logo os pais dormiram elas começaram a ouvir as gargalhadas de crianças, elas tremiam de medo mas resolveram olhar de perto, abraçadas uma na outra caminharam até a porta que dava para escada, viram duas meninas com roupas muitas brancas e cabelos amarelos grandes trançados elas tinham olhos azuis e brilhavam, elas subiam as escadas e sentavam no corrimão e desciam, as meninas tremiam tanto que não conseguiam manter em pé, nesta hora Elise caiu e Henê sentou -se perto e permaneceu ali, as meninas que gargalhavam viram elas e começaram a caminhar em sua direção dizendo venha brincar com a gente nós gostamos de vocês, as meninas deram um grito tão alto que acordou todos da casa. A mãe socorreu as filhas e as levou para seu quarto, nesta noite Tiago tomou a decisão mesmo contragosto da esposa, ia procurar Zequinha e contar o que as meninas diziam. As filhas descreveram toda história ao pai este concordou que era verdade, não havia motivos para elas mentirem, e também eles haviam comprado a casa sem saber a quem pertenceu, na imobiliária não narraram nada da casa, apenas eles acharam o preço acessível e compraram.
     Ao chegar sexta-feira o homem levantou cedo pegou as filhas e foi a casa do benzedor, chegando lá contou tudo, o homem ficou perplexo ao ouvir as gêmeas, depois de descrever toda história a mulher de Zequinha disse, eu conheci a família que construiu a casa, faz uns 30 anos que chegaram aqui, compraram o terreno e fizeram aquela casa, porém não moraram mais que dois anos nela, suas filhas gêmeas Aline e Alana eram crianças de 04 anos e brincavam sempre nas escadas da casa, elas subiam e desciam deslizando, numa manhã quando os pais saíram deixando-as na casa da vizinha elas foram a beira da lagoa ver os peixes que saltavam fora da água, ficaram tão encantadas que foram entrando sem perceber e morreram afogadas as duas, os pais quando chegaram encontrou todos da vila ao redor da lagoa os policiais estavam mergulhando depois de muitas horas encontraram os corpos juntinhos abraçados um ao outro. Foi muito triste desde essa época eles se aborreceram muito e se mudaram deixando a casa na imobiliária, todos que a compraram também venderam, ninguém conseguia morar lá diziam que as meninas gargalhavam a noite toda. Mas o incrível de tudo isto é que suas filhas parecem muito com elas, vou mostrar a foto delas, Tiago quase teve um infarto ao ver tamanha semelhança, não podia ser eles não tinham nenhum parente na região, como poderia parecer tanto, Zequinha tranquilizou o homem, dizendo não precisa ter medo, nem vender a casa por isto, eu vou rezar pro anjo de guarda de suas filhas serem confortados e pelo descanso da almas das gêmeas que morreram, não perca sua casa por uma coisa simples de resolver, na semana seguinte o benzedor foi até lá, depois de benzer a casa e as meninas, acendeu velas e ofereceu as almas das meninas mortas, desde esse dia as meninas perderam o medo, e também diziam que as meninas continuavam nas escadas só que agora elas não sentiam medo, a mãe faltou pouco ter um colapso quando ouviu as filhas falando na escada como se estivesse falando com fantasmas, mas conseguiu se controlar e abençoou as filhas e também as falecidas, a partir daquela noite ela abençoava elas como se abençoasse suas próprias filhas, depois de anos as meninas crescidas ainda contavam a história das irmãs das escadas..  
Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…