Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | A Fatídica noite.

     Isaac tinha um irmão Silvéster eles eram muito unidos e amigos, sua família morava num vilarejo eles trabalhavam numa empreiteira fazendo estradas, só voltavam para a casa uma vez no mês as vezes passava mais, seus pais Kadmo e Iracema trabalhavam na fábrica de jeans que tinha na cidade, trabalhavam até aos sábados à tarde, folgavam apenas nos domingos. Silvéster era mais novo e tinha 20 anos Isaac tinha 23 eles haviam terminados os estudos que tinham na cidade, para estudar mais precisariam se mudar isto eles não queriam achavam difícil deixar os pais embora só os visitassem uma vez ao mês. No dia que eles chegavam os 04 ficavam reunidos até altas horas conversando e tomando um bom vinho, nesta tarde quando eles voltavam da fábrica ouviram os filhos alegres com o som bem alto, os vizinhos eram meio chatos não gostavam de som, mas os meninos vinham tão pouco não ia pedir pra desligar, talvez se soubesse teria pedido, mas ninguém pode adivinhar o que vai acontecer, eles estavam felizes tinham guardado um bom dinheiro queriam montar um minimercado para os pais tomarem conta, enquanto estavam jovens iriam trabalhar e juntar dinheiro mais tarde quando parassem teriam como montar seu próprio negócio e pensariam e constituir família.
     Quando os pais entraram em casa foram surpreendidos pelos filhos, havia uma geladeira nova como Iracema sempre quis, na sala uma TV grande para o pai assistir os jogos que gostava. Os rapazes estavam felizes e comentavam com os pais o plano do mercado e como fariam já tinham olhado tudo o ponto da esquina é ótimo e vocês não vão precisar ser empregados mais, vão trabalhar por conta própria, é muita felicidade meus filhos, os irmãos estavam radiantes e abriram um vinho para comemorar, o som está um pouquinho alto meu filho, mãe não se preocupe eles não estão em casa está escuro desde que chegamos. Assim que terminou de servir o jantar os filhos sentaram para comer e dizia a Kadmo o senhor do mercado disse que passa os congeladores e a geladeira grande, poderá vender também carnes ele vai passar os documentos tudo e ajudara o senhor em tudo até aprender, meu filho eu saco bem de vendas fui vendedor assim que casei com sua mãe. Alguém chamou na porta era o vizinho e estava bastante alterado estava bêbado, sua esposa implorava para não dizer nada, mas ele insistia, Isaac e Silvéster tentavam contornar a situação, mas não adiantava o homem gritava e ameaçava, e de repente sacou uma arma e fez vários disparos no peito de Silvéster, foi um choque, chamaram socorro e levaram para o hospital o vizinho nem correu tão bêbado, a polícia chegou no local e prendeu o homem, a família de Silvéster estava no hospital.
     Depois de atender o rapaz o médico chamou a família e deu a pior notícia que uma mãe e pai pode ouvir, seu filho morreu é uma perca para todos, ele é jovem e belo, foi uma tristeza todos da vila estavam esperando o corpo em casa, pois seria velado em sua casa onde nasceu cresceu, e agora pela última vez. A família desorientada não sabia o que fazer, os parentes que vieram de fora e os amigos cuidaram de tudo. Agora Isaac não deixaremos afastar de nós, vamos mudar desta vila e ficaremos juntos, desfizeram o acordo com o dono do mercado e mudaram de cidade. Na cidade onde foram conseguiram um local e montaram o mercado como Silvéster queria, tudo como haviam combinado na última vez que se falaram, Isaac trabalhava com o pai no mercado e a mãe cuidava dos salgados e doces que vendiam, fazia também comidas típicas para vender sob encomenda, estavam recomeçando uma vida que seria muito feliz, só não era pois faltava um membro desta família, o irmão tentava de toda forma esquecer um pouco a tristeza que carregava consigo, os pais trabalhavam sem parar, na ilusão de esquecer, mas ambos sabiam que jamais esqueceria alguém tão especial, assim a família prosseguia trabalhando e fazendo o possível para esquecer a fatídica noite que perderam um ente querido.


Texto de Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação de qualquer natureza, do todo ou parte dele sem autorização prévia e expressa da autora. Os Direitos estão assegurados nas Leis brasileiras e internacionais de proteção à propriedade intelectual e o desrespeito estará sujeito à aplicação das sanções penais cabíveis. 

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…