Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | A música e o amor.

   Marlidia conheceu Alcemar numa festa da cidade onde morava com sua família, era uma moça simples, porém muito educada e gentil. Tinha 20 anos estudava música adorava tocar e cantar, ao ser convidada para cantar na festa ficou tímida e com medo de fazer feio, estava começando o curso agora estava no terceiro período ainda. Mas Judith sua melhor amiga e irmã a encheu de ânimo dizendo que tinha certeza do sucesso, assim ela começou os preparativos para a grande noite, ia cantar para milhares de pessoas e sua cidade conheceria seu talento. Alcemar fazia parte da equipe de som da banda que também tocaria na festa, as amigas Késia e Tiane tinham namorados e vivam dizendo para ela namorar também. Como sempre dava prioridades aos estudos a família e ao trabalho, não havia pensado em namorar ainda, achava que tinha tempo para tudo. Na empresa onde trabalhava todos brincavam dizendo que Judith casaria primeiro apesar de mais nova. Ela achava graça e dizia estou com tempo. Quando se reunia com os amigos aos fins de tarde após o trabalho no máximo tomava um sorvete e ia para a casa. Nesta tarde especialmente conheceria o homem que mudaria o rumo de sua vida para sempre.
       A noite chegou havia muito movimento na cidade e todos comentavam sobre a nova cantora, havia fotos dela espalhadas por toda cidade e região, estava ficando famosa diziam as pessoas. Isto não a incomodava, mas sim o fato de estar à frente pela primeira vez cantando ao público. Todos a veriam precisava estar linda apesar de já ser, quanto mais pensava na hora aproximando, mas nervosa sentia, nesta hora Alcemar aproximou e disse hora se não é a cantora, ela sorriu e disse há é eu acho que nos conhecemos aquele dia a tarde, ele confirmou e deu piscadinha de olho acompanhado de um belo sorriso malicioso. Marlidia tremeu e sentiu-se arrepiada da cabeça aos pés, Deus o que seria isto? Que homem eu não tinha reparado nele, é extremamente belo e sedutor. A irmã bateu palmas e disse vejo que descobriu o amor, pare com isto apenas observei o quanto é belo. Não se acanhe irmã está na hora de conhecer alguém bacana, o rapaz havia escutado a fala das irmãs e sorria por dentro, desta vez conquistou à primeira vista, ficou pensando e seu coração batia descompassado, será que Marlidia estaria assim? Claro que sim mal conseguia esconder o sorriso de felicidade e o brilho no olhar deixando transparecer a olhos nus, tratou de ligar as amigas e contar do rapaz do som que conheceu a tarde junto delas.
      Na grande noite ela estava maravilhosa cabelos negros encaracolados e brilhantes, olhos verdes e um brilho que ofuscava até a lua, seu vestido vermelho em seu corpo esguio deixava sua silhueta a mostra e todos os homens babando. Quando Alcemar a viu quase enfartou tamanha surpresa ela estava mais linda que antes e agora todos a veriam, precisava declarar seu amor antes que outro o fizesse, tratou de aproximar e tecer os mais belos e sedutores elogios. A moça agradeceu como sempre e disse veremos após o show, isto se eu não morrer de vergonha antes. Claro que você será a estrela da noite, tenha calma e cante com o coração como faz enquanto está só, respire fundo e olhe para a frente, nunca baixe a cabeça, você nasceu para brilhar. Ao ser entrar no palco todos aplaudiram e gritaram seu nome, foi um sucesso tão grande que os repórteres presente se atropelavam para conseguir uma foto e uma entrevista com ela, foi convidada por emissoras locais e regionais para entrevistas, foi convidada a gravar seu primeiro álbum musical, nestas alturas Alcemar estava enlouquecendo de medo de alguém conquistar a moça, mas ela já havia se apaixonado por ele, assim que pode tratou de se declarar a ele, ambos estavam felizes e pretendiam namorar sério, ela aceitou mas com uma condição primeiro iria terminar sua faculdade, depois se casariam assim eles poderiam conhecerem melhor e quem sabe trabalhar juntos na música, claro que ele aceitou na hora, pretendia tocar só para ela, deixaria a banda onde tocava e agora faria parceria com sua deusa, depois de tudo resolvido ele colocou um anel de compromisso em seu dedo e a beijou demoradamente, o coração de Marlidia quase saltou do peito era seu primeiro beijo de amor. Estava amando pela primeira vez, assim eles juraram amor eterno entre eles em segredo, apenas a música roubaria os minutos que passariam longe um do outro.  
Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis. -


Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…