Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Ferias em Londres.

      Tudo que Sandra precisava era de uma noite de sono para dormir e colocar as ideias no lugar, estava exausta devido a viagem que havia feito, seu trabalho exigia muitas viagens. Ela era representante de uma multinacional, sempre viajava para fora do país ficava até 30 dias fazendo palestras e demonstrações, numa destas viagens ela conheceu um americano John era muito amável com ela, o que havia cativado bastante ela.
John era alto claro olhos azuis, enquanto ela morena bem baixa e olhos de mel, os dois se falavam bastante trocavam ideias sobre o trabalho que desenvolviam na empresa. Numa destas viagens, quando ela desembarcou não avistou o amigo como de costume, sempre ele a aguardava no aeroporto, ela achou estranho mas imaginou depois ligo, ele deve ter algum compromisso por isto não está aqui. Mas seu amigo estava doente e não tinha contado para não a deixas preocupada, já fazia três dias estava no hotel e nada de John, havia ligado várias vezes sem retorno, então decidiu ia procurar por ele no seu prédio. Quando saiu do elevador do prédio a secretaria do amigo a reconheceu e disse procura por John? Sim, há sinto muito ele não a avisou né, faz uma semana está internado teve uma complicação no coração, ele transplantado, sabia disso? Oh Deus como faço para visita-lo, a moça deu endereço do hospital onde estava, na manhã seguinte teria uma palestra, mas a tarde iria ver o amigo.
Assim que terminou a palestra Sandra passou no hotel trocou de roupa e foi para o hospital, neste espaço de tempo seu amigo fora submetido a exames, havia constatado bactérias em seu organismo, estava proibido visitas, a moça voltou para o hotel, deixando um cartão desejando melhoras e avisando que logo pudesse receber visitas voltaria. Assim passaram os dias sem que os amigos se encontrassem, no dia de Sandra voltar para seu país, voltou ao hospital, mas ainda não podia ver o amigo, deixou outro cartão e foi direto para o aeroporto. Quando se apresentou na empresa o chefe a parabenizou pelo excelente trabalho que havia feito, tinha fechado vários negócios depois das apresentações da moça. Então ela disse preciso de um favor quero uns dias para descansar antes da próxima viagem estou exausta, concordou o chefe pode tirar dez dias, depois se apresente eu não estarei tenho uma viagem, mas você sabe quem lhe passará tudo sobre a viagem, enquanto descansa prepara algo novo para os japoneses que são muito exigentes.
O Japão era seu alvo, agora conquistar os japoneses não era tarefa fácil, mas ela sempre dava um jeito. Passados dez dias retornou a empresa e foi direto pro aeroporto novamente, agora ia ficar só não tinha amigos por lá, pensou podia levar minha mãe para servir de companhia, ligou para mãe que aceitou o convite, tão logo chegassem lá ia ligar novamente para seu amigo John, estava realmente preocupada com ele, ficaram longos dias com os japoneses e voltaram, agora ela teria férias segundo o chefe, assim que retornou para empresa foi recebida com muita festa e mimos, tinha feito muito sucessos no Japão, era muito eficiente e deixava seus colegas com ciúmes, diziam que era feia e baixa, mas inteligente era muito.
Suas férias seria em Londres faria a reserva no hotel e tão logo chegasse lá ia até Miami visitar John, assim o fez, depois de uma semana em Londres foi com sua mãe a Miami, seu amigo tinha saído do hospital as recebeu com muito prazer e alegria, estava pálido e desfeito tinha perdido muito peso no hospital, Sandra disse John quase me matou de susto, por que não me contou que seu coração era transplantado, ele sorriu triste disse tinha medo de perder sua amizade gosto muito de você, Sandra abraçou-o dizendo eu amo você me dei conta disto agora, só aqui entendi porque tive tanto medo de perder você, nunca tinha amado ninguém John, é o primeiro homem a me conquistar , ele confessou minha querida eu a amo desde o primeiro instante que a vi, trocaram um longo beijo perto de sua mãe que ficou sem entender uma palavra que os dois disseram mas entendeu bem o beijo, saiu de levinho e foi olhar a cidade que tinha uma vista linda da cobertura do apartamento de John. Agora só faltava a filha querer ficar ali e não voltar para Londres.
Mas Sandra convidou John a passar o restante das férias com elas, ele estava de licença médica ela de férias era tudo que precisam para cuidar da festa que iriam dar quando voltasse para sua casa, os dois iriam se casar, Selma a mãe de Sandra pensou que jovens animados estes de hoje, trocaram um beijo e já vão se casar, mas o que ela não sabia era que a filha já conhecia John há muito tempo, não havia era percebido o quanto amava aquele americano feio, mas ela também era tida como feia, e daí? Eles se amavam era tudo que importava. Sua filha seria feliz tinha certeza.

Texto escrito por Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de propriedade intelectual.



Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…