Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | O desempregado.

As dificuldades de viver sem trabalhar, foi numa desta situação que Karen se encontrava, pois era funcionaria pública trabalhava tinha seu salário não era muito mas dava para suas necessidades pessoais, agora Karen se encontrava desempregada, longe de seus familiares e da terra natal. O coração da moça doía de saudade mas ela não deixava seu companheiro perceber, pois afinal ele não tinha culpa. Os anos passavam e os dois estavam sempre juntinhos, cada vez mais apaixonados, mas uma tristeza profunda nos olhos da moça não passavam despercebidos, sempre as mulheres que conversava com ela perguntavam você tem muita saudades de sua família né, tá nos seus olhos esta saudade bem escondida por trás desta tristeza, Karen desconversava mas sabia que era verdade. Assim o tempo passava e a moça sempre questionava preciso arranjar um trabalho não da pra viver assim, preciso me cuidar um pouco, estou ficando muito feia, mas o companheiro Jaime sempre desconversava, até um dia ela chorar muito e tomar uma decisão ia falar sério com companheiro.
No fim de semana depois de cuidar da casa tomou seu banho foi dar um trato nas unhas, mas para tristeza da moça não tinha como ela mesmo fazer, precisava de uma manicure, mas como ia pagar, não tinha dinheiro, desempregada recorrer a quem longe de sua família, Jaime também desempregado, e agora? Karen decidiu falar com companheiro ou você me deixa trabalhar ou eu volto para minha cidade.
O homem ficou confuso, como fazer deixar a mulher trabalhar, e os ciumes que sentia dela como suportaria, ela por sua vez disse eu falo sério ou deixa ou me perde de vez decida-se. Neste empasse os dois começaram se estranhar, não era como antes que nunca descutian, se quer falavam alto, agora era agressões verbais trocadas sem o mínimo receio. Todos os dias e noites não tinha hora a mulher chorava muito, pois amava seu companheiro, mas viver assim, sem trabalho, sem conforto longe de seus entes queridos, ela começou questionar será que amor vale a pena? Até quando vou suportar esta situação, eu preciso resolver isto dentro de mim será que me enganei não o amo como pensava, e viveu longas horas nesse conflito consigo mesmo.
O trabalho dignifica o homem, uma pessoa que perde o emprego e com certa idade tem dificuldades para conseguir outro, com o desemprego vem muitas dificuldades junto, até mesmo o amor começa tornar impossível, pensando assim Jaime disse a Karen pode voltar para sua família sua terra, não é obrigada a viver comigo passando privações, está livre. Mas a moça não queria voltar, queria um trabalho, assim ajudaria seu companheiro nos orçamentos da casa, manteria-se como gostava, poderia cuidar-se e teria um dinheirinho para viajar quando quisesse, o homem disse não estou te entendendo, estou liberando você de nosso compromisso pode ir, é livre.
Karen ficou triste imaginando porque ele esta desistindo de mim? Então não me amava como o amo, se amasse não abriria mão de meu amor, porque esta agindo assim, sem entender começou a fazer as malas chorando muito, só pensava ele não me ama, caso contrario não deixaria eu ir. Mas Jaime estava arrazado morto por dentro, como viveria longe de seu amor, como ia acordar sem ela todas as manhãs nem comia nem dormia só pensando, a moça estava com as malas prontas, mas nunca teria coragem de ir, estava sentada olhando as malas pensando na viagem, resolveu ligar o rádio, estava passando uma mensagem que mudou o pensamento de Karen  dizia mais ou menos assim, quando se ama alguém não se mede esforços, não existe sacrifícios  ou barreiras que possa romper este amor, pois quando se ama de verdade, nada é sacrifício, se faz com amor e por amor, se faz prazeirosamente, pois ambos olham na mesma direção e haja o que houver vencerão juntos pois o amor que os une sustenta e da força para seguirem adiante. Karen respirou aliviada e correu até Jaime abraçou dizendo, meu amor eu vou ficar lutaremos juntos e venceremos, se abraçaram se beijaram e reafirmaram o verdadeiro amor que os unia.
Texto escrito por Luzia Couto. Direitos Autorais Reservados a autora. Proibida a cópia, colagem,reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte desta obra, sem autorização expressa da autora sob pena de violação das Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos de Propriedade Intelectual.




Mais Vistas do Mês

A menina que gostava da chuva.

Um dia frio e chuvoso como Línea gostava ela ficava da janela olhando a rua onde pessoas passavam apressadas por causa da chuva e os carros passavam molhando tudo que estivesse ao lado, as crianças que brincavam na rua correndo nas poças de água gritavam e jogavam água uns nos outros isto para Línea era o máximo como ela sentia vontade de sair e fazer o mesmo, mas não podia estava presa a uma cadeira de rodas. Sua mãe Micaela sofria ao ver sua princesinha tão bela e jovem presa a uma cadeira sem poder andar mas sentia conformada pois sabia que se Deus lhe deu uma filha assim ela merecia e ainda mais porque sua filha era bela inteligente e tinha saúde apenas não podia andar, mas ela era feliz o que parecia. O Pai José não aceitava muito bem achava que era praga de uma cigana que conheceu na adolescência e havia lhe rogado uma praga, ele havia xingado a cigana que proferiu algumas palavras e ele entendeu como praga. Mas sua esposa não pensava assim sabia que Deus não castigaria uma cria…

Poema | Ciclo da Vida.

Diante da vida coloco minhas expectativas de dias melhores e horas mais felizes e alegres, coloco minha esperança e minha angustia em saber que talvez esse dia nunca chegue. Coloco as tristezas e solidão, diante da vida dispo-me das mentiras que ocultamente atravessa os corações.
Diante da vida coloco a gratidão por todo bem recebido e acolhido de bom grado, coloco também a morte inesperada, mas sabida de todo vivente. Coloco também a verdade da vida sofrida que muitos vivem sem que outros saibam e possam estender-lhes as mãos.
Diante da morte não tem remédios todo ser vivente tomba independente do credo ou raça, morte é vida mesmo que pareça absurdo imaginar assim. Morrer para uns é vida para outros, talvez o sofrimento que faz corroer a carne não lhe vá corroer a alma assim o corpo morre, mas a alma vive eternamente.

Diante da morte e da vida não temos escolhas, nascemos, vivemos e depois morremos. Ao nascermos é alegria e festa, ao morrermos lágrimas e lamentos. Assim o ciclo inic…

Conto | Júlia a menina de rua.

Júlia é uma menina linda e perdida nas ruas, ela vive nas ruas desde seus quatro anos, sua mãe Jamyli a levava para escola quando foi assaltada e assassinada perto de Júlia. Desde esse dia a menina se perdeu nas ruas e nunca mais voltou para casa onde vivia sua avó que tinha mais de 70 anos. A avó procurou pela menina por muito tempo sem noticias. Enquanto isto Júlia vivia dormindo nas calçadas, longe de seu bairro, durante o dia comia restos de lixo e as vezes, ganhava um pedaço de pão de alguém que lhe oferecia. A noite chegava e Júlia se agarrava a seu ursinho de pelúcia e fazia sua pasta de cadernos de travesseiro. Na manhã seguinte ela caminhava sem rumo e acabava cada vez mais longe de sua avó. Numa destas manhãs ela encontrou outra criança um pouco mais velha que ela, Rita tinha 10 anos e ela tinha seis, fazia dois anos estava perdida nas ruas e seus sapatos havia estragado, ela andava descalça e seu vestido estava todo rasgado. Rita sempre procurava um local mais escondido, on…