Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | O rigoroso inverno.

     Foi o inverno mais rigoroso na região desde os anos 90, assim Clayton entrou na varanda e disse a esposa Giovana, amor este está sendo o mais rigoroso, estamos prestes a perder toda nossa plantação como vamos fazer, e vamos sobreviver do que? Calma amor Deus é bom vai nos ajudar, mas se ele não melhorar o tempo não sei como pode ajudar. Olhando pela janela viram tudo coberto de neve, nada adianta tanta plantação e a geada acabar com tudo, os filhos de Clayton eram homens fortes trabalhadores dedicados a lavoura de soja e a plantação de verduras que tinham. Todas as semanas lotavam a picape e saiam para vender suas hortaliças nas grandes feras que haviam ao longo das avenidas. Todos queriam verduras e legumes orgânicos, apesar do preço ser mais alto eles sempre vendiam tudo. Nesta semana não poderiam mais sair estava tudo coberto pela neve, os moços estavam preparando novas sementes para o replantio quando ouviram os pais conversando e desanimaram também. Mas Giovana disse tenho uma ideia, tão logo melhore o tempo vamos sair e tentar negociar o que nos restou vamos mudar para uma região mais quente.
Venderam tudo que tinham e foram morar numa região bem mais quente, acharam o terreno todo cheio de pequenas árvores, parecia nunca ter sido cultivada. O homem desanimou como vamos cultivar alguma coisa aqui. Não desanime marido somos fortes e vencedores, vamos cultivar nossa terra com todo nosso carinho e amor, foi esta que Deus nos deu. As 06 pessoas trabalhavam duro, a mãe tomava conta da casa e de algumas ovelhas, os 05 homens trabalhavam duro no cultivo da terra, preparam e plantaram tudo que imaginaram produzir ali, a mãe terra é fértil vai nos ajudar, sempre sorridente Miqueias dizia vamos é fazer uma colheita farta fomos abençoados. Mas o que produziu mesmo bem foi amendoim e feijão, colheram muitas sacas de amendoim e feijão, resolveram plantar frutas nos intervalos das carreiras, a melancia produziu tanta que vendiam a baixo custo, a família estava cada vez mais feliz. Nos fins de semana agora vendiam frutas e alguns legumes, resolveram investir em hortaliças plantaram e cuidaram muito bem, mas uma praga verde matou toda plantação levando a família a mais completa tristeza, sempre a mulher reagia primeiro que o marido, olha as melancias saíram bem vamos plantar, mulher tivemos que vender a baixo custo para não perder, não adianta mais uma vez estamos perdidos, o amendoim e o feijão não são suficientes, precisamos ter outra fonte de renda. Manoel o filho mais velho disse o que acha de investirmos em ovelhas e cabras, elas tem muitos pelos não sofrem tanto o rigor do inverno apesar de ser um pouco mais quente aqui, e também faremos queijos e abateremos e entregamos as carnes limpas, vamos tentar família, assim fizeram demorou algum tempo para começar a ver resultados, neste intervalo eles continuaram insistindo nas hortaliças e nos legumes acabaram por descobrir que o pepino, e o jiló adaptaram bem a terra e produziram muito, foi uma colheita farta nos últimos meses, foi suficiente para manter os gastos que tinham com a grande estufa onde cultiva as mudas.
As ovelhas começaram a dar lucros eles vendiam queijos e também as abatiam sempre tratavam tudo nos mercados livres e nas feras, estava dando certo o lucro ainda não era visível, mas o suficiente para não desanimarem. Quando a mulher teve uma queda nas escadarias do casarão onde moravam quebrara uma perna o fémur, e agora como vamos fazer sem mamãe não somos nada, ela mesmo sem poder mover em cima da cama dava as coordenadas e os homens obedeciam, Maicon o filho caçula disse mãe eu vou cozinhar para senhora, quero que fique boa logo, Mário estava trabalhando muito e tinha vontade se casar, estava gostando da vizinha moça prendada trabalhava o tempo na lavoura ajudando sua família, será ótima esposa não acha mãe? Sim meu filho. Assim que Giovana recuperou voltou a trabalhar, mas agora com cuidado pois estava mancando ainda, os homens da casa ajudavam no que podiam. Minha família é mesmo uma benção obrigada meu Deus. O tempo passou na região todos conheciam família do queijo assim a chamavam. Muitos queijos, verduras, legumes, carnes, e agora também investiram em doces com as frutas que plantam no meio das lavouras colhem e fazem geleias e vendem tudo. A mãe incentiva os filhos a se casarem constituir suas famílias, ela e o pai não serão eternos, e a idade está avançando. Pretendentes não faltam, mas eles querem mesmo é alguém que saiba cuidar da terra assim como eles, e que dê valor a família, pois eles se importam mesmo é em estar juntos seja no inverno rigoroso ou no sol escaldante. 
Texto escrito por Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de propriedade intelectual.


Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…