Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | O regresso de Ângela

Um fim de tarde no domingo Ângela regressava para sua casa na pequena cidade de Morgadio, ela estava viajando fazia alguns dias tinha ido visitar seus parentes por parte de mãe na capital. A viajem estava marcada o voo sairia as 19 horas, ela estava ansiosa tinha um certo medo de viajar de avião, havia preferido de ônibus, mas seus tios não permitiram, disseram precisa viajar de avião para ver que conforto, é rápido verá. Assim as horas se aproximavam as malas prontas quando ela ligou para sua irmã Agda eu vou de avião chegarei por volta 23:50 pode me esperar no aeroporto, daí pegamos um táxi para chegarmos mais depressa em casa, estou com muitas saudades de todos e de meu cachorro peteleco, certo concordou a irmã, irei te esperar deveremos chegar aqui por volta de 2:30 da manhã vai estar frio traga seu casaco na mão para não ter que abrir mala no aeroporto, faça boa viagem.
Ângela estava pronta seus tios a levariam, se despediu as recomendações eram muitas dê lembranças a fulano, beltrano, uma verdadeira sabatina na cabeça da moça. Tão logo deixou a capital ela pegou seu inseparável livro e começou a ler, uma escala de 20 minutos no próximo aeroporto, coisa rápida, assim ela continuou lendo, seu companheiro de poltrona puxou assunto, mas ela não deu atenção, estava voltada para a leitura que era interessante, logo o rapaz perguntou que livro está lendo, ela apenas respondeu violetas na janela, ele disse interessante o assunto está prendendo toda sua atenção. Como se chama ela respondeu ele disse eu sou Taylor, você mora onde? Morgadio disse a ele, que cordialmente sorriu dizendo, eu sou de Aroeiras, mais umas palavras e nenhuma resposta, assim ele se aquietou. Como previsto chegaram sua irmã estava aguardando no portão de desembarque, quando Ângela ia saindo o rapaz disse tem um motorista me esperando e vou passar dentro de sua cidade, quer uma carona? Ela respondeu obrigado, nesta hora a irmã respondeu aceita sim, teremos que pagar um táxi assim iremos juntos, oi prazer eu sou Agda irmã de Ângela, sorriu alegremente e deu dois beijinhos, o coração de Agda saltitou dentro do peito.
Quando entraram no carro do moço as irmãs sentaram perto e Taylor na frente junto com seu chofer, mas os olhos da moça brilhavam quando encontrava os do rapaz, Ângela disse mana está me deixando com vergonha pare de olhar assim ele está percebendo, mas o moço estava olhando, pois, as irmãs era bela como nunca havia visto sempre parava na cidade delas quando ia visitar seus pais, então tomou coragem e perguntou tem namorado Agda? Não respondeu tímida, impossível alguém tão linda estar sem namorado, mas a irmã logo respondeu é estamos envelhecendo sem namorar, qual nada são jovens ainda, assim a viagem chegou ao fim, quando pararam na cidade das moças o rapaz todo sorridente desceu abriu a porta do carro muito cavalheiro você disse as moças, trocaram umas palavras e a viagem do moço prosseguiu, assim que entraram em casa peteleco veio correndo receber Ângela, que cobriu seu amiguinho de carinhos. Agda perguntou para a irmã você tem certeza que não quer nem pensar na possibilidade de conhecer Taylor melhor? Claro que não pode ficar pra você , no dia seguinte quando foi no mercado Agda comprou um cartão telefônico ia ligar pro moço mas não queria que soubesse que era ela, de um orelhão não reconhecerá minha voz, ligou a irmã do rapaz atendeu e chamou em seguida na primeira palavra perguntou como achou meu número, olhe estava no cartão que achei na poltrona de trás, com  soube que era eu, ele disse não parei de pensar em você, vou até ai hoje à noite quero conhecer melhor esta moça que roubou meu coração. Combinado esperarei ansiosa por ti, a noite ela estava linda mais que nos outros dias, seu pai s.r. Jonas comentou sorrindo já vi mulheres belas, mas iguais as minhas filhas ainda não. Ângela falou há papai então não sabe hoje irá conhecer seu genro Taylor, como assim genro? Calma papai, eu vou apresentar ao senhor um moço que conheci ontem mas parece que faz anos, Ângela trouxe junto no avião o homem que roubou meu coração, acho que agora me caso. Riram bastante logo o interfone tocou era Taylor que chegara com um ramalhete de flores e um sorriso encantador, a noite foi linda Agda e Taylor começaram um relacionamento para se conhecerem melhor, mas todos sabiam onde terminariam este relacionamento, no altar no próximo ano.


Texto escrito por Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem,reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual.



Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…