Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Ferias na casa da vovó.

      Quando Mariana saiu da escola naquele dia todos aguardavam por sua volta ansiosos, era sexta-feira iam viajar de férias para casa de sua vó que morava no interior. Mari estava de malas prontas tão logo chegasse era só almoçar e partirem tudo pronto carro na porta, iam sua mãe o pai, seu irmão Assaf e sua tia Adriana. Todos animados a viagem era longa demorada, mas valeria tamanho esforço, depois de um ano de trabalho dedicado e estudos era merecida férias a casa de dona Porfiria era bem no interior mesmo, estrada de chão e muita poeira. Depois de 12 horas de viagem chegaram, foi muita alegria para os pais de Fernanda que esperava com muita festa e todos os filhos reunidos, Fernanda era única a morar longe os outros moravam junto no mesmo sitio. O pai de Mari era Ivan, estava cansado de dirigir apesar de sua irmã Adriana ter dirigido um pouco.
Depois de algumas horas de descanso foram para o curral iam tirar o leite da tarde, as vacas estavam presas os bezerros berravam sem parar, depois de tirar o leite iam tratar das criações e também fazer queijos, toda tarde faziam vários queijos. As primas de Mari queriam brincar andar a cavalo e ir na ponte que havia no córrego onde elas gostavam de dar comida para os peixes. Tinha feito petecas com penas de ganso bem bonitas coloridas. As crianças estavam adorando, as irmãs de Fernanda vinham com suas filhas e filhos, o irmão Sóstenes veio com a esposa e filhos, era muita gente e muita alegria, passados os dias estavam todos reunidos era aniversário de casamento de dona Porfiria e s.r. Alcineu 49 anos de casados no próximo ano seria bodas de ouro. Já comentavam da grande festa que fariam, a noite fizeram um grande jantar e um bolo bem grande vieram bastante vizinhos de sítios da li próximos. Terminado as comemorações era hora de cuidar de providenciar a viagem de volta, os dias passaram rápido Assaf e Mari não queriam ir embora estavam muito felizes com os primos, brincavam muito todos os dias, e ainda ouvia histórias que o avô lhes contava todas as noites, eles queriam ser crianças para sempre e viver ali na roça, onde podiam correr livremente, brincar com coisas nunca imaginadas por elas, como peteca de palha de milho, pique-bandeira com folhas de árvores, jogar queimada com bola de meia, e até de cabra cega no terreiro a noite. Ha como é bom ser criança aqui disse Assaf a seu avô, muito bom meu filho, mas vocês precisam voltar com seus pais depois um ano passa depressa, e vocês voltarão novamente, naquela noite as crianças nem dormiram direito pois sabiam que era o último dia desta temporada que teriam para aproveitar daquele lugar magico, lindo, cheio de paz e alegria. No dia seguinte voltariam para cidade grande casa de portas fechadas, nem um passo sozinho, era escola, casa, igreja, e casa de novo, só seriam livres novamente no próximo ano quando seus queridos avós completariam 50 anos de casados.
Quando já estavam em sua casa Mari perguntou a mãe, porque não mudamos para a casa da vovó igual nossas primas, é bom de viver lá, fala com papai e vamos morar lá, a mãe abraçou a filha sorriu deu um beijinho e disse filha nós vamos um dia se Deus permitir, agora temos muito trabalho por aqui, trate de estudar e tenha calma o tempo passa depressa, logo é férias novamente. A filha adormeceu em seus braços e sonhou com o dia da volta para o sitio da avó.


Texto escrito por Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de propriedade intelectual.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…