Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | A gravidez de Lucy.

  Numa manhã chuvosa de sábado Lucy acordou um pouco enjoada, disse a seu marido Romildo por favor não estou bem pode me ajudar? O que sente meu amor, muitos enjoos acho que estou gravida, podia ser verdade eu seria um homem realizado, faz 10 anos que casamos e não temos filhos. Amor eu não tenho culpa sabe disso, não estou culpando você amor, tenho certeza que um dia teremos nosso filho. Eles estavam casados fazia 10 anos se amavam muito, ele trabalhava de mecânico, ela enfermeira, todos os dias ele a levava a seu trabalho e depois a buscava, sempre que nascia uma criança ela voltava feliz por aquela mãe, e baixinho dizia amor vamos ter a nossa criança ainda. Neste dia ela disse que os enjoos seriam por que comeram lanche a noite, mas para felicidade do casal era gravidez mesmo, fizeram o exame depois dela passar a manhã toda enjoada, quando ele foi buscar o resultado nem pensou na tamanha surpresa que teriam. Ao abrir o envelope seu coração bateu forte já conhecia quando estava negativo, desta vez era positivo, foi muito choro, muitos beijos e muitas ligações para todos da família e convocaram um almoço no domingo, seria uma festa de comemoração. A mãe de Lucy foi a primeira chegar e abraçar a filha, afinal ia ser avó, seu outro filho Lucas não quer casar. É muita felicidade filha, trate de ficar muito quieta de repouso nós vamos providenciar tudo para o almoço, foi muito paparico neste dia, depois de tantos abraços e recomendações almoçaram todos juntos.
   Segunda ao chegar no trabalho foi recebida com muito carinho por seus colegas de trabalho, todos queriam escolher nomes e marcar a data do parto, ela queria parto normal, mas seu obstetra disse que não vai deixar ela passar por essa dor se pode ser cesariana ela tem mais 30 anos. O tempo passou e o mês do nascimento chegou, eles optaram em não saber o sexo, queriam a emoção do momento, o enxoval do bebe era unissex tudo havia corrido bem até a semana do parto, ela estava bem-disposta e caminhava todas as manhãs tinha tirado suas férias agora para emendar com a licença maternidade, tudo pronta mala do bebe, suas coisas. Ester sua mãe havia chegado cedo estava fazendo companhia para filha todos os dias desde o início da gravidez, ela notou Lucy meio nervosa, o que houve, estou sentindo umas dores com certa frequência, Romildo corra vamos para o hospital daí uns minutinhos chegaram a maternidade a equipe do Dr Ewerton aguardava sua chegada, foi uma longa hora para sogra e genro, quando finalmente ouviram o choro era um menino, não é uma menina, neste dilema correram até a enfermeira que acabou com suspense, são dois, como dois? Um casal, mas o médico não disse que eram gêmeos, como pode ser olhe o Dr depois explica, preciso ir, terminado o parto cesariana o médico vai e explicou que era raro, mas podia acontecer de ser dois e a ultrassonografia não mostrar, e tinha também o detalhe deles não quererem saber o sexo, foi muita emoção pai, mãe e avó uma mistura de surpresa com felicidade.
   Que nomes daremos a eles amor, decidiram colocar Maria e Pedro, foram muitas visitas e presentes, todos ajudavam com fraldas, dois de uma vez não é fácil, as amigas vinham revezar no banho e nas mamadas, ela tinha muito leite, mas não o suficiente estava introduzindo mamadeiras em horários alternados. O homem ficou tão feliz em ser pai que esqueceu até que fumava parou sem ver para alegria da esposa. O tempo passando as crianças cresciam saudáveis e bonitas, chegou a hora do batizado, os avós seriam padrinhos os pais dele e os dela, seriam batizados no início de junho primeiro domingo, a missa das 09 da manhã a igreja estava toda enfeitada como se fosse casamento, havia muita gente faltava espaço para sentar, muitas poses para as fotos do álbum seria o presente do irmão de Lucy. Após o batizado haveria um almoço de confraternização no salão da igreja, o cardápio frango assado, creme de milho e arroz, presente dos colegas de trabalho de Romildo. A noite na casa dos pais do marido um churrasco e cerveja para os amigos mais íntimos, toda festa que fizessem ainda era pouca diante da felicidade das famílias que aguardaram 10 anos para curtir esses netos. Quando terminou a licença maternidade Maria e Pedro iam ficar com as duas avós, era muito chamego, os sorrisos dos netinhos deixavam as avós corujas bobas, o avô paterno comprou as bicicletas para presentear na festa de 01 aninho, o avô materno estava comprando um boi para o churrasco, seria uma festa de três dias para meus netos tudo que eu fizer será pouco, nesta disputa as crianças vão ficar é mimada disse o pai e mãe de Maria e Pedro.

Texto escrito por Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de propriedade intelectual.

Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…