Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | A tulha da fazenda.

   O fim de tarde que aproximava e Ilma. sentia medo de continuar só uma casa grande e ninguém por perto, seu marido havia viajado embora não quisesse, mas o trabalho exigia viagens, e ela não tinha filhos eram recém-casados, uma fazenda onde seus sogros moravam, quando se casaram eles mudaram deixando o jovem casal na casa. Antes de sair. Tildo disse a esposa qualquer coisa vá para casa de meus pais na cidade, mas ela sentia vergonha de ter medo, achava que uma mulher precisava ser forte e corajosa o bastante para viver o casamento e todas as consequências que vinham junto. Pensando assim pegou seu tricô e foi tecer, depois quando a noite chegou preparou algo para comer trancou toda a casa e sentou para assistir televisão enquanto tricotava, o telefone tocou era sua mãe que dizia sentir saudades da filha e estava pensando em visita-la no fim do ano. Ela morava longe em outro Estado. Bem tarde Tildo ligou para saber da esposa e ficou até animado com Ilma., ela estava falante e parecia bem-disposta, mas bastou desligar o telefone para o medo chegar, ela precisou deitar e cobrir bastante para parar de tremer, pensava em bichos, fantasmas, assaltantes, malfeitores menos que Deus que estava com ela. Alta madrugada cansada de ficar enrolada nos cobertores e muito suada decidiu tomar um banho e tentar dormir, o dia já ia raiar agora o medo trava acabando.
     Quando acordou passava das 09 horas e precisava ir à cidade suas férias do trabalho estavam acabando tinha que terminar as peças que tecia, ia comprar mais linhas e convidar sua prima e tia para passar o fim de semana com ela, assim não ficaria só novamente. Depois de fazer as compras foi a casa da tia que se desculpou por não aceitar o convite, mas prometeu ir quando desse, a prima estava com namorado e também não quis ir, voltou para casa aborrecida, imaginando mais três noites sozinha vou morrer, é muito tempo. Sua sogra ligou e se ofereceu de ir ficar com ela, toda alegre disse venha mesmo vou preparar um delicioso jantar para nós. A noite quando Marluce chegou ela havia preparado uma carne assada e uma salada agridoce muito saborosa. As duas jantaram tomaram um bom vinho e bem tarde foram dormir, no meio da noite ouviram um barulho vindo dos fundos das tulhas onde guardava café limpo, feijão, arroz sem limpar e milho. Elas ficaram ouvindo em silêncio e depois adormeceram, pela manhã foram ver as tulhas pareciam tudo em ordem, depois do almoço resolveram cavalgar um pouco e foram até uma fazenda próxima onde morava uma comadre de Marluce, ao longo as margens do rio enquanto seguiam em direção a fazenda observaram que havia grãos de arroz com casca caídos ao chão, mas nem pensaram ser de suas tulhas. Após a visita depois de conversarem bastante e comerem biscoitos de polvilho fritos na hora voltaram para casa.
     Mais um jantar e umas taças de vinho, falaram ao telefone e foram dormir, novamente o barulho elas nem tinham dormido ainda, novamente das tulhas, mas desta vez o café cheirou quando mexeram para retira-lo do caixote, elas deram conta que estavam sendo roubadas, aí caiu a ficha, os grãos de arroz na estrada eram da noite anterior, a sogra num pulo saltou da cama pegou seu revolver dentro da bolsa pulou no terreiro, correu em silêncio enquanto Ilma. Chorava e ligava para Tildo. Marluce estava acostumada atirar em gavião no quintal, chegou na tulha dois homens um clareava com a lanterna o outro tirava o café e colocava no saco, já havia um saco com uns 35 kg em média, ela deu um tiro para o alto e um nos pés do homem que enchia o saco, o outro saiu correndo mas levou um tiro na canela e caiu, agora Ilma. Saiu acendeu todas as luzes e ligava para o sogro e polícia, ao ver o rosto dos homens que não tiveram como fugir estavam desarmados e a mulher tinha os dois em sua mira, elas ficaram perplexas era os meeiros da fazenda do compadre, elas os conhecia, envergonhados por serem pegos roubando e ainda apanhados por uma mulher eles taparam os rostos e as pernas sangravam Ilma. Trouxe uma toalha e jogou por cima até a polícia chegar, o sogro chegou primeiro deu um beijo na mulher e disse esta é minha velha, com seus 65 anos ainda faz caçada, a polícia não demorou muito a chegar tildo pediu para sua mãe não prestar queixa, os homens já estavam envergonhados e humilhados o suficiente, deveriam nunca mais querer voltar lá. Mas a polícia os levou para fazer curativos e deu uma bronca boa neles, os três foram para dentro e resolveram tomar uma taça de vinho, o sogro falou a nora, aprenda com sua sogra ela sempre foi valente, ficava sozinha aqui o tempo todo eu e seu marido vivíamos viajando comprando café e revendendo. Aprenda uma coisa precisa dominar o medo, assim sentirá corajosa e valente.

Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…