Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | A serra das cruzes.

     Existia uma família muito linda e unida na qual todos a invejavam, Herivelto e Ivete tinham 03 filhos, Eric, Wosmany, Rosemone, eles viviam em uma fazenda junto com os pais de Ivete, o casal trabalhava e os filhos estudavam, a mulher tinha mais 06 irmãos, e ela como era caçula ficou morando na fazenda com os pais quando e casou. Isto gerava muita briga entre os irmãos pois achavam que Ivete não merecia a fazenda, viviam disputando quem herdaria a fazenda quando o casal de idosos se fossem, mas eles eram pessoas saudáveis e bem novos. Com o passar do tempo os filhos foram terminando os estudos e voltando para casa, os pais achavam que teriam que trabalhar na cidade e fazer carreira, mas os filhos quiseram ficar e trabalhar com o pai, Eric havia formado em agronomia ia cuidar da fazenda, Wosmany tinha feito veterinária, e Rosemone bióloga assim todos estavam animados mesmo com as terras iriam desenvolver um trabalho em suas terras e nas fazendas vizinhas se os donos quisessem. Enquanto isto os irmãos da mulher viviam dando incertas e maldizendo a família da irmã.
      Sempre no fim do mês depois do almoço eles iam a cidade fazer compras e buscar dinheiro para os funcionários que trabalhavam junto a família. O casal dono das terras resolveram doar as terras em vida, e depois iriam fazer uma viagem para conhecer outros países já que nunca haviam viajado. Ao serem convocados para um almoço de domingo na casa dos pais, os irmãos ficaram animados e juntamente com suas famílias compareceram todos, foi um grande almoço com churrascada e muita bebida, os jovens alegres contavam as façanhas da faculdade, enquanto isto os irmãos reunidos ouviram o pronunciamento do s.r. Altivo que dizia nós vamos doar as terras, está tudo combinado entre eu e sua mãe Sra. Doralice todos receberão partes iguais e Ivete ficará com a fazenda, ela sempre morou aqui, e a caçula e vai de nós na velhice, foi um silêncio total e depois muita confusão cada um queria a fazenda, a mulher disse Herivelto e eu não fazemos questão de ficar aqui, mas esta decisão foi de nossos pais, todos saíram maldizendo a família. No fim da semana seguinte as terras começaram a ser divididas e também começou uma guerra entre a família que antes parecia unida, muito disse me disse e por fim o rompimento dos irmãos com Ivete.
      Os três filhos do casal agora estavam ganhando dinheiro trabalhando na região e ao fim da tarde estavam todos reunidos em casa novamente, além do trabalho fora tomaram conta do serviço de manutenção das terras e das criações. Os pais orgulhosos sempre diziam meus filhos nunca percam a dignidade e o caráter sejam honestos consigo mesmos e com os outros, nunca percam a fé em Deus. Rosemone disse credo até parece que está despedindo, Altivo e Doralice estavam radiantes com a viagem, tudo preparado este fim de semana iam na cidade fazer compras e também conhecer o bisneto que tinha nascido na semana. Quando Herivelto tirou a Kombi da garagem deram risadas todos iam na cidade encheram o carro, para sair para cidade havia uma serra chamada serra das cruzes, pois sempre acontecia acidentes fatais, este nome veio da quantidade de cruzes espalhada em toda extensão da serra, ao entrar no carro Herivelto estranhou como o volante estava diferente, mas havia levado o carro na oficina a poucos dias estava tudo em ordem, sempre cuidava pois carregava os sogros e sua família e como a estrada era de muitas serras fazia manutenção do carro quase todo mês. Iam alegres comentando da viagem e de como os filhos estavam ajudando nas despesas, e que eles deviam guardar dinheiro para comprar mais terras. Já no início da serra ele pisou no freio e nada, estranhou e disse Deus os freios tão ruins, continuou descendo devagar e apreensivo não quis desesperar a todos talvez fosse conseguir agora, mas ao pisar no freio percebeu que não tinha como evitar, o carro descendo descontrolado ele desligou o motor pisando no freio, nada ele disse Senhor vamos capotar não tem freios, mas ontem de manhã passei aqui os freios estavam bons, Rose disse papai o tio Irineu mexeu nela ontem à noite, foi um desespero total ele disse vamos morrer todos, eu os amo nunca se esqueçam, como fazer agora nem deu tempo de nada, muitos dias após o acidente Eric e Wosmany acordaram do coma, todos morreram avós, pais, irmã eles escaparam por milagre disse o médico. Ao retornar a fazenda resolveram arrendar e mudar de lá não fazia sentido viver ali onde seus pais e avós viveram a vida toda e sem eles nada seria como antes, se mudaram para uma cidade distante deixando as terras na responsabilidade dos advogados que cuidava de tudo, precisavam tentar esquecer o triste dia que sua família morreu pela ganancia de um tio, que não pensou nem um instante em sabotar o carro que carregava os próprios pais.


Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis. 


Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…