Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | O sonho de Isabela e a ajuda dos anjos parte II.

   Após dias o pai de Isabela permaneceu internado a filha não ficava um só dia sem ir a portaria do hospital com sua mãe, enquanto ela visitava o marido a menina suplicava baixinho anjos de luz, amigos de luz, tragam ele de volta, eu sei que vão trazer por favor não demorem, Alcione continuava visitando o esposo, e cuidando dos filhos, quando uma amiga de longe que fazia tempos estavam se verem chegou de surpresa ao hospital, a mulher disse como ficou sabendo Clarita, ela respondeu passou no jornal local, estão dizendo que sua filha tem poderes que sentiu o perigo que ameaçava o pai. Claro que foi coincidência, ninguém adivinha ou tem poderes para saber o que vai acontecer com alguém, mas Isabela teve amiga, confessa. Irritada com o questionário ela disse, se vei para interrogar pode ir, um pouco descontrolada ao sair a filha notou, como será que os sentimentos de Alcione estava, em casa conversando com as crianças observou o filho um pouco triste, procurou saber e ouviu o que não gostou, mãe os vizinhos andam dizendo que minha irmã é uma bruxa e querem que seja queimada, por favor não diga bobeiras, isto nunca vai acontecer.
     Depois de uns dias as crianças brincavam em frente a casa quando uma vizinha chamou no portão olhe tem muitas crianças vindas de outro bairro, dizem que vão pegar sua filha, cuidado. Sem ter muito o que fazer decidiu trancar a filha em casa até o marido receber alta. Os médicos achavam que não andaria depois dos tiros na coluna e no peito, mas a esperança nunca morre pensou a mulher. Levi começava a lembrar dos fatos e ficava meio confuso onde teria ido nestes dias, lembrava de muitas flores e luzes, música crianças cantando alegres e sempre em volta dele, seria sonhos, ou mente enfraquecida, tentava recordar algo mais concreto por que estava sozinho no quarto, estou dormindo ou morto? Nesta confusão de pensamento viu novamente uma estrada coberta de luzes e flores, agora conseguia ver os anjinhos com luzes nas mãos e cantavam hinos. Deus onde estou eu morri, um anjinho vai em sua direção sorrindo lhe acenou volte para sua família, eles aguardam por você e precisa salvar sua filha da ignorância humana. E lembre-se sempre dos amigos de luz, eles ajudaram na hora mais escura de sua vida, a morte é um mergulho na escuridão só com muita paz amor e pratica do bem que consegue ver a luz na estrada, no caso sua filha suplicou nossa ajuda e nossa luz, não esqueça as crianças conhecem a luz e o amor, elas nunca fingem sentimentos.
    Agora sim ele acordou concluiu o médico, chame a esposa preciso falar com ela, a notícia foi uma festa na família, Levi chegaria em casa naquela tarde, depois de avisar toda família distante, lembrou o patrão precisava saber havia pedido para lhe avisar. Em casa ele recebeu muitas visitas inclusive de Maria a mulher que lhe disse dos sonhos da filha, o pai da menina contou a ela tudo que viu e sentiu, ao receber o patrão em casa ele perguntou por que o colega havia atirado nele, para surpresa o homem respondeu ele queria ficar de presidente no seu lugar, mas não sou presidente, mas ia ser naquela semana, eu estava decidido deixar você no meu lugar e descansar um pouco, a única pessoa capaz de me substituir é você. Como foi descoberto ele se irritou pensou que seria ele, nem sei o que dizer, aliás sei sim por isso estou aqui sem nunca mais poder andar, ainda assim será presidente amigo concluiu o chefe, eu não posso como seria isto meu amigo, eu vou ausentar por vários meses, após atirar em você seu colega foi preso e demitido sem direitos a nada, nada tem a temer voltando para empresa, agora ficará só na empresa sem viagens, e pode cuidar de tudo perto de sua família. Isabela ao ouvir a conversa abraçou o patrão de seu pai agradeceu deu um beijo em seu rosto, ele sorriu e disse é um anjo esta sua filha. O pai todo orgulhoso beijou a filha e concluiu, sim um anjo que fala com anjos de luz.


Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…