Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | O medo de Marisa.

     Quando a noite cai, tudo fica confuso na cabeça de Marisa pois ela sempre pensa o pior, ainda que seu esposo fale para ter pensativo positivo ela sempre pensa negativo. Um dia quando eles viajavam depois de um ano de casados ela disse a Felíx eu não queria viajar tenho medo de perder você, ele disse como me perder amor? Eu sinto em meu coração muito medo de perder você e minha família. Marisa por favor não pense assim, estou aqui, sua família tá bem falou hoje com eles, vamos aproveitar nossa segunda lua-de-mel, sim vamos viver e deixar o pensamento de lado. Mas bem a noite chegou ela se apavorou não queria dormir, tinha medo dos sonhos, sempre tinha o mesmo, via todos que amava se perder no espaço e ela ficava só. Felix vendo sua esposa no sofá perguntou sem sono amor, sim vou assistir este filme até o sono chegar, assim amanheceu o dia. O marido já havia levado aos melhores médicos sem nenhum resultado, ele tinha muito dinheiro e não media esforços para ver sua amada feliz, amava muito Marisa, não queria perde-la. Depois de um mês fora da cidade onde moravam retornaram com muitos presentes para todos, e uma novidade sua mulher estava gravida deu a noticia em primeira mão, as famílias dele e  dela que vibraram e emanaram energias positivas.
Quando Felix retornou a sua empresa foi recepcionado com festas pelos funcionários era um bom patrão amigo e companheiro, todos o admiravam. Marisa por sua vez não trabalhava fora, ainda mais agora gravida, eram muitos preparativos para a chegada de Alicia, a mulher pensava na filha e bordava lindas peças como se tivesse visto a filha, parecia conhecer cada detalhe do rosto da filha,todo rostinho que bordava tinha um lindo sorriso, como uma foto mas como , nunca havia visto a filha, parecia que sua tristeza lhe obrigava a ver sorrisos na filha. Ela sempre triste mas a filha haveria de ser feliz sorridente, iria alegrar espalhar alegria a toda  grande casa. As funcionarias da casa cuidavam com maior desvelo de tudo, a sra Marisa podia sorrir um pouco não acha Zulmira disse Zenaide, sabe acho que ela tem problemas e a gente não sabe, mas como nunca vimos ela reclamar de nada, você já ouviu a voz dela em tom elevado, nunca ouvimos parece tudo ser bom pra ela. Já Felix as vezes reclamava da comida de Zulmira, mas coisa boba, passou os meses Alicia nasceu qual foi a surpresa de todos, o rosto era o mesmo desenhado nas peças bordadas que a mãe bordara, Deus como pode isto, teria ela visto o rosto da filha? Nada ela sempre sonhou com a menina mesmo antes de engravidar foi a resposta dela.
A noticia se espalhou e todos queriam conhecer Alicia, por curiosidade ou mesmo por amizade do pai, ele era uma pessoa querida por todos. A menina crescia e o medo da mãe também agora é mais uma para eu perder, não deixe senhor, por favor, até um dia chegar na cidade um senhor famoso em espiritualidade, o marido tratou de convida-lo para um jantar no intuito de apresentar sua esposa e contar o que lhe afligia. O homem sr Queiroz aceitou e foi muito bem recebido, a esposa recebeu com muita elegância e carinho o sr, que gostou muito da mulher e também ganhou sua simpatia, ficaram amigos, a criança gostava muito dele sempre queria ir pro colo tão logo chegasse, um dia perguntou a sra,  por que não a vejo fora desta casa seu esposo trabalha mas a noite esta contigo em casa, nunca saem, ela olhando nos olhos respondeu tenho medos muitos de que, de perder todos que amo, sempre os vejo sumindo no espaço e eu fico só por isto tenho todos sempre por perto, não saindo evito de correr riscos.Mas sra desculpe isto não vai acontecer é só um sonho, mas sempre sonho desde criança, eu via minha filha mesmo antes de engravidar, há não pense em perder apenas em ganhar e verá como vai melhorar tudo, vou te ajudar e começou uma frequência de reuniões onde mostrava que a  luz vence as trevas, o amor vence o ódio e o bem vence o mal, com o tempo Marisa aprendeu a lidar com os sonhos, e passou a sair sem medo, a filha crescia linda admirada por todos, um dia após o jantar Felix convidou a esposa para ir no cinema, o filme mostrava exatamente o sonho da mulher, na medida que o filme passava Marisa chorava e segurava forte no marido, vamos eu não posso ver, o fim eu sei o fim vamos, o homem resistiu e ficou abraçou fortemente a esposa e disse liberte-se , é só um filme, pois bem foi este que vi em meu sonho, por isso tenho tanto medo, mas agora sabe é um filme, ficção não é real, eu vejo sempre desde que assisti com meu pai, eu era criança ainda, você ficou sempre pensando nele por isto nunca esqueceu de agora em diante não vai mais sonhar, mas e com Alicia como sonhava com ela, isto era seu desejo de ser mãe, mas eu a via, eu sei eu também posso ver você de onde eu estiver, sorrindo se abraçaram e voltaram. Desde aquela noite Marisa passou a sonhar sonhos bons, pensamento positivo sempre, pois o negativo atrai coisas ruins. 
Texto escrito por Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de propriedade intelectual.



Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…