Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | O milagre dos anjos.

     O tempo todo Miriam falava com sua filha Renata cuidado quando for atravessar a rua filha, ela sempre sorria e respondia eu sei mãezinha, mas era muito voadora, não prestava atenção em nada, sabia muito era sorrir, tudo merecia sorrisos da garota. Renata tinha 11 anos, sempre estudiosa e obediente mas desatenta, gostava de brincar com as coleguinhas na rua em frente de casa, quando sua mãe chamava sempre respondia vou indo mãezinha. As duas mãe e filha se entendiam bem, o pai da menina era Silvio homem forte e um tanto grosseiro, as mulheres da casa temiam ele quando estava enfurecido com algo. Por isto a mulher cuidava sempre de não o aborreces nem deixar a filha desaponta-lo. Um dia depois da aula as duas estavam indo no shopping fazer umas compras de roupas para os três quando ouviu o telefone tocando, era o homem querendo saber se havia esquecido sua carteira em casa, caso contrário a teria perdido, a mulher olhou tudo e disse não ficou amor, assim que tomaram o primeiro ônibus a caminho do shopping o homem chegou em casa, foi logo ligando para saber onde haviam ido neste horário, a mulher respondeu educadamente estamos fazendo compras.
Quando já em casa foram cuidar dos afazeres as duas, tão logo terminou o jantar Silvio entrou dizendo bonito eu trabalho vocês gastam, assim vou ter que pernoitar no trabalho, mas nada queria um motivo para aborrecer a esposa, andava meio estranho nos tempos atuais. A mulher mostrou as peças que havia comprado para ele, mas nem isso alegrou o marido, Júlia disse papai amanhã não tem aula e o s.r. não trabalha vamos no parque? O que está pensando eu vou trabalhar na oficina vocês só pensam em sair e gastar, mas Cida já estava chorando sempre se aborrecia com as grosserias dele. Perguntou o que foi agora? Só sabe chorar mulher chorona, nesta hora a menina ao ouvir o pai falar com sua mãezinha naquele tom saiu em disparada chorando não olhou ao atravessar a rua, foi jogada longe por um motoqueiro que corria bastante, todos os vizinhos ouviram o barulho menos Cida pois o marido continuava falando muito alto. De repente a porta abriu em gritos uma amiga de Cida corra amiga sua menina; foi um acidente, meu Deus sempre pedi atenção dela, não é hora para isto amiga vamos chamei o resgate deve está chegando, a mulher acompanhou a filha o pai iria depois, ao chegar ao hospital feito os exames constatou uma hemorragia, a menina corria sério risco de vida. Quando Silvio chegou a esposa chorava no banco da capela implorando a Deus pela vida da filha, nesta hora o homem duro chorou abraçou a esposa e disse vamos rezar vou te ajudar.
Durante toda noite os dois passaram na capela rezando quando em vez iam e pediam informações, passado os dias sem nenhuma melhora no quadro, a mãe de Júlia decidiu ia saber o porquê de tanta demora neste diagnostico, impossível não saberem, estavam era enrolando ela, chamou o marido e foram falar com o médico. A resposta veio nada amistosa sua filha não voltará a andar e nem falar, estávamos aguardando mais uns dias, mas esta é a verdade. O mundo de Cida acabou neste momento, abraçou o marido para não cair, o homem ficou sem rumo, foi uma choradeira, mas a mulher não perdeu a fé, tratou de recompor e chamou o marido, vamos fazer um pedido especial pra Deus curar nossa menina, o marido pediu perdão, não fosse meus gritos ela não teria saído e acontecido isto, eu sou o culpado, me perdoa por favor. Não tem que pedir perdão a mim, peça a Deus, então reuniram forças e foram para a casa. Júlia recebeu alta foi para casa e começou o sofrimento do casal, Silvio precisava trabalhar e Cida ficaria só para cuidar da menina, as vizinhas revezavam sempre uma ajudava no dia outra a noite.
Os meses passaram o casal estava unido e agora não tinha grosserias, havia mudado muito desde o acidente, a menina permanecia como saiu do hospital nenhum movimento isto era tormento para o pai que se sentia culpado. Cida cuidava com muito carinho da filha, sempre pedia cura, uma noite quando dormia ao lado da filha teve a nítida impressão que viu o pé da menina movimentar levantou olhou era um sonho, mas assim mesmo continuou rezando e pedia ao anjo da guarda da menina para ajudar, e resolveu pediu aos amigos de luz, dizia sempre seres de luz, anjos de luz, ajudem devolva os movimentos de Júlia pois ela é meu anjo. O tempo foi passando ela cuidando de Júlia com mesmo carinho de sempre, na hora de alimentar a filha orava e colocava a comida na boca da filha, na hora do banho colocava água benzida, assim todo tempo até um dia receber um milagre, foi o que ela disse a uma visita naquela hora.  Vou ver minha menina andando um dia novamente, depois de três anos e 11 meses cuidando dela, recebeu um milagre, os movimentos de Júlia estavam voltando para felicidade da mãe e surpresa dos médicos, que ao avaliarem novamente a menina disseram isto é um milagre não tinha como acontecer a não ser por milagre. Mas Cida tinha as respostas em seu coração, era sim milagre de Deus e ajuda dos anjos de luz. Depois de 06 anos após o acidente Júlia voltava a caminhar com suas próprias pernas e já falava algumas palavras para felicidade de Cida uma era mãezinha.  

Texto escrito por Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de propriedade intelectual. ….

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…