Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Forró de são João.

     Numa manhã de junho depois de uma noite inteira na festa de são João Laura estava cansada e queria dormir um pouco mais, mas o tempo não perdoa era hora de trabalhar. Ela trabalhava na farmácia não podia faltar se apressou um pouco e foi, o dia passou e mais uma noite de forró na cidade, em junho as festas são muitas e toda noite tem quadrilha. Quando a moça chegou em casa seu telefone tocou era Luma sua melhor amiga que havia chegado de viagem estava na Europa ansiosa por rever a amiga e contar as maravilhas de lá. Combinaram de jantar e depois dar passadinha no forró, Luma havia trago um vestido lindo para amiga e queria que usasse nesta noite de sexta, elas poderiam dar umas voltas e rever a cidade afinal as noites daqui são mais bonitas. Laura se aprontou despediu-se da mãe e do irmão e foi para o encontro com amiga.
Foi muita alegria e emoção por parte das amigas as duas eram lindas, amiga veja o vestido que lhe trouxe é maravilhoso vamos até sua casa e coloque pra gente ver e ai sairemos para curtir a noite, quando elas desceram do carro os olhares eram todos para elas as mais lindas da noite, muita gente dança e bebidas, e todos rapazes queriam dançar com elas, mas Laura estava cansada tinha ficado as últimas noites dormindo pouco e trabalhando muito, precisava parar tomar alguma coisa repor as energias, mas Luma não perdia uma dança, os homens do salão só tinham olhos para as duas.
A noite é uma criança foi o que disse Léo para Laura que havia recusado uma dança com ele, mas ela disse depois então dançaremos, vamos tomar uma bebida e conversaremos um pouco, depois de quase duas horas começaram a dançar e estavam bem animados, quando a amiga pediu licença para Léo e chamou a amiga vamos ali fora preciso lhe falar, o rapaz ficou irritado mas cedeu e sentou-se para esperar a moça. Amiga precisamos sair daqui eu ouvi uns homens dizendo que vão fazer um arrastão aqui quando der três horas começarão, vamos despistar aqui e fugiremos isto aqui é perigoso estou atenta as falas deles programam coisas horríveis, vamos daqui acho que não vão perceber. As duas correram para o estacionamento entraram no carro, mas Léo correu até o carro, gritando parem não fujam covardes, conseguiram escapar, mas dois carros a seguiram e elas tinham medo como fazer, chame a polícia Laura ligue logo, rápido eles vão nos matar.
Mal conseguia falar ao celular implorando por socorro quando o carro de um homem bateu fortemente do lado do motorista que girou o carro delas para o outro lado da pista, outro carro se aproximava, Deus ajude-nos por favor gritou Luma, as amigas choravam gritavam por socorro, mas ninguém as ouviria em meio a tantas músicas altas. Os homens já se aproximavam do carro delas de todos os lados estavam cercadas não tinham como fugir, então se abraçaram e começaram a rezar implorando por um milagre os vidros de trás começavam a cair no chão fazendo cacos e barulhos, neste desespero chamando por Deus ouviram a sirene de uma ambulância, pensaram ser da polícia, mas não era. Quando o motorista da ambulância percebeu deu meia volta e retornou mas chamou a polícia que chegou rápido os homens já havia tirado as moças de seu carro e estavam colocando no porta malas de um dos carros. Foi um tiroteio e fuga do carro que levava as moças a perseguição durou uma hora aproximadamente, as amigas estavam em estado de choque, nem conseguiam falar, mas estavam sem grandes ferimentos. Quando a polícia conseguiu alcançar o carro de Léo outras viaturas estavam dando apoio conseguiram resgatar as moças e prender os dois homens.
Na delegacia Léo entregou os cúmplices que foram presos em seguida, já era 07 da manhã quando as moças deixaram o hospital onde foram atendidas seguiram sobre escolta policial até a delegacia prestaram depoimentos e foram para casa. As mães estavam aflitas haviam visto na reportagem da manhã e temiam por suas vidas, assim que tudo ficou esclarecido as amigas foram descansar. Depois de umas boas horas de sono Laura confidenciou a mãe, olha nunca mais quero ir a um forró de são João naquele bairro é muito perigoso lá, Célia a mãe disse filha toma juízo noite foi feita para dormir descansar, aprenda a lição e agradeça a Deus pela vida de vocês, eu já agradeci. Luma havia pensado em ficar de vez na cidade, mas a experiência nada agradável a fez mudar de ideia. Ligou para amiga e a convidou ir morar com ela na Europa. Amiga vamos pensar no assunto com calma depois decidiremos, vamos descansar e veremos depois, eu gosto da ideia mais precisa ter calma.


Texto escrito por Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de propriedade intelectual.



Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…