Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Atim a gatinha de rua.

       Atim é uma gatinha branca e com 05 filhotinhos lindinhos, é uma gatinha de rua e fora abandonada por alguém por causa dos filhotes, a danadinha teve sorte em encontrar um quintal murado e cheio de cipós que esconderam ela com os filhotinhos recém-nascidos, fato que a dona da casa abriu a porta pela manhã ela vai miando como que pedindo socorro, estava com a barriga nas costas e com as tetinhas sugadas, Léia sentiu pena da bichinha e deu-lhe um pouco de leite, Atim como Léia a chamou tomou todo leite e continuou miando. A mulher chamou seu marido Samuel e lhe mostrou a bichinha, em seguida ela caminhou até a parte de sombra do muro e entrou em meio as ramas do cipó, quando foi servido o almoço ela voltou e também ganhou comida, assim Atim estava conquistando o amor de Léia e a comidinha de todos os dias, então Samuel disse ela está procurando um lugar para ter seus filhotes deve ser da rua.
    Passados três dias Atim continuava comendo e sumia voltava e sumia, a mulher seguiu ela e descobriu a ninhada 05 filhotinhos lindos em branco e preto, 03 branquinhos e 02 pretinhos, eles estavam de olhinhos fechados, agora sim a gatinha cativou de vez a dona da casa, toda hora a mulher estava de olho nos filhotinhos, os dias foram passando uma semana após a descoberta os gatinhos começaram a sair do cantinho onde sua mãe preparou em segurança o abrigo pra eles, começaram a dar seus primeiros passinhos e brincar com a mãe, Léia fica com vontade de pega-los e fazer carinho, mas sente medo da mãe carrega-los embora ela está totalmente encantada com os filhotinhos.
    Atim entra em casa e sai quando bem quer, já ganhou a confiança dos donos da casa que fazem carinho dão comida e água fresca, mas a danadinha gosta mesmo é de carne, como o casal não tem animais, a comida que sobra é colocada como esterco para as plantas, agora Atim  estava ficando com ela, só que ela só quer comer carne, os filhotinhos agora correm e brincam entre si, o quintal é grande tem espaço eles deitam embaixo das árvores e se deliciam em brincadeiras com a mãe, correm de um lado a outro e fazem mesuras que deixam Léia com vontade de ficar com todos eles, mas no fundo ela sabe que é questão de dias para eles desmamarem e sair as ruas, ela sonha ficar com um filhotinho pretinho, é lindinho o danadinho, ela queria mesmo é ficar com todos, mas enquanto não chega a hora de Atim ganhar as ruas ela ganhou muito amor e carinho para si e seus filhotinhos. Atim é desconfiada e parece sentir que a mulher gosta dela, pela manhã Samuel levanta primeiro ao abrir a porta a primeira visita chega entra e vai direto ao quarto onde a mulher dorme, com seus miados parecendo pedir levante eu quero café da manhã amamentei a noite toda, Léia corre e vai dar comida e água Atim toma muita água, os filhotinhos começaram a andar em direção a porta da cozinha que dá para o quintal, talvez eles entrem e ganhe abrigo até crescerem mais, por falta de amor não morrerão, receberão comida e carinho do casal que está cada dia gostando mais da ideia de ter os hospedes permanentes. Atim e seus filhotinhos serão felizes lá.  

Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.





Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…