Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | O sonho de Isabela e a ajuda dos anjos.Parte I.

 Uma noite fria de inverno Isabela acordou no meio da noite e chorava descontroladamente, a mãe Alcione ao ouvir foi ao quarto e abraçou a filha e perguntou o que se passa? A menina respondeu mãe não quero perder meu pai. Filha seu pai não vai te deixar ele tá bem, só tá viajando vai chegar amanhã. Mas mãe eu sonhei coisas horríveis com ele, foi só um sonho ruim, venha vamos tomar um leite. Passou os dias Levi o pai de Isabela tinha voltado estava de férias do trabalho poderiam viajar conhecer lugares e visitar familiares, Alcione não trabalhava fora e a menina tinha 07 anos mas não foi na escola naquele ano devido as mudanças para duas cidades diferentes, seu pai trabalhava numa empresa que vivia mandando ele de cidade em cidade. A mãe da criança ficou feliz ia passar uns dias em paz com seu esposo e seus filhos além da menina tinha um menino com 04 anos o Richard, os dias passaram, uma noite Isabela gritou socorro, todos correram ela estava dormindo mas chorava, ao ser acordada disse pai não quero que o sr vá nesta viagem eu tenho medo, de que filha, não quero dizer fico triste, não vá por favor.
O casal conversou entre sí e decidiu iam levar a filha até uma casa de oração da amiga Maria, ela entendia bem do assunto todos da região consultavam e pediam conselhos a ela. Levaram a menina chegando lá Maria disse meus amigos vocês tem uma criança especial que presente o perigo em sonhos, não é um sonho normal, ele mostra claramente a ela o que esta por acontecer, o casal não entendendo bem pediu maior esclarecimento, a mulher citou os sonhos de José do Egito entre outros bíblicos. No bairro onde moravam havia muitas crianças mas nenhuma se aproximara de Isabela, a mãe não entendia porque sua filha era amável, carinhosa, meiga, e decidiu perguntar as crianças mais próximas porque vocês não gostam de brincar com minha filha, apenas com meu filho? Elas responderam sabe ela fica falando que vê coisas e pessoas mortas temos medo. Será que a filha fazia isto mesmo pensou e perguntou, o que por exemplo ela falou e era verdade, um menino respondeu minha mãe morreu queimada num incêndio e sua filha sem saber disse que minha mãe chorava porque não conseguiu apagar o fogo que matou ela e minha irmã pequenina. Pode ter ficado sabendo por alguém não senhora ela não sabia, ela é bruxa isto sim.Alcione ficou triste não sabia lidar com a situação ainda.
O tempo passou agora a menina tinha completado 08 anos, o pai estava com uma viagem marcada, mesmo sem dizer a filha pois evitou viagens até o momento,mas não podia mais adiar ou ia ou perderia o emprego, chegou pra filha e disse eu preciso ir não posso perder meu emprego você sabe sua mãe cuida de vocês e eu trabalho. A filha entre lagrimas disse tudo bem eu não posso evitar, só Deus pode. O homem sem entender perguntou evitar o que, ela disse o senhor sabe eu vi vai acontecer uma confusão no seu trabalho vão fazer uma armadilha pro senhor é um homem branco e alto, ele tem inveja porque o chefe gosta do senhor e o protege, como me protege,isto eu não sei mas sei que protege caso contrario este homem branco já teria tomado seu cargo na empresa. Certo filha eu vou tomar cuidado, e você tome conta de sua mãe e seu irmão. Na noite da viagem a menina abraçou seu pai muitas vezes e sempre dizia baixinho Deus guarde meu pai, não deixe ele morrer, o homem viajou ela ficou em casa trancada em seu quarto e em pensamento pedia proteção para seu pai. Nos dias seguintes o homem ligava varias vezes falando com a filha estou bem, mas ela sentia algo cada vez mais forte seu peito apertava e ela chorava, chamou a mãe e disse vamos rezar agora pois neste momento meu pai está em perigo, ajoelhou perto de sua cama fechou os olhos e começou a pedir os anjos guardiões para ficarem perto de seu pai, mentalizava ele e pedia amigos de luz, anjos de luz, cuidem de meu pai. O telefone tocou era do hospital uma mulher falando rápido e alto dizia sra seu esposo levou vários tiros esta internado em estado grave, precisamos de sua presença. O coração de Isabela disparou mãe eu vou, filha não pode entrar é uma criança ainda, mas tudo bem eu fico na portaria preciso ir. Pegaram o primeiro voo e chegando ao hospital o médico disse só um milagre pode salvar. A esposa muito triste decide contar pra filha que já sabia ela tinha visto tudo em seus sonhos. Mãe eu sei que ele vai recuperar meus amigos de luz o salvaram ele vai voltar só foi fazer mais uma viajem agora numa estrada iluminada. A historia continua depois com segundo capítulo até lá.
Texto escrito por Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de propriedade intelectual.



Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…